Finjo que estou sério, os músculos de minha face travam. Ele, imediatamente, abre os olhos assustados e, com a boca fechada, olha fixamente para mim. Se começo a conversar com ele, mesmo não entendendo nada, presta atenção como se nosso diálogo fosse a coisa mais importante do mundo. Invariavelmente, Miguel (meu garoto de 8 meses) […]

Continue lendo →

Ainda desajeitado, seguro Miguel no colo. Contra minha tentativa está um forte argumento: não tenho leite para alimentá-lo. Além disso, tenho pouco tato para aconchegá-lo em meus braços. Estas dificuldades pessoais tornam distintamente especial o momento em que ele se acalma em meus braços. Me faz sorrir. Eu o entendo, e ele – mesmo não […]

Continue lendo →