Pelas estradas da vida, ele semeava
Lançava sementes e mais sementes, sem medida.
Alguns perguntavam: por quê?
Outros: não vale nada.
Mas o semeador a semear continuava.

Grãos caíram no meio do caminho, e as aves o comeram.
Não nasceram, mas voaram;
Outros entre as pedras ficaram;
Brotaram, mas sem raízes profundas.
Existiram, mas, sem forças, sucumbiram.

Com ervas inimigas, outro punhado ficou.
E a má companhia da desinformação o sufocou.

Por fim, as sementes em boa terra cresceram.
E produziram uma colheita surpreendente,
Aliviando a fome, e fazendo todo o povo contente.

E só então as pessoas começaram a perceber o que é:
Que a esperança sempre se veste de semente
E todo caminho é uma trilha de fé.

Que o conhecimento é eterno, e não escondido.
Para quem eternamente o busca,
como um pai procura pelo filho perdido.

Que a Palavra nunca morrerá
Mesmo num mundo frágil, cheio de medos,
De dessabores, tempestades e desesperos.

Assim o semeador segue a caminhar,
Semeando grãos e plantando esperança,
Transformando escassez em bonança,
E ensinando nossos olhos a enxergar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>