“Haja luz”, e houve luz.
Simples palavras, grandiosa criação
A voz do Criador faz existir do caos a vida
A voz do Criador faz singela a poesia

Tudo foi tomando seu lugar
Tudo foi assentando-se no balé das cadeiras
Do ritmo da vida: manhã, tarde e noite
Trabalho, descanso e prazer

Assim o Criador revelou-se pela primeira vez:
poeta, desenhista, pintor, ritmista
Sem pressa, sem ansiedade
Apenas com cuidado, zelo e contentamento

É verdade, viriam dias em que a tristeza alcançaria a Criação
Mas, por enquanto, vale mais o olhar de adoração
Vale mais a sombra do Altíssimo acolhendo
Cada planta, cada animal, cada pedaço da terra
Cada ser humano, homem e mulher

Não há tempo para imaginar comparações
Não há espaço para o poder egoísta
Não há pretensões por uma verdade separada do Verbo
Há apenas a criação e o Criador.
Nada mais importa.

Expulsos do jardim, errantes no mundo,
Choramos e sonhamos pela volta, pelo retorno para casa

Naquele tempo, Deus passeava conosco no fim da tarde
Naquele tempo, não havia Babel
Naquele tempo, a terra era aliada, não inimiga
O prazer de viver era maior do que o medo de morrer

Para chegar ao destino certo é preciso voltar ao início
E Gênesis é o começo de tudo.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.