Senhor, não permita que o vazio nos afogue
Na solidão de uma noite silenciosa.

Não deixe que as cicatrizes escondam nossos olhos
Do sol que nascerá — límpido.

Nas noites solitárias dos nossos quartos,
As palavras realmente importantes fogem,
E nossas almas ficam órfãs na casa suja da alma.

Pousa então tuas asas sobre nós, com vento alentador
E nos faça amar; amar de verdade,
Com a plenitude única
de quem ama a Deus e o outro.

Nos liberta, ó Senhor, de uma vida menor
do que a que o amor pode gerar.

Que a cura chegue, e chegue logo!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>