>> Somos um monte de gente sustentada por discursos fragmentados. Não sabemos mais percorrer montanhas do pensamento. Buscamos atalhos ou simplesmente nos contentamos com uma bela caminhada paradisíaca.  No máximo, encaramos o percurso como uma alegre (ou furiosa) aventura com o objetivo principal de superar outros. Sinto falta de pensadores de verdade. Não aqueles que querem provar algo para todo mundo, mas aqueles que, com maturidade, buscam a verdade, apesar das complexidades e dos enganos dos nossos tempos.

***

>> O que querem os que contam suas amenidades nas redes sociais, como se fossem manchetes de jornal? O que pensam os jornais dando manchetes a amenidades inúteis de gente desinteressante?

***

>> Ah, a Igreja Evangélica Brasileira! Descobrimos que nossos discursos são amadores. Até valem para o templo, mas não para o debate público. Como podemos ser tão displicentes com a Verdade? Como podemos ser tão arrogantes com o mundo?

***

>> Admiro coisas pequenas e simples. Gosto de espaços em branco. Engana-se quem pensa que o silêncio é incompletude. Ao contrário, talvez seja a coisa mais plena que possamos ver na condição incompleta que vivemos. Por que viver refém do êxtase, das histórias espetaculares, das condições extremas? Quem somos quando nada de extraordinário acontece? Ler Ulysses, de James Joyce, talvez nos ajude.

 

Leave a Reply to EDUARDO Cancel Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>