Por Sarah Moraes

Eu não deveria me sentir assim, mas eu me sinto revoltada com algumas atitudes de julgamento e sei que quando eu me sinto assim, eu me torno igual ou pior que o meu juiz. Eu poderia ficar triste e decepcionada, mas no meu íntimo eu já estava me resguardando com incertezas e pré-conceitos. Então já estava esperando por tudo, mais pelo pior do que pelo melhor. Para não ser surpreendida por nada ou ninguém.

Essa atitude de querer me antecipar e também de antecipar os passos dos outros é uma estratégia que mostra muito explicitamente o quanto ainda tenho a melhorar como ser humano e como serva, e revela a malícia que está em mim (Romanos 3:10-12).

Quisera dizer que todos os dias de minha vida, desde que conheci a Cristo e o recebi em minha vida, foram cheios de bonanças, justiça e livres de pecados e maus pensamentos, porém estaria pecando novamente ao afirmar tal mentira.

A maldade ainda está aqui, mesmo com toda bondade e amor presentes em Cristo e visto que Ele está na minha vida, não há mais espaço para qualquer sentimento ou ação contrárias às suas virtudes ou, pelo menos, deveria ser assim. Mas é quando paro e faço minha autoanálise que reconheço, deveria ser mais frequente.

Jesus disse aos fariseus:

“Não julgueis, para que não sejais julgados.” (Mateus 7.1)

Mas não para por aí Ele continua a exortar dizendo:

“Porque com o juízo com que julgardes sereis julgados, e com a medida com que tiverdes medido vos hão de medir a vós.

E por que reparas tu no argueiro que está no olho do teu irmão, e não vês a trave que está no teu olho?

Ou como dirás a teu irmão: Deixa-me tirar o argueiro do teu olho, estando uma trave no teu?

Hipócrita, tira primeiro a trave do teu olho, e então cuidarás em tirar o argueiro do olho do teu irmão.” (Mateus 7.2-5)

O fato de me sentir ofendido revela a maldade que há no homem, assim como nosso egocentrismo e crueldade no que vem a seguir, agora pense! Quando alguém te magoa ou te bate qual a sua reação? Jesus disse para amar os que nos odeiam e abençoar os que nos maldizem: (Lucas 6:27-31) E logo após dizer estas coisas ele indaga:

“Que mérito vocês terão se amarem aos que os amam? Até os pecadores amam aos que os amam.

E que mérito terão se fizerem o bem àqueles que são bons para com vocês? Até os pecadores agem assim.” (Lucas 6:32-33).

Ao ler essas palavras eu me recordo da oração que Jesus nos ensina no livro de Mateus:

E, quando orares, não sejas como os hipócritas; pois se comprazem em orar em pé nas sinagogas, e às esquinas das ruas, para serem vistos pelos homens. Em verdade vos digo que já receberam o seu galardão.

Mas tu, quando orares, entra no teu aposento e, fechando a tua porta, ora a teu Pai que está em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará publicamente.

E, orando, não useis de vãs repetições, como os gentios, que pensam que por muito falarem serão ouvidos.

Não vos assemelheis, pois, a eles; porque vosso Pai sabe o que vos é necessário, antes de vós lho pedirdes.

Portanto, vós orareis assim: Pai nosso, que estás nos céus, santificado seja o teu nome;

Venha o teu reino, seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu;

O pão nosso de cada dia nos dá hoje;

E perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores;

E não nos conduzas à tentação; mas livra-nos do mal; porque teu é o reino, e o poder, e a glória, para sempre. Amém.

Porque, se perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai celestial vos perdoará a vós;

Se, porém, não perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai vos não perdoará as vossas ofensas.” (Mateus 6:5-15)

Queremos a compreensão, mas não estamos dispostos a compreender. Queremos o perdão, mas não queremos perdoar. Queremos ser ajudados, porém não estamos dispostos a ajudar, queremos falar, mas não temos paciência para ouvir. Queremos ganhar, mas não queremos doar.

O que não paramos para pensar sobre ofensas é que a cura para elas é o perdão. Bom seria não nos ferirmos, bom seria nos amarmos, ser mais tolerantes, mais empáticos, ser praticantes não apenas leitores (Tiago 1:22).

Por isso, como cristã que me declaro, preciso ser o que essa palavra significa.

O significado da palavra cristãos no grego é “Pequenos Cristos” – dando o sentido de que o cristão deve ser uma cópia submissa de Cristo. A designação não está relacionada à religião de alguém, mas sim, à identidade que essa pessoa tem com a pessoa de Cristo!”. Em outras palavras, como diz Amanda Rodrigues em sua canção: “Mais do que ler, falar, eu preciso viver”.

Eu preciso ser, eu preciso ter, liberar perdão, para que por fim eu alcance aquilo que também desejo e almejo receber.

 

  • Sarah Moraes, escreve desde os 8, sobre a vida e sobre Deus, em canções, poesias, crônicas e cordéis.

Leia mais:

» O perdão nosso de cada dia (Edição 362)
» O valor do perdão, como ensinado em Lady Bug

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.