Por Felipe David Pereira

Viver a preparação para o Natal nestes últimos anos, foi, para mim uma constante reflexão sobre o que sentiram as pessoas quando o Natal era apenas uma promessa. Pensar em toda a trajetória do povo de Israel e cada situação que aquelas pessoas tiveram que passar me parece ser tão útil para enfrentarmos dias difíceis como esses que temos passado.

E o verdadeiro Natal também é sobre promessas. Profecias que se cumpriram para que um povo que andava em trevas visse uma grande luz (Isaías 9.2). Ao refletir sobre o Natal como uma grande promessa cumprida, alguns lições vieram ao meus coração:

Pessoas podem cooperar com as promessas. Deus poderia ter feito tudo com sua palavra, como fez no início: “haja” (Gn 1). Porém, Ele decidiu incluir a humanidade no seu plano de salvação. Podemos nos lembrar de Abraão. Deus fez uma aliança com ele:

“Farei de você uma grande nação, e o abençoarei, e engrandecerei o seu nome. Seja uma bênção! Abençoarei aqueles que o abençoarem e amaldiçoarei aquele que o amaldiçoar. Em você serão benditas todas as famílias da terra.” (Gn 12.2-3b – NAA).

A partir daí, uma longa jornada se iniciou; os descendentes de Abraão se tornaram uma grande nação: o povo de Israel. Deus levantou sacerdotes, profetas, juízes e reis; homens e mulheres que foram boca de Deus, lembrando as pessoas das promessas de Deus.

Até que chegou o momento da vida do Messias. Outra vez, pessoas são chamadas por Deus para que mais um capítulo dessa história fosse escrito: o casal de camponeses José e Maria. Hoje, Deus também busca homens e mulheres para serem cooperados das suas promessas; não pelo seus recursos e nem pelas suas forças, mas pela Graça dele.

Toda promessa passa pelo teste do tempo. Algumas pesquisas indicam que se passaram mais de dois mil anos desde que Deus fez a promessa a Abraão (Gn 12) até que Jesus de fato viesse ao mundo. Foram cerca de 400 anos entre o último profeta do Antigo Testamento e o nascimento do Messias. E quando o Gabriel se manifestou a Maria para contar que havia chegado a hora… bem, não era bem naquela hora. Maria gerou o Filho de Deus, ou seja, ainda deve ter sido necessário esperar umas 38 a 40 semanas para o cumprimento da promessa. Do momento do Anúncio até as primeiras manifestações de vida dentro do ventre, Maria precisou se agarrar à Fé e à confiança de que Deus iria cumprir suas palavras.

A espera é parte do processo da promessa. Então, temos que aprender a esperar. Quando parecer que a promessa está demorando demais, podemos Voltar os nossos olhos a Deus e nos lembrar de que para Ele nunca houve e nem haverá impossíveis (Lc 1.37).

Viver na esperança das promessas não nos livra dos dias maus. Tem uma canção que gostaria de compartilhar um pequeno trecho:

Eu nunca disse que daria prata e ouro
Ou que não seria tão difícil fogo enfrentar
Mas Eu disse que nunca te deixaria só
E Eu disse: O mundo não é o teu lar!

Eu nunca disse que não haveria solidão
Ou que o medo não seria um inimigo a mais
Mas Eu disse: Ao Teu lado vou estar!
E Eu disse: Te ajudarei a lutar!

A Promessa – The Promise – The Martins (Compositores: Brian White, Don Pythress)

Quando ouvi essa canção, tive a sensação de escutar o próprio Deus cantando sobre nós. E é verdade! As promessas divinas nunca foram sobre uma vida sem dificuldades. Olhe a pandemia: um vírus que trouxe desafios para todos, ricos, pobres, nações de primeiro mundo e os países subdesenvolvidos… cristãos e não cristãos estão tendo que enfrentar as consequências impostas por esse contexto. O que muda para quem vive olhando as promessas? Elas nos ajudam a superar o tempos difíceis. Só para citar algumas…

“O justo jamais será abalado; para sempre se lembrarão dele. Não temerá más notícias; seu coração está firme, confiante no Senhor.” Salmo 112.6-7

“Porque sou eu que conheço os planos que tenho para vocês’, diz o Senhor, ‘planos de fazê-los prosperar e não de causar dano, planos de dar a vocês esperança e um futuro.” Jeremias 29.11

“No mundo tereis tribulações; mas tende bom ânimo, eu venci o mundo” João 16.33

Se você chegou até aqui, quero lhe perguntar: está difícil enfrentar esses dias? Está apreensivo quanto ao novo ano? Lembre-se: Deus tem promessas para você! Estão aí para desfrutarmos. Planos para nos dar uma esperança e um futuro.

 

Felipe David Pereira, jornalista mineiro especialista em Marketing Digital e pós-graduando em Cinema. Cristão e metodista apaixonado por música e se descobrindo na arte de contar boas histórias.


Leia mais:
» A espera pelo cumprimento das promessas
» Como me preparar para o Natal?

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.