Olá! Meu nome é Barbara e vou compartilhar um pouco da minha história.

Aos 7 anos de idade comecei a frequentar uma igreja evangélica, aos 10 tive uma experiência bem marcante. Eu estava em casa quando fui vítima de uma “bala perdida”, que perfurou meu peito e deixou uma marquinha para eu nunca me esquecer do que o médico disse: “parece que a mão de Deus segurou essa bala”. Ela penetrou minha pele, mas não chegou a rasgar minha blusa, facilitando assim a retirada do projétil. Certamente Deus me guardou.

Meu processo de conversão se deu dos 12 aos 14 anos, quando entendi que não bastava ter experiências com Deus, eu precisava ter um relacionamento pessoal com Ele. E em setembro de 2006, eu me batizei fazendo uma confissão pública de fé.

Em 2011, eu conheci a Cru Campus e foi por meio desse movimento cristão universitário que comecei a enxergar minha universidade como um campo missionário, onde eu podia e devia evangelizar e caminhar com pessoas por meio do discipulado. Em 2012, eu passei por um período de grandes reflexões. Estar na faculdade, me formar, arrumar um bom emprego… isso me parecia pouco! Eu comecei a achar que estava vivendo uma vida rasa para quem vive com Cristo e fiquei pensando bastante no versículo 24 de Filipenses 1; eu me perguntava quem eram esses “vocês” na minha vida.

Ainda em 2012, durante um treinamento realizado pela Cru, um missionário compartilhou um pouco sobre a realidade do evangelho na Europa e orou por Portugal com um amor que me comoveu. Naquele momento, orei para que Deus colocasse em meu coração um amor assim e cheguei a pensar em ir servir na Europa, mas Deus me falou: “Ainda não é o tempo”. Então, entendi que a UERJ seria meu campo missionário durante a graduação.

Em 2015, em um congresso missionário no Panamá, assisti a uma palestra com alguns missionários que serviam na Europa e foi para França que Deus me chamou. Eu peguei um folheto (e o guardo até hoje) escrito: “Venha nos ajudar a alcançar a França para Cristo” e desde aquele momento eu tenho respondido para Deus: “Eis-me aqui!”. Assim, diferente de muitas pessoas que sonham em conhecer a França turística, comecei a desejar ir à França conhecer pessoas e com elas compartilhar a maior riqueza que temos: o próprio Cristo.

Em dezembro de 2016, me formei em engenharia química e entendi que chegava o momento para eu dar um passo de fé em direção à França. Nessa época abriram as inscrições para o France Expedition, um projeto missionário na França. 

Eu não podia deixar as circunstâncias tirarem meu foco, era o que eu tentava sempre trazer a memória após o falecimento dos meus pais, no início de 2017. Eu precisava conseguir cerca de 11 mil reais, uma pessoa desempregada e que agora morava só com o irmão, de fato, eu estava seguindo pela fé. Bom, o tempo chegou e Deus me levou à França!

Em março de 2018, estava eu conversando com universitários naquele país. Conversamos com alguns estudantes que nunca haviam sequer pensado sobre Deus, sobre Cristo. Deus não era um assunto relevante e até então ninguém havia discutido sobre isso com eles. “Como ouvirão se não há quem pregue?”

Atualmente, eu vejo com mais clareza como Deus tem me moldado ao longo dos anos para que hoje eu estivesse onde estou e a certeza que tenho de minha vocação é resultado de um caminhar com ele, as coisas não acontecem de repente!

Antes de irmos levar as boas novas precisamos estar em Cristo, vivendo as boas novas.

Hoje eu amo a França e quando penso ou oro por esta nação, eu lembro de rostos que vi, de conversas que tive, eu lembro das pessoas que conheci. Enquanto eu estava lá, entendi que Deus estava me chamando pra servir no meio universitário, por isso, entrei como missionária na Cru Brasil e, atualmente, estou me preparando para servir integralmente na França.

 

  • Barbara Souza tem 28 anos e é natural do Rio de Janeiro. Desde 2011 está envolvida com missões na universidade, hoje, já formada em Engenharia Química pela UERJ, serve como missionária de tempo integral na Cru Brasil.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *