#artedeproposito


Por Duda Martins

Difícil mesmo é escolher quais os trabalhos de Jota Zer0ff, artista pernambucano, mais mexem com a gente. Jota é grafiteiro, ilustrador, às vezes rabisca os seus devaneios em um moleskine, onde normalmente figuram os carismáticos personagens Lorival e Lico. Desenhos despretensiosos, mas que dizem tanta coisa, que acabam se tornando tatuagens na pele dos apreciadores da sua arte. Mas o que Jota gosta mesmo é da rua. É com essa arte mambembe que lançamos a primeira “Arte de Propósito” de 2016.

 

JOTA ZER0FF – PERNAMBUCO

 

IMG_4546AP – Quando você descobriu que queria ser artista?

Zer0ff – Não sei ao exato, eu sempre duvidei que era um. Aos poucos fui me entregando a repercussão que meu trabalho tomava.

AP – O grafite sempre foi persona non grata na sociedade. Apenas de um tempo pra cá tem sido valorizado enquanto arte transformadora do meio urbano. A que você atribui essa mudança de mentalidade?

Zer0ff  – A restrição que o museu ainda é pra muitos e demanda de artistas que têm se apropriado das técnicas da arte urbana.

AP – Você já sofreu algum tipo de preconceito por grafitar?

Zer0ff  – Que eu me lembro não. Por incrível que pareça, consigo pintar em paz na rua.

AP – E o termo “pixar” de fato é pejorativo? Eu acho massa! Hehehe

Zer0ff  – Não acho. Respeito muito a pichação; o graffit nasceu dela. Ela existe antes da escrita, na pintura rupestre.

AP- Onde tu enxergas Deus na tua arte?

Zer0ff  – Em tudo, principalmente na capacidade que Ele me deu de assimilar as técnicas e o meu desempenho autodidata.

AP – Qual o melhor momento pra grafitar? E o que tu pensas enquanto desenha?

Zer0ff  – Eu tenho um momento particular de quando as ideias começam a transbordar, aí sim é o melhor momento. Não posso forçar, tem que deixar vir. Geralmente minha mente fica limpa ou fico vislumbrado com as cores e formas que vão surgindo.

AP – Você também começou a tatuar as tuas artes e de outros na pele das pessoas. É uma forma de “eternizar” o teu trabalho?

Zer0ff  – Também, mas o que me fez entrar na tatuagem foi a curiosidade em uma nova técnica para meu currículo.

AP – Tem algum nome a técnica que tu usa pra grafitar ou pra desenhar? Ou alguma escola? A gente sempre vê bastante pontilhismo.

Zer0ff  – Bem, pontilhismo é uma das, mas têm várias outras envolvidas que juntas formam o conceito de todo meu trabalho. Creio que sim, porém aprendi tudo observando outros artistas e artes.

AP – Tenho acompanhado os teus trabalhos e visto que há cada vez mais convites bacanas. Tem algum projeto legal pra 2016 já?

Zer0ff  – Bem, prefiro deixar em segredo. hehehe. Deixa as pessoas serem pegas de surpresa.

AP – Qual o desenho que tu fizeste que mais gostou?

Zer0ff  – Aprendi a dar importância a todos. Juntos, eles formam a obra que eu mais gosto.

 

***
UMA AMOSTRA DA ARTE DE ZER0FF:

 

! Quem tiver interesse em conhecer mais o trabalho do Jota Zer0ff, é só entrar em sua página no Facebook ou no Instagram @jotazer0ff

!! Mandem sugestões de artistas e trabalhos criativos para o meu e-mail: artedeproposito@gmail.com

!!! No Instagram, você pode marcar perfis, fotos e posts relacionados ao tema usando a hashtag #artedeproposito. Suas dicas podem virar pauta para um post meu aqui.

 

  • Duda Martins tem 27 anos, é cristã, jornalista, atriz e diretora de teatro em Pernambuco. É apaixonada pela palavra “arte” e o que ela representa.

 

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.