Este Jesus é ‘a pedra que vocês, construtores, rejeitaram, e que se tornou a pedra angular’. Não há salvação em nenhum outro, pois, debaixo do céu não há nenhum outro nome dado aos homens pelo qual devamos ser salvos. (Atos 4:11,12)

Antes de Neil Armostrong e Edwin Aldrin, antes das primeiras pedras trazidas da superfície lunar para a Terra pela Apolo-11, os homens já possuíam uma pedra vinda do espaço extraterrestre. Uma pedra viva, que se tornou carne e viveu entre nós. Essa pedra é Jesus Cristo: tanto a pedra da base (aquela que sustenta o peso de todas as outras pedras) como a pedra da cobertura (aquela que amarra definitivamente todo o edifício). O que vamos fazer dessa pedra no terceiro milênio?

Jesus disse: Eu sou o pão da vida, a luz do mundo, a porta das ovelhas, o bom pastor, o caminho, a verdade e a vida, a ressurreição e a vida, e a videira verdadeira.¹ O que vamos fazer desses sete “Eu sou” de Jesus no terceiro milênio?

Jesus é a imagem visível do Deus invisível (Jo 14.9; Cl 1.15; Hb 1.3). O que vamos fazer dessa colossal imagem de Deus no terceiro milênio?

Jesus é o Salvador do mundo (Jo 4.42). O que vamos fazer desse único e precioso Salvador no terceiro milênio?

Jesus é Emanuel, que quer dizer “Deus conosco” (Mt 1.23). O que vamos fazer desse “Deus conosco” no terceiro milênio?

Jesus é Maravilhoso Conselheiro, Deus Forte, Pai Eterno e Príncipe da Paz (Is 9.6). O que vamos fazer desse “Maravilhoso Conselheiro”, desse “Deus Forte”, desse “Pai Eterno” e desse “Príncipe da Paz” no terceiro milênio?

Jesus é a prova concreta do amor verbal de Deus (Jo 3.16; Rm 5.8; 1 Jo 4.9, 10). O que vamos fazer da mais exuberante manifestação do amor de Deus por nós no terceiro milênio?

Jesus é o Grande Sumo Sacerdote (Hb 4.14; 10.21) e o Grande Pastor das Ovelhas (Hb 13.20). O que vamos fazer desse Sumo Sacerdote Eminente que atravessou os céus e desse Pastor Supremo no terceiro milênio?

É impossível negar a divindade de Jesus, sua humanidade, sua impecabilidade, seus milagres, seu sacrifício expiatório, sua ressurreição, sua ascensão, seu senhorio, seu retorno em poder e muita glória, e sua exaltação no céu, na terra e abaixo da terra. Como vamos lidar com essa cristologia no terceiro milênio?

Certamente o maior desafio teológico do cristianismo no terceiro milênio será permanecer em torno da “Pedra que vive” (1 Pe 2.4). Jesus não pode ser diminuído nem esvaziado nem esquecido nem, muito menos, rejeitado. Ele “é o mesmo, ontem e hoje e será sempre o mesmo” (Hb 13.8, EP). Não podemos perder Jesus de vista!

Nota
1. João 6.35; 8.12; 10.7, 11; 14.6; 11.25.
Texto originalmente publicado na edição 280 de Ultimato.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>