Por Thales Rios

Seus melhores amigos estão ali. Sua família está ali. Sua tia perua, seu primo estranho e seus avós também. É uma reunião de pessoas e você é o centro das atenções. Há bexigas. Há um bolo. Há uma vela. Há uma canção. Mas todo este protocolo de alegria se transforma em angústia quanto mais se aproxima do que você torce para ser o final – mas que não será. Você puxa o ar pra soprar a vela, mas não acaba aí, sempre há algo a mais nesta cena: há um tio sem noção. E este tio esperará menos de 3 segundos após o fim da música oficial deste ritual anual para carregar todos a um momento de vexame e exposição desnecessária de suas fraquezas:

“Com quem será? Com quem será? Com quem será que o fulano vai casar?”

Lembro que nos meus aniversários durante a infância eu sentia vontade de me esconder debaixo da mesa nessa hora. Não foi a toa que na adolescência fingi maturidade e disse pra minha mãe que com 15 anos já podia parar com esse negócio de festa de aniversário. “No máximo um bolinho com o pessoal daqui de casa mesmo e tá bom demais”. Mentira.

O tempo passou e fiquei muito tempo sem celebrar meu aniversário, mas nos últimos anos tenho ido a tantos velórios que comecei a valorizar mais a ideia de celebrar a vida todo ano. E agora, chegando à terceira década de caminhada e piadas ruins sobre essa Terra, percebi que o constrangimento já não é apenas meu na hora de cantar Parabéns. Acaba a música e até o tio sem noção fica sem graça. Um olha pro outro, alguém puxa o ar pra cantar, mas a troca de olhares denuncia que talvez a brincadeira já perdeu a graça. O bolo de climão já pode ser servido.

Não vou mentir que tenho medo de trocarem a letra da música nos meus aniversários pra “Com quem seria?”.

Em meio a tanta pressão e babaquice que vemos por aí, este texto vai para você que, mais do que estar solteiro, é solteiro. Você que sempre fica de vela nos rolês. Você que trabalha no jantar de casais da sua igreja. Você que é chamado pra ser padrinho de casamento junto com sua mãe (acontece). Você que não escolheu esperar, mas que não teve tanta escolha assim também.

Tenho uma mensagem pra você: não escolha desesperar, mas tome cuidado também para não se acomodar. Continue lendo →

Alguns livros marcam nossas vidas, e a ABU Editora é responsável por obras que marcam a caminhada cristã de muitos, principalmente daqueles que passaram a ter contato com o movimento evangelístico universitário na época de suas graduações. Nos 43 anos da ABU Editora, algumas dessas pessoas contaram para nós qual título foi essencial para sua formação. Quem sabe esse livro não pode marcar sua vida também?

 

Alguns livros parecem abrir nossa mente com a força de um macaco hidráulico arrancando o tampo da cabeça, lentamente, palavra por palavra. Ler A Morte da Razão ainda como estudante fez isso comigo. Francis Schaeffer descreveu o meu mundo começando pelo campo da arte e desdobrando no todo da vida. Porém, à luz das escrituras, ele escreveu de maneira sucinta a ruptura que a cultura estava fazendo entre a ‘fé’ e ‘o-resto-da-vida’. Percebi naquele tempo o desafio de não viver uma vida dividida, se meu espírito era do Senhor, minhas emoções, razão e obras também deveriam ser.  Esse pequeno livro, cujo título é até um tanto dramático, fez grandes suturas interiores.

 

– Liz Valente, mestra em arquitetura e urbanismo. Também é cantora, compositora e autora de 4 peças teatrais. Casada com Pedro Paulo, mãe do João e do Davi.

 

Culpa e Graça foi um livro da ABU Editora que marcou profundamente minha formação. Enquanto estava na graduação em psicologia, descobri na abordagem do psiquiatra Paul Tournier uma teologia da graça que fecundava sua prática terapêutica – que humanizou meu próprio jeito de acolher, menos moralista e com mais esperança. A leitura me concedeu ferramentas para responder ao sofrimento do outro, para refletir sobre os meus próprios sentimentos de culpa e ainda dialogar teologicamente com o que eu estava estudando na faculdade. Assim, firmaram-se passos na direção de responder à minha vocação. Experimentei o que Castro Alves poeticamente descreve como “o livro que cai na alma”: “O livro, caindo n’alma é germe – que faz a palma, é chuva – que faz o mar!”.

 

– Davi C. Ribeiro Lin, mestre e doutorando em Teologia. É graduado em psicologia e especializado em Psicologia Clínica.

Continue lendo →

Em abril, como parte da celebração dos 50 anos de Ultimato, publicaremos conteúdos históricos da revista. Confira abaixo o texto “Por que a juventude sem amor rouba?”, do reverendo da Catedral Presbiteriana do Rio de Janeiro, Zaqueu Ribeiro, publicado na edição nº 3 de Ultimato, em março de 1968.

 

Julgo ser esse um problema de educação. A não ser que se trate de cleptomania, cuja correção se deve buscar por tratamento adequado, o jovem rouba por incapacidade ética. As bases de sua educação não incluem o respeito à propriedade alheia, nem lhe fornecem a capacidade de discernir entre a apropriação justa e injusta.

Essa incapacidade ética pode ter sua origem na infância, desde os seus primeiros movimentos de conquista do mundo exterior. Desavisados, os pais deixaram-lhe o mundo ao dispor, sem qualquer restrição, fixando-se-lhe a falsa noção de propriedade pela qual ele seria o dono de tudo quanto seus olhos vissem e suas mãos alcançassem.

Por isso o jovem rouba. Embora hoje conheça as leis punitivas ao ato de apropriação indébita, ainda assim, seu critério de juízo está cimentado à estrutura de sua educação, que, desgraçadamente, não incluiu qualquer limite ao seu domínio. Este aspecto do problema inclui uma extorsão aos pais e mestres.

Todavia, nem sempre o roubo é causado, diretamente, por falta de educação, mas por imposição da própria sociedade, que gera no moço um estado de espírito inclinado à desonestidade. Ele tem suas ideias de grandeza. E a sociedade lhe diz que homens influentes e respeitáveis de sua pátria prosperam num completo alheamento às leis de dignidade e respeito ao patrimônio nacional ou particular. Por que então ele não fazer o mesmo, e até em menor escala? Não são só os pais que embalam desonestos. A sociedade corrói e solapa a obra dos pais e mestres, cria seus monstros.

Todavia, a última palavra em torno do problema é espiritual. O jovem rouba porque não aprendeu a amar – e não aprendeu que a amar porque não se encontrou com a fonte do seu amor, que é Deus. O amor, diz o apóstolo Paulo, é o cumprimento da lei. O amor engrandece a vida por estabelecer seus próprios limites. No dia em que se encontrar com Deus, cessarão seus anseios de conquistas desonestas, porque, afinal, ele achou o tesouro de sua vida e, em Deus, todas as demais coisas lhe serão acrescentadas.

Então, nem influências sociais o farão roubar, porque ele deixou de ser uma pessoa que busca, para ser uma pessoa que dá. Antes ele desconhecia os limites da propriedade alheia e roubava. Agora, ele desconhece os limites de sua própria propriedade e dá.

Por Stephen Camilo

Você​ ​provavelmente sabe​ ​que​ ​a​ ​distância​ ​recomendada​ ​entre​ ​um​ ​veículo​ ​e outro​ ​no trânsito é​ ​de​ ​3​ ​metros. Mas ​​isso​ ​não​ ​tem​ ​muito​ ​a​ ​ver​ ​com​ ​espaço em si, mas​ ​sim​ ​com​ ​o tempo​ ​de​ ​reação​ ​do​ ​motorista. Nossos​ ​reflexos​ ​definem​ ​nossa​ ​vida​ ​não​ ​só​ ​no​ ​trânsito, mas especialmente​ ​fora​ ​dele.

Lie​ ​to​ ​me

Mesmo​ ​que​ ​se​ ​proíba​ ​a​ ​propagação​ ​verbal​ ​de​ ​pensamentos​ ​de ódio, a​ ​beleza​ ​e​ ​o problema​ ​da​ ​comunicação​ ​humana​ ​é​ ​que​ su​a​ ​parte​ ​não verbal​ ​é​ ​infinitamente maior​ ​e​ ​mais​ ​rápida.

A​ ​criança​ ​aprende​ ​a​ ​intolerância​ ​nas​ ​nuances​ ​das​ ​expressões​ ​mais​ ​sutis. Existe​ ​um​ ​universo​ ​de​ ​significado​ ​na​ ​entonação​ ​da​ ​fala, ​escolha​ ​de​ ​palavras, contexto​ ​e​ ​conexão​ ​de​ ​frases. Esse​ ​é​ ​o​ ​reino​ ​das​ ​crianças.

De​ ​certa​ ​forma, virar​ ​adulto​ ​é​ ​ficar​ ​extremamente​ ​ruim​ ​em​ ​perceber​ ​e​ ​aprender com​ ​as​ ​coisas​ ​pequenas.

A​ ​lei​ ​dos​ ​2​ ​segundos

Quando​ ​uma​ ​mãe​ ​e​ ​uma​ ​criança​ ​pequena​ ​estão​ ​caminhando​ ​na​ rua,​ ​ao​ ​avistar um​ ​desconhecido,​ ​a​ ​mãe​ ​pode​ ​ser​ ​cortês​ ​e​ ​encorajar​ ​a​ ​criança​ ​a​ ​fazer​ ​o​ ​mesmo ou​ ​pode​ ​segurar​ ​mais​ ​firme​ ​na​ ​mão​ ​da​ ​criança e ​trazê-la​ ​para​ ​mais​ ​perto​ ​de si. A ​partir​ ​disso​ ​a​ ​criança​ ​vai​ ​construindo​ ​também seu ​perfil​ ​de​ ​sociabilidade​, como é seu contato com o ​estranho.

O​ ​tempo​ ​de​ ​reflexo​ ​médio​ ​de​ ​um​ ​ser-humano​ ​é​ ​de​ ​2​ ​segundos. E​ ​tudo​ ​isso​ ​acontece​ ​em​ ​menos​ ​de​ ​2​ ​segundos.​ ​De​ ​2​ ​em​ ​2​ ​segundos​ ​damos pequenas​ ​lições​ ​às​ ​crianças,​ ​que​ ​futuramente​ ​vão​ ​construir​ ​um​ ​repertório​ ​de reação​ ​social.

Um​ ​violão​ ​de​ ​cabeça​ ​para​ ​baixo

Toco​ ​violão​ ​desde​ ​os​ ​8​ ​anos​ ​de​ ​idade,​ ​e hoje,​ ​aos​ ​28​,​ ​não​ ​sou​ ​um bom​ ​músico,​ ​mas​ ​tenho​ ​bastante​ ​intimidade​ ​com​ ​o​ ​instrumento. Um​ dia, ​por​ ​curiosidade​, tentei​ ​tocar​ ​violão​ ​de​ ​cabeça​ ​para​ ​baixo, ​ isso​ ​é, apertar​ ​as​ ​cordas​ ​com​ ​os​ ​dedos​ ​da​ ​mão​ ​direita​ ​e​ ​fazer​ ​o​ ​ritmo​ ​com​ ​a​ ​mão esquerda, ​inverter​ ​o​ ​violão. Como​ resultado, ​não​ ​consegui​ ​tocar​ ​absolutamente​ ​nada, ​​nada​ ​mesmo.

Sei​ ​tocar​ ​violão,​ ​mas​ ​durante​ ​esses​ ​anos de prática,​ ​principalmente​ ​nos​ ​primeiros,​ ​houve​ ​o​ ​desenvolvimento​ ​da​ ​memória​ ​muscular. Pouco​ ​importa​ ​se​ minha​ ​cabeça​ ​sabe​ ​como​ ​fazer​ ​um​ ​acorde​ ​de​ ​Sol,​ ​a​ ​minha mão​ ​direita​ ​não​ ​sabe.

A​ ​importância​ ​que​ ​se​ ​deu​ ​à​ ​inteligência​ ​e​ ​ao​ ​raciocínio​ ​lógico​ ​no​ ​século passado,​ ​hoje​ ​é refletida​ ​em​ ​uma​ ​educação​ ​conteudista,​ ​em academicismo,​ ​dívidas estudantis​ ​e​ ​no​ ​desemprego​ ​de​ ​pessoas​ ​capacitadas​, que ​muitas​ ​vezes​ ​acabam tendo​ ​que omitir​ ​um​ ​curso​ ​superior​ ​para​ ​conseguir​ ​empregos​ ​considerados​ ​mais​ ​simples.

Ao​ ​mesmo​ ​tempo,​ ​grandes empreendedores e pessoas​ ​com​ ​uma ótima​ ​educação​ ​formal​ ​estão​ ​constantemente​ ​envolvidos​ ​em​ ​escândalos​ ​no mercado econômico​ ​e​ ​na​ ​política. Os​ ​impressionantes​ ​casos​ ​de​ ​burrice​ ​emocional​ ​dos​ ​tecno-milionários​ ​do​ ​Vale do​ ​Silício​ ​têm​ ​chamado​ ​a​ ​atenção​ ​do​ ​mundo​ ​todo.

O​ ​que​ ​sabemos​ ​de​ ​cor

O​ ​que​ ​sabemos​ ​de​ ​cor​ ​é​ ​o​ ​que​ ​sabemos​ ​de​ ​coração.​ ​O​ ​que​ ​pula​ ​da​ ​nossa​ ​boca em​ ​menos​ ​de​ ​2​ ​segundos​ ​é​ ​o​ ​que​ ​está​ ​no​ ​coração. A​ ​tecnologia​ ​está​ ​caminhando​ ​para​ ​ler​ ​os​ ​pensamentos​ ​correntes​ ​da​ ​mente,​ ​a​ ​linha​ ​de​ ​raciocínio.​ ​Cientistas​ ​estão​ ​trabalhando​ ​para decodificar​ ​a​ ​voz​ ​da​ ​nossa​ ​cabeça,​ ​na​ ​ilusão​ ​que assim​ ​saberão​ ​tudo​ ​sobre​ ​as​ ​pessoas. Talvez​ ​um​ ​dia​ ​seja​ ​possível​ ​legislar​ ​até​ ​sobre​ ​pensamentos,​ ​mas​ ​o​ ​coração​ ​é​ ​um território​ ​impossível​ ​de​ ​ser​ ​conquistado.

O​ ​que​ ​a​ ​psicologia​ ​chama​ ​de​ ​Id,​ ​a​ ​Bíblia​ ​chama​ ​de​ ​coração.​ ​O​ ​salmista,​ ​ciente de que​ ​nem​ ​ele​ ​ ​tinha​ ​acesso​ ​total​ ​a​ ​si​ ​mesmo,​ ​clama​ ​a​ ​Deus​ ​para​ que ​mostre​ ​a ele​ ​o​ ​que​ ​há​ ​de​ ​errado​ ​em​ ​seu​ ​coração,​ ​a fim de ser​ ​corrigido​ ​e aperfeiçoado.

Um​ ​dos​ ​motivos​ ​pelo​ ​qual​ ​o​ ​nosso​ ​coração​ ​foi​ ​criptografado​ ​por​ ​Deus​ porque​​ ​o que​ ​está​ ​ali​ ​talvez seja​ ​ruim​ ​demais​ ​para​ ​ser​ ​visto.​ ​Acho​ ​que​ ​veríamos​ ​as​ ​fraturas expostas​ ​de​ ​nossa​ ​alma. Esse​ ​reflexo​ ​da​ ​alma mostraria​ ​um espírito​ ​em​ ​metástase.

Visão​ ​de​ ​raio-X

Os​ ​evangelhos​ ​relatam, em​ ​vários​ ​momentos​, como ​Jesus​ ​conhecia​ ​o​ ​coração​ ​das pessoas. A ​boa​ ​notícia​ ​sobre​ ​Jesus​ ​é​ ​que​ ​ele​ ​não​ ​só​ ​tem​ ​a​ ​capacidade​ ​de​ ​ver​ ​a nossa​ ​alma,​ ​mas ele também​ ​não​ ​é​ ​o​ ​médico que​ ​desengana​ ​o​ ​corpo​ ​ou​ o ​sociólogo​ ​que desengana​ ​a sociedade dos​ ​homens.​ ​Jesus​ ​não​ ​só​ ​tem​ ​a​ ​cura,​ ​como​ ​ele​ ​é​ ​a​ ​própria​ ​cura.

Ainda​ ​somos​ ​os​ ​mesmos​ ​e​ ​vivemos​ ​como​ ​os​ ​nossos pais,​ ​porque​ ​nossos​ ​pais​ ​nos​ ​ensinaram​ ​o​ ​medo,​ ​e,​ ​enquanto​ ​houver​ ​medo, haverá​ ​intolerância. Qualquer ​ ​ pessoa ​ ​ é ​ ​ capaz ​ ​ de ​ ​ puxar ​ ​ um ​ ​ gatilho ​ ​ se ​ ​ estiver ​ ​ com ​ ​ medo ​ ​ suficiente. Assim​ ​como​​ ​moldamos​ ​os​ ​nossos reflexos a partir da imitação​ d​os​ ​reflexos​ ​de​ ​nossos​ ​pais​,​ ​é​ ​buscando​ ​imitar​ ​a​ ​coragem​ ​de​ ​Jesus​ ​que​ ​mudamos​ ​os​ ​nossos reflexos​ ​diante​ ​da​ ​vida. Coragem,​ ​falta​ ​pouco!

Quando​ caminhamos​ ​com​ ​Jesus,​ ​ele​ ​nos​ ​ensina​ ​a​ ​reagir​ ​como filho ​de​ ​Deus. O​ ​medo​ ​é​ ​o​ ​caminho mais​ ​fácil. Em​ ​menos​ ​de​ ​2​ ​segundos​ ​nossa​ ​mãe​ ​nos​ ​ensina​ ​a caminhar em direção à autopreservação​, ​e​ ​levamos uma vida inteira com Jesus​ ​para sermos​ ​ensinados​ ​a caminhar​ ​ em direção à ​​cruz. Na​ ​melhor​ ​das​ ​intenções, nossas mães nos ensinam a amar​ ​o​ ​semelhante e ter medo do diferente,​ ​mas Jesus​ ​ensina​ ​a​ ​coragem​ ​de​ ​estender​ ​a​ ​mão​ ​ao​ ​desconhecido.

  • Stephen Camilo, 28 anos. É formado em Marketing, mora em Curitiba e congrega na Primeira Igreja do Evangelho Quadrangular.

Por Jeferson Cristianini

Jesus nos ensinou que Deus, o Pai, cuida dos pardais. Não me esqueci dessa lição do evangelho e decidi participar do que Deus está fazendo no mundo. Decidi “ajudar” Deus a cuidar dos pardais. Toda manhã, após tomar meu café matinal, vou ao quintal abanar a toalha da mesa. Com o balanço da toalha, os farelos dos pães, bolos e biscoitos caem no chão. Logo, como num passe de mágica, surgem os pardais. Eles comem as migalhas e me ajudam com a limpeza. Olhando os pardais, muitos pensamentos cruzam minha mente.

Penso que Deus iria cuidar dos pardais independentemente das minhas migalhas. Isso me levou a pensar na minha missão de vida e na minha vocação, e me reduzi. Deus faz tudo e sou apenas instrumento dele. Eu já sabia disso, mas os pardais me lembraram de que nada sou e que o poder de Deus é o que salva as pessoas, seja através da minha vida ou não. Os pardais me ensinaram humildade.

Os pardais também me levaram a pensar na multidão de pessoas perdidas que estão esperando as boas novas do evangelho, mas como há muito banquete preparado a partir da religiosidade, não há migalhas do evangelho, porque não é ali que ele está. As pessoas, à semelhança dos pardais, estão sedentas de migalhas. Elas precisam do evangelho, e quando o evangelho é ensinado de forma integral e com um olhar humano e sincero, as pessoas virão se saciar na fonte dessa boa notícia de Deus. Os pardais me ensinaram a pregar e ensinar as belas lições do evangelho no lugar de perpetuar cartilhas religiosas.

Os pardais acordam e vão voando à procura do alimento. Eles não se preocupam, não sofrem com a ansiedade que nos rodeia todo dia. Assim como os pardais são cuidados por Deus, nós também somos, mas ficamos apreensivos, nos perguntando se teremos pão e água, se teremos roupas, se teremos calçados. O problema é que entramos no ritmo da correria contemporânea à procura de mais dinheiro, afinal de contas mais dinheiro significa mais poder de consumo, e assim as necessidades básicas deixam de ser prioritárias, pois o dinheiro as supre, e o supérfluo e o luxo passam a ser o foco. Continue lendo →