Deus amou tanto o mundo que deu seu Filho, seu único Filho, pela seguinte razão: para que ninguém precise ser condenado; para que todos, crendo nele, possam ter vida plena e eterna. (Jo 3.16)

Ele ama de verdade. Ama em profundidade. Seu amor não depende de correspondência. Ele ama porque ama. É um amor sacrificial. É um amor pungente.

O amor é a única força que destrói os interesses pessoais, o egoísmo, o indiferentismo, a apatia, a hipocrisia. É uma segurança para quem é amado, para quem se cobre do amor alheio, para quem é posto debaixo do amor.

O amor de Jesus não fica só no anúncio, na declaração. Ele é declarado e confirmado: “Esta é a maneira de medir o amor – o maior amor é demonstrado quando uma pessoa entrega a vida pelos seus amigos” (Jo 15.13). E Jesus foi até o banco dos réus, até o madeiro, até o túmulo. Exclusivamente por causa do amor. Sob a força do amor. Impelido pelo amor.

Jesus não é mercenário. Não é pago para viver, não é pago para morrer, não é pago para amar. Ele vive, morre e ama porque é movido pelo amor.

Trecho originalmente publicado no livro Cuide das Raízes, Espere Pelos Frutos.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>