Por Mateus Octávio

Ultjovem_06_11_13_Controle_gameDevido à recepção do meu último artigo A juventude do espetáculo, e por ser um tema que um único artigo não caiba uma boa e ampla análise, resolvi escrever este outro, para, quem sabe, acrescentar na discussão. Primeiro, faço isso feliz com a acolhida do artigo, segundo, mais alarmado com alguns dados que li e ouvi nos últimos dias, o que gerou em mim a vontade de continuar essa discussão do assunto.

Pesquisas revelam que em certas regiões dos Estados Unidos as pessoas já gastam mais tempo com jogos eletrônicos do que com cinema. Este, considerado arte, mas que já havia se convertido em mero entretenimento, foi substituído de vez por uma forma 100% dedicada a entreter.

Isso só mostra que estamos cada vez mais interessados no irreal, no pior sentido desta palavra. O mercado bilionário dos jogos eletrônicos já supera em massa o das telas de Hollywood, que já era a superação dos livros.

Como isso nos afeta? O que revela de nós?

O perfil na internet já se tornou indispensável e o relacionamento só começa oficialmente quando é anunciado no Facebook; as palavras estão sendo substituídas por imagens. A importância que damos ao irreal mostra que nos importamos cada vez menos com os problemas físicos, palpáveis e urgentes.

Tomo a liberdade de fazer mais uma citação do livro “A Civilização do Espetáculo” que foi o ponto de partida do artigo anterior.

“Hoje vivemos a primazia das imagens sobre as ideias. Por isso os meios audiovisuais, cinema, televisão e agora a internet, foram deixando os livros para trás […] No passado, a cultura foi uma espécie de consciência que impedia que virássemos as costas para a realidade. Agora, atua como mecanismo de distração e entretenimento”.

Essa cultura que exalta o irreal é tão forte, que afeta sorrateiramente o contexto de culto nas igrejas. Levar sempre para o sobrenatural isenta a responsabilidade. Veja bem: quando uma pessoa diz muitas vezes, “é demônio”, “é maldição hereditária”, quando na verdade “é caráter”, ela quer orar e logo resolver, e não tratar durante dias, meses, e talvez anos. Basta olhar para os números: as igrejas mais cheias, em geral, são as que promovem ritos sobrenaturais — promessas, visões, revelações e sinais, acima da realidade. É a cultura que banaliza o discipulado, o discipulado com os pés no chão. Assim como já vimos antes, a arte é banalizada, que segundo T. S Eliot já produziu gênios: “Só uma cultura cristã poderia ter produzido Voltaire e Nietzsche”.

Essa cultura do entretenimento e do irreal ainda produz arte. São, com frequência, músicas rasas, literatura rasa, arte rasa — não pelos meus julgamentos ou critérios, óbvio (ainda que eu os tenha). A arte cristã está subjugada pelo mercado, pois precisa vender e rebaixa-se. Não mais denuncia, deslumbra, transcende, enaltece a criação e o Criador, tampouco o amor, o sexo ou a vida. Talvez, em grande parcela, já não caiba mais a definição de Eliot sobre cultura: “tudo o que faz da vida algo digno de ser vivida”.

_____________

Mateus Octávio Alcantara de Souza tem 21 anos, é Bacharel em Teologia e escreve no blog Meditações*

  1. E o que é realidade? Concordo em parte, vivemos sim cada vez mais numa realidade virtual, que na realidade tradicional, mas irreal? Discordo. E até que ponto isso realmente é ruim? Existe como viver no mundo atual abdicando de toda tecnologia do entretenimento? Se isso é um problema, qual seria a solução?

  2. A realidade, Bruno, é o físico, no sentido literal da palavra. O ruim é começarmos a confundir a realidade e os problemas físicos com o que é virtual. O mundo virtual é um mundo paralelo (ou uma extensão do físico) onde muitos adquirem identidades que não se pode ter certeza da veracidade, onde cada um pode dizer que é mesmo sem ser. E se existe como viver abdicado de tecnologia no mundo de hoje? Existe! Sugiro a você a leitura sobre um cara que trabalhou para o governo americano na área digital muitos anos e escreveu o livro “A geração superficial: o que a internet está fazendo com o nosso cérebro”, o autor é Nicholas Carr. É leitura indispensável para entender melhor e refletir sobre o assunto. A partir dele você poderá tirar as suas póprias conclusões.

    Abraço.

Leave a Reply to Mateus Octávio Cancel Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.