Por Dani Nogueira

Portanto, precisamos prestar muita atenção às verdades que temos ouvido, senão podemos nos desviar delas” [Hb 2.1]

Fiquei durante semanas pensando no versículo acima. Não há nada de complicado para entender, mas costumo me apegar a detalhes linguísticos (ainda que em diferentes versões da Bíblia), e confesso que foi difícil organizar as ideias dessa vez.

A primeira coisa que me chama a atenção é “prestar atenção às verdades que temos ouvido”. Para isso precisamos saber discernir o que são essas verdades, para podermos nos ater a elas. O interessante é que para não nos desviarmos dela, devemos prestar atenção. Mas para prestar atenção a elas, devemos saber discerni-las. É um ciclo.

Nosso parâmetro deve sempre ser a Bíblia, claro. Eu tenho a particular teoria de que ouvimos quando lemos também e, no meu caso, até melhor do que quando ouço de verdade, porque minha memória tende a gravar mais coisas lidas que ouvidas. Portanto, teoricamente é uma coisa fácil manter a mente focada na verdade, basta seguir a Bíblia.

Mas eu tenho medo de análises simplistas. Somos humanos, falhos e estou convicta de que não temos capacidade para, de fato, absorver a integralidade da verdade da Bíblia. Se fosse tão fácil assim, heresias só surgiriam por fruto de um caráter ruim, mas não é o que acontece. Muitas heresias surgem também de boas intenções, de pessoas que acreditam veementemente seguir a verdade ao interpretar a Bíblia da maneira que acham mais correta. Mas como confiar em olhos que nem podem ver a luz do sol em sua plenitude? Agora, como diz o apóstolo Paulo em I Coríntios 13, vemos apenas um reflexo obscuro, como em espelho, conhecemos apenas em parte.

O nosso fracasso em entender a verdade, entretanto, não deve ser determinante para indicar o fracasso do cristianismo, ou a ausência das verdades. Ao contrário, como diz Chesterton, “um dos mais fortes argumentos em favor do cristianismo é o fracasso dos cristãos, os quais, em última instância, provam o que a Bíblia ensina sobre a queda e o pecado original”.

Levando isso em consideração, como podemos, portanto, seguir o conselho do autor de Hebreus e nos atermos às verdades para que não nos desviemos dela?

Creio que a resposta está em um fator muito fácil de explicar. Nossa memória é uma das coisas mais impressionantes que já foram estudadas por cientistas, e é até hoje (mesmo em pessoas quase desmemoriadas, como eu). O cérebro sabe o que ele precisa para funcionar no momento e, por isso, coloca em “modo stand-by” aquelas coisas que não estamos precisando utilizar com frequência. Não que elas tenham sido apagadas de vez, mas para resgatar leva certo tempo, trabalho e um considerável esforço. É quase como aprender de novo.

Assim, precisamos sempre estudar e tentar entender as verdades que temos ouvido sobre o cristianismo. Deixar esse tópico ativo em nossa mente, para que não seja esquecido e, consequentemente, nos desviemos dele.

Precisamos ler com vontade de enxergar as verdades, ouvir pregações buscando discernir as verdades e guardá-las em nossas mentes, para podermos não apenas ouvir e gravar, mas praticá-las também.

Que a graça nos ajude a olhar para a Bíblia e para as pregações que ouvimos e livros que lemos para que enxerguemos a verdade, e que ela nos capacite a mantermos a atenção sempre nas verdades que Ele quer que nos atenhamos.

____________________

Dani Nogueira, 24 anos, mora em Belo Horizonte (MG), é fonoaudióloga e escreve pro blog Trintaetrês.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.