O muro mais antigo, mais intransponível e mais humilhante não é o “longo muro” (a Muralha da China, construída três séculos antes de Cristo) nem o “muro da vergonha” (o Muro de Berlim, construído em 1961), mas é o muro da desintegração somatopsíquica que reduz o corpo humano sucessivamente à inércia, à cor e à rigidez cadavéricas, à decomposição, ao esqueleto e, por último, ao pó. O muro da morte foi construído por Deus, logo após a queda, para impedir que o homem tivesse acesso à árvore da vida (Gn 3.24). A morte é o acontecimento mais absurdo possível.

Um dos amigos de Jó dizia que o ser humano “é arrancado da segurança de sua tenda e levado à força ao rei dos terrores” (Jó 18.14). Naquele tempo, os cananeus comparavam a morte a um monstro cujo lábio inferior toca a superfície, e o superior, o mais alto céu. A boca enorme e sempre escancarada desse monstro engole tudo e nunca se fecha e nem se satisfaz. Ninguém escapa à sua gula feroz e descontrolada. Não escapam nem os bons, nem os maus, nem os cheios de vida, nem os doentios, nem as criancinhas de colo, nem os deficientes físicos em cadeiras de rodas, nem a mulher bonita, nem o homem feio, nem os ricos nem os pobres, nem os recém-nascidos cobertos de sangue, nem Lázaros cobertos de chagas. A morte é tudo isto: faminta, gulosa, insolente, cruel, implacável e o pior de todos os desmancha-prazeres.

O rei Ezequias (701 a.C.), que, por volta dos 37 anos de idade, foi desenganado pelo próprio Deus, mas pela graça do mesmo Deus, conseguiu recuperar-se de sua enfermidade terminal, explica que na morte a vida é acabada, arrancada, cortada, desfeita, reduzida a nada, removida e roubada “como uma barraca de pastores que é desmontada e levada para longe, ou como um pedaço de pano que o tecelão corta de uma peça de tecido” (Is 38.12, NTLH). Esse corte pode acontecer à noite ou antes do despertar da manhã.

Um livro tão realista como o de Eclesiastes não poderia jamais deixar a morte de lado. Uma das razões pelas quais a vida é boba é a existência implacável da morte. Para o autor do livro, a morte é um muro, pois todos os sonhos, todos os desejos, todos os empreendimentos esbarram nela e ali acabam. Nesse sentido, o ser humano não leva vantagem alguma sobre o animal, nem o animal leva vantagem sobre o ser humano, “pois a sorte de homens e animais é uma só: morre um e morre o outro” (Ec 3.19, BP).
As palavras mais irredutíveis sobre a “cessação definitiva de todos os atos cujo conjunto constitui a vida dos seres organizados” estão em Eclesiastes: “[Assim] como ninguém pode dominar o vento, nem segurá-lo, também ninguém pode evitar a morte, nem deixá-la para outro dia. Nós temos de enfrentar essa batalha, e não há jeito de escapar” (8.7, NTLH).

A rigor, sem as boas-novas da salvação, sem a esperança da ressurreição, sem a promessa de novos céus e nova terra, sem a certeza da morte da morte pela vitória de Jesus, tudo começa mal, caminha mal e termina mal. O muro da morte não nos deixa passar, não nos dá tempo para gozar o que foi feito do lado de cá, obriga-nos a trabalhar para aqueles que não trabalham (Ec 2.17-23). Isso pode levar o ser humano ao desencanto, ao mais profundo pessimismo e até à vontade de antecipar a própria morte. Trata-se de uma angústia perturbadora e sem solução apenas para aquele que está e vive “debaixo do sol” ou “debaixo do céu” e, portanto, desconsidera, na teoria ou na prática, a existência de Deus.

Publicada originalmente na matéria de capa da edição 311 (Março-Abril 2008) de Ultimato.

 

A edição de Setembro/Outubro é uma conversa sobre a morte e quem somos nós diante dela. Como disse Salomão, há mais sabedoria na casa onde há luto do que na casa onde há festa. No final das contas, falar sobre a morte é ensino para a vida, sobre si, sobre Deus.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.