Por Yuri Fernandes

Sempre considerei o livro de Rute como um dos mais impressionantes da Bíblia. Impossível ler e não se impressionar com o modo como Rute se compromete com Noemí e com o Deus desta. De certa forma Rute é o tipo de mulher com quem nós homens deveríamos almejar casar: ela é a verdadeira personificação da mulher virtuosa. E não foi justamente esta disposição de Rute para a fidelidade ao Deus “em cujas as asas te vieste abrigar” (Rt 2.12) que chamou a atenção de Boaz?

Por outro lado, Boaz é justamente o tipo de homem que nós deveríamos nos esmerar para ser: Justo, generoso, bondoso para com Rute. Inclusive, a ação de Boaz ao resgatar Rute já é um anuncio do generoso resgate que temos em Cristo. Assim, Boaz e Rute refletem uma história de pessoas virtuosas em Deus e de cujo caráter deveria ser imitado por nós.

Só que o livro de Rute é mais do que isso. É mais do que uma história sobre o modo como deveríamos nos relacionar com nossos futuros cônjuges ou escolhe-los. É uma história sobre Deus usando a vida ordinária dessas pessoas extraordinárias – seus sofrimentos, alegrias, virtudes e defeitos – para dar vida à grande narrativa de redenção!

Pense um pouco no contexto do livro: Em Juízes vemos a infidelidade do povo de Deus que estava flertando com deuses estrangeiros. E é neste lugar nos aparece Rute, uma estrangeira que abandona os deuses de sua terra e se torna fiel ao Deus Altíssimo. É a partir desta fidelidade que Deus enxerta Rute ao drama da redenção, a colocando num lugar importante da linhagem do nosso grande Salvador!

E pense no modo sutil como Deus age nesta história. Ele traz Rute e Noemí de volta para Israel depois de terríveis sofrimentos – e a própria Noemí reconhece a mão de Deus em seu sofrimento. Ele arquiteta um encontro providencial entre Rute e Boaz nos campos deste. Ele concede sabedoria a Noemí, que orienta Rute. Ele dá coragem à Boaz para fazer aquilo que deveria ser feito e resgatar Rute. Deus, em sua infinita sabedoria, utiliza sua providência e nos ensina aquilo que veremos em Romanos 8.28 “Todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus”. É a mão providencial de Deus escrevendo a história!

A narrativa de Boaz e Rute não é sobre eles. É sobre algo maior do que eles!  E creio que esse deve ser o desejo do nosso coração em todas as coisas da nossa vida: Casamento, amizades, profissão, hobbies… Compreender que Deus nos chama a cumprir seus Eternos e gloriosos propósitos a partir das coisas simples da vida deveria ser o maior anseio no nosso coração. Por que Ele é um Deus gracioso que chama pecadores como nós ao arrependimento para cumprir um propósito maior. Que o Eterno use as coisas ordinárias de nossas vidas para cumprir o seu extraordinário propósito!

E para pensarmos nisso, um pequeno poema:

Em terra distante um drama acomete
Dor e luto chegam naquele lugar
Amargua preenche e a esperança derrete
Mas existe um lugar para voltar

Sogra e noras sozinhas no mundo
Uma vai e outra fica, um novo futuro
Teu povo é meu povo, um porto seguro
Retorno certeiro ao Senhor de tudo

O amor que brota nos campos de trigo
Além do sustento, traz também um amigo
Providência de Deus que resolve o embate
Bondade infinita que traz socorre e resgate

Para além de si mesmos, uma nova família
E dos filhos dos filhos, uma nova alegria
E na linhagem se cumpre uma antiga promessa
D’Aquele que salva quem a ele confessa.

  • Yuri Fernandes, 25 anos, de Contagem (MG). Formado em Jornalismo, é apaixonado por teologia reformada, missões, literatura e séries, mas Deus é seu amor maior.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>