Por Júlia Gomes

Quando olhamos para a Bíblia, vemos inúmeros personagens marcantes que fizeram a diferença onde estavam, se deixaram ser moldados e usados por Deus. Geralmente, quando pensamos nestas figuras, é normal que muitos os imaginem como pessoas mais velhas e desinteressantes; com isso, perdemos grande parte da riqueza das narrativas.

O fato é que a Bíblia relata histórias com pessoas de todos os tipos e contextos, assim, os jovens não poderiam ficar de fora. É interessante notar que aqueles jovens não foram apáticos ao que estava ocorrendo na época em que viveram, antes, foram relevantes em sua geração. Porém, alguns precisaram ser quebrados para depois serem refeitos segundo os padrões de Deus e de seus propósitos.

Orgulho. O orgulho é algo muito comum na juventude, quando pensamos que sabemos tudo sobre a vida, e por isso somos os maiorais. Terrível engano. Dessa forma, somos levados a nos engrandecer, a provocar o próximo com nosso status, e nos tornamos pessoas no mínimo chatas de se conviver. José, filho de Israel, conforme o relato, parecia ser assim. Filho preferido de Jacó, dedo duro, e ainda por cima se gabava sobre seus sonhos nos quais os irmãos se ajoelhavam perante ele.

Diante disso, aos 17 anos José foi vendido como escravo para servir no Egito, longe de sua casa e família; apesar disso, foi ali que Deus trabalhou em seu caráter. Ele foi escravo, prisioneiro, assediado, esquecido. Seu ego foi quebrado, e com isso, teve de aprender na marra a governar a si mesmo, seu orgulho; somente assim poderia vir a governar o Egito com sabedoria num tempo de crise, e realizar com excelência o papel que lhe fora designado.

Outro personagem muito forte na narrativa bíblica é Davi. Davi era o menor de seus irmãos, um pastor de ovelhas, e ao contrário de José, nada tinha a se orgulhar. O intrigante no começo de sua história, é seu senso de responsabilidade e coragem, mesmo jovem. Como pastor, sua tarefa era cuidar do rebanho, e ele enfrentou feras para manter seus animais em segurança. Além disso, quando surgiu o gigante Golias que deixou os israelitas apavorados, Davi considerou-o apenas mais uma fera para matar e trazer proteção ao povo; a personalidade de um verdadeiro rei, que vai na frente de batalha para defender os seus, mesmo quando ninguém acreditou em seu potencial. Davi se deixou ser usado por Deus, mesmo tão jovem, para desempenhar seu papel em sua geração.

De órfã a rainha, Ester também foi uma jovem relevante em seu tempo. Em seu livro, o nome de Deus nem é mencionado, contudo, é impossível não notar sua presença ou mesmo seu agir através da vida da garota. Depois de ter sido desposada pelo rei Xerxes, houve uma conspiração na corte para exterminar os hebreus; Ester poderia ter sido apática quanto a isso, ela era rainha, não precisava ter tais preocupações, e poderia muito bem se esquecer de onde veio, quem sabe também temer por sua vida em se meter em algo tão sério.

Todavia, ela sabia que não devia ficar indiferente. Ester decide falar com o rei, e convoca todo o povo para orar e jejuar, dizendo no capítulo 4, versículo 16 “[…] irei ao rei, ainda que seja contra a lei. Se eu tiver que morrer, morrerei.” Deus honrou sua bravura, sua vida foi poupada, assim como a de todo o povo. Ester cumpriu seu propósito em seu tempo.

Imigrante exilado em terras profanas e desconhecidas, Daniel e seus amigos foram severamente atacados de todos os lados para cederem aos padrões da Babilônia. Desde a alimentação, a se curvar perante uma estátua, serem lançados na fornalha até a cova dos leões. Como jovens e privilegiados por estarem no palácio, seria fácil demais se adequar ao estilo babilônico de viver, esquecer o seu Deus e o Deus de sua terra.

Entretanto, lutaram contra a contaminação daquela sociedade, pois certamente sabiam quem eram em Deus, sua origem e missão. O Eterno foi exaltado e proclamado no testemunho daqueles jovens, e aqui gostaria de fazer um adendo: todos os testemunhos são importantes, mas nada se compara ao testemunho de um jovem que compreende o sacrifício, juntamente com o amor de Cristo, e vive por isso. O impacto é muito maior, isto é, dedicou o “auge” de sua vida, para aquele que um dia lhe deu vida eterna.

Não poderia deixar de escrever sobre uma judia de aproximadamente 14 anos que, corajosamente, serviu ao Senhor quando o Verbo de Deus foi encarnado e formado em seu ventre. Segundo a lei judaica, Maria deveria ser apedrejada por estar grávida sem ter se casado; no entanto, a resposta da adolescente é de se surpreender: “Respondeu Maria: ‘Sou serva do Senhor; que aconteça comigo conforme a tua palavra’. Então o anjo a deixou.” Lucas 1.38.

Nosso salvador poderia ter descido dos céus em glória e idade adulta, mesmo assim, Ele escolheu se submeter à humanidade por completo. O autor da vida nasceu um dia como qualquer um de nós, e foi criado e educado por mãos que Ele mesmo um dia viu nascer; porque uma jovem decidiu fazer a vontade de Deus.

Para você, adulto, que chegou até aqui, seja alguém que você precisou quando mais novo; caminhe, dê ouvidos e ore pela juventude, como o apóstolo Paulo com Timóteo. Assim, gostaria de concluir este texto trazendo a reflexão de como nós, jovens, podemos e devemos ser usados por Deus, olhando para a bíblia a buscar a inspiração do Espírito em nosso viver, a fim de sermos relevantes em nossa geração. Compartilhe de Jesus em seu viver hoje!

 

“Ninguém o despreze pelo fato de você ser jovem, mas seja um exemplo para os fiéis na palavra, no procedimento, no amor, na fé e na pureza.” 1 Timóteo 4.12

 

  • Julia Oliveira Gomes, 18 anos, estudante de ciências biológicas na UFSCar, leitora voraz. Ama C. S. Lewis e é fã de Star Wars. Gosta de música e fotografia.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.