Temos diferenças persistentes e sérias
“Por meio da oração e estudo das Santas Escrituras e ajudados pelas reflexões da Igreja sobre o texto sagrado desde os primeiros tempos, temos descoberto que, apesar de algumas diferenças persistentes e sérias, podemos, juntos, dar testemunho da dádiva da salvação em Jesus Cristo.”

Somos membros da raça humana caída
“Deus nos criou para manifestar sua glória e dar-nos vida eterna em comunhão com Ele. Mas nossa desobediência interveio e nos colocou sob condenação. Como membros da raça humana caída, viemos a este mundo alienados de Deus e em estado de rebelião.”

Não somos capazes
“As conseqüências catastróficas do pecado são tais, que não somos capazes de restaurar os laços quebrados de união com Deus. Somente à luz do que Deus fez para restaurar nossa comunhão com Ele é que vemos a completa enormidade de nossa perda.”

Dependemos inteiramente de Jesus
“A restauração da comunhão com Deus depende inteiramente de Jesus Cristo, verdadeiro Deus e verdadeiro homem. Pois Ele é o ‘único mediador entre Deus e os homens’ (1 Tm 2.5) e porque ‘abaixo do céu não existe nenhum outro nome, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos’ (At 4.12). Jesus disse: ‘… ninguém vem ao Pai a não ser por mim’ (Jo 14.6).”

Cristo nos resgatou da maldição da lei
“Está sempre claro que o trabalho de redenção foi realizado pela satisfação do sacrifício de Jesus na cruz: ‘Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se Ele próprio maldição em nosso lugar’ (Gl 3.13). A Escritura descreve as conseqüências do trabalho de redenção de Cristo de várias maneiras, entre as quais estão a justificação, a redenção, a reconciliação, a restauração, a amizade com Deus e o novo nascimento que vem lá de cima.”

Não somos mais inimigos de Deus
“Concordamos que a justificação não é adquirida por nenhuma boa obra nem mérito de nossa parte. É inteiramente dádiva de Deus, conferida por pura benignidade do Pai, do amor que Ele nos tem em seu Filho, que sofreu em nosso lugar e ressuscitou dos mortos para nossa justificação… Na justificação, Deus, com base somente na retidão de Cristo, nos declara como não sendo mais seus inimigos rebeldes, mas amigos perdoados.”

Aderimos ao evangelho livremente
“O Novo Testamento torna claro que a dádiva da justificação é recebida pela fé: ‘Pela graça sois salvos, mediante a fé, e isto não vem de vós, é dom de Deus’ (Ef 2.8). Pela fé, que também é dádiva de Deus, arrependemo-nos de nossos pecados e livremente aderimos ao evangelho, a boa nova de salvação, operada para nós por Deus em Cristo… A fé não é um consentimento meramente intelectual, mas um ato da pessoa inteira, envolvendo a mente, a vontade e as afeições, e resultando em vida transformada.”

Somos santificados progressivamente
“Por meio de sua fé e batismo, os cristãos são marcados a viver de acordo com a lei do amor em obediência a Jesus Cristo, o Senhor. As Escrituras chamam essa nova vida de santidade ou santificação. A santificação não é plenamente alcançada no início de nossa vida em Cristo, mas progressivamente assistida com a graça e a ajuda de Deus, contra a adversidade e a tentação, conforme nos esforçamos.”

Fomos, estamos sendo e seremos salvos
“Como pecadores justificados fomos salvos, estamos sendo salvos e seremos salvos. Tudo isso é dádiva de Deus. A fé se lança numa esperança confiante por um novo céu e uma nova terra, nos quais os propósitos criadores e redentores de Deus são gloriosamente cumpridos.”

Comprometemo-nos a evangelizar
“Muitos estão em grande perigo de estarem perdidos eternamente porque não sabem o caminho para a salvação. Em obediência à grande comissão do nosso Senhor, comprometemo-nos a evangelizar a cada um. Precisamos compartilhar a plenitude da verdade salvadora de Deus com todos — incluindo membros de nossas várias comunidades. Evangélicos devem falar do evangelho a católicos, e católicos a evangélicos, sempre falando a verdade em amor.”

Ainda há muito por fazer
“Defendemos a liberdade religiosa para todos. Tal liberdade é fundamentada na dignidade da pessoa humana, criada à imagem de Deus, e precisa também ser protegida pela lei civil. Não devemos permitir que nosso testemunho como cristãos seja comprometido por discipulado desleixado ou disputas desnecessariamente criadoras de discórdia. Embora nos regozijemos na unidade que temos descoberto e estejamos confiantes nas verdades fundamentais sobre a dádiva da salvação que temos afirmado, reconhecemos que existem questões necessariamente interrelacionadas que requerem mais profunda e urgente exploração. Entre elas estão o significado da regeneração batismal, a Eucaristia, a graça sacramental… a devoção a Maria… (e outras)”.

Trecho do artigo A dádiva da salvação, publicado na edição 255 de Ultimato.

Leia mais:

» Salvação: o que é e para que serve?

» O “Drama da Cruz”: a nossa salvação estava por um fio — mas o fio era de aço!

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>