Como o inferno e a perdição nunca se fartam, assim os olhos do homem nunca se satisfazem. (Provérbios: 27.20)

Todo mundo conhece e cita o famoso epigrama: “O poder corrompe; o poder absoluto corrompe absolutamente”. Porém nem todos conhecem o autor da frase nem, principalmente, as circunstâncias que o levaram a enunciá-la.

Por se opor veementemente aos dogmas da primazia e da infabilidade papal, promulgados pelo Concílio Vaticano I (1869-1870), o político e historiador inglês John Emerich Edward Dalberg-Acton (1834-1902), mais conhecido como Lord Acton, se pronunciou a respeito por meio daquelas palavras. Como católico influente, Acton temia que a igreja fosse corrompida pelo poder e chegou a tentar organizar uma oposição internacional ao decreto.

Na opinião de John Stott, a sede de poder tem sido uma característica da história humana e “está presente na política e na vida pública, nos grandes negócios e na indústria, nas diferentes profissões e na mídia, e até mesmo na igreja e nas organizações paraeclesiásticas”. O conhecido teólogo inglês chega a dizer que “o poder é mais tóxico que o álcool e vicia mais do que as drogas”.

Texto originalmente publicado na edição 316 de Ultimato.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>