Livro da Semana   |   Leituras Diárias das Crônicas de Nárnia

 

Os dois mais velhos começavam a convencer-se de que Lúcia não estava em seu perfeito juízo. Depois que a irmã foi dormir, ficaram os dois durante muito tempo no corredor, falando baixinho sobre o caso.

O resultado foi que resolveram contar tudo ao professor na manhã seguinte. – Ele escreverá ao papai se achar que há realmente algo de errado com a Lu – disse Pedro. – Isso está indo além da nossa alçada.

Então, eles foram e bateram na porta do escritório e o professor disse: – Entrem –, e ofereceu-lhes cadeiras e disse que estava às ordens.

Escutou-os com toda a atenção, dedos cruzados, sem interrompê-los até o fim da história. Depois, ficou calado bastante tempo. Tossiu para limpar a garganta. E disse a coisa que eles menos podiam esperar:

– Como sabem – perguntou ele – que a história que a sua irmã contou não é verdade?

– Oh, mas acontece… – começou Susana; e parou por aí. Via-se pela cara do velho que ele estava mesmo falando sério. Susana tomou coragem e disse:

– Mas Edmundo confessou que eles estavam só fingindo.

– Ora, aí está uma coisa – tornou o professor – que merece ser considerada, e com muitíssima atenção. Por exemplo, se me perdoam a pergunta: qual deles, pela experiência de vocês, é mais digno de crédito, o irmão ou a irmã? Isto é, quem fala sempre a verdade?

– Isto é que é gozado, professor – respondeu Pedro. – Até agora, eu só posso dizer que é a Lúcia.

– E o que acha você, minha querida? – disse, voltando-se para Susana.

– Bem, – disse Susana – de uma maneira geral eu diria o mesmo que Pedro, mas aquela história do bosque e do fauno não pode ser verdade.

– É o que a gente nunca sabe – disse o professor. – Não se deve acusar de mentirosa uma pessoa que sempre falou a verdade. Isso é mesmo uma coisa séria, muito séria.

– Mas o nosso medo não é que seja mentira – replicou Susana. – Pensamos que poderia haver algo de errado com a Lúcia.

– Acham que ela está louca? – perguntou, calmamente, o professor. – Que é isso: basta olhar para ela, ouvi-la um instante para ver que não está louca.

– Mas, então… – disse Susana, e calou-se. Nunca tinha pensado que uma pessoa grande falasse como o professor, e não sabia bem o que havia de pensar de tudo aquilo.

– Lógica! – disse o professor para si mesmo. – Por que não ensinam mais lógica nessas escolas? – E, dirigindo-se aos meninos, declarou: – Só há três possibilidades: ou Lúcia está mentindo; ou está louca; ou está falando a verdade. Ora, vocês sabem que ela não costuma mentir, e é evidente que não está louca. Por isso, enquanto não houver provas em contrário, temos de admitir que está falando a verdade.

– O Leão, a Feiticeira e o Guarda-roupa

Por que Susana e Pedro ficaram tão surpresos com a opinião do professor? Por que você acha que o primeiro impulso deles foi não acreditar em Lúcia? Quando na sua vida você teve dificuldade de conciliar a fé com a lógica?

• Trecho retirado de Leituras Diárias das Crônicas de Nárnia, C. S. Lewis (Editora Ultimato)

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *