Sobre as intoxicações políticas, e por que sou oposição

 

“Saiamos, pois, a ele, fora do arraial, levando o seu vitupério. Na verdade, não temos aqui cidade permanente, mas buscamos a que há de vir” – Hebreus 13.13-14

 

Votei em Marina no primeiro turno; como os amigos Igor Miguel, Sandro Baggio e outros, penso que ela era a única com um plano de governo inovador e com capacidade política para vencer a Dilma no segundo turno. E no segundo acompanhei Marina no apoio a Aécio; fui derrotado duas vezes. Que assim seja!

Convido agora meus amigos oposicionistas a honrar a democracia orando pelos novos governantes e cooperando em tudo o que for compatível com a “Shalom” divina. E meus amigos situacionistas a não se embebedarem com a vitória; pois a vitória para nós, Cristãos, está além das forças históricas. Ainda assim, precisamos julgá-las, e precisamos julgar a nossa própria relação com elas. Mais >

“O Corpo é meu, faço o que quiser com ele”. Será?

 

Há algum tempo escrevi sobre os problemas da ideologia liberal e sua relação com a promiscuidade sexual contemporânea, e mais recentemente dei uma breve entrevista sobre o tema ao Jonathan Silveira, do ministério Tu Porém (Veja no vídeo ao final do post). Mas logo depois disso, por pura coincidência, saíram os resultados de uma pesquisa do IPEA sobre estupro (e patriarcalismo) causando comoção geral, e o tal argumento liberal “se o corpo é meu, faço o que quiser com ele” foi invocado na mídia como fundamento para o combate à violência sexual. Então decidi reviver o assunto por aqui.

Sou perfeitamente contrário à violência sexual, mas esse argumento simplesmente não funciona. Na verdade penso que ele não apenas é irracional, mas alimenta indiretamente os problemas que deseja evitar.

Faço apenas um reparo à entrevista: a pergunta do Jonathan foi sobre o movimento LGBT, mas se aplica mais exatamente ao fundo liberal da vanguarda feminista contemporânea. Às vezes se ouve esse argumento em contextos LGBT, mas ele pertence mais propriamente a todo o movimento de liberação sexual moderno e principalmente ao feminismo. É empregado, por exemplo, para justificar o aborto, a legalização da prostituição, e para atacar a instituição do casamento monogâmico.

De todo modo, eu não fui o único a perceber que o emprego desse argumento como fundamento para a crítica à cultura masculina do desrespeito e, indiretamente, do estupro, é ideológico e moralista. É claro que uma campanha individualista e libertária sobre os direitos do indivíduo sobre o seu corpo não mudará criminosos e não protegerá as mulheres. Isso faz tanto sentido, como observou jocosamente o amigo Vitor Grando, quanto uma campanha de conscientização pública pelo direito de andar nas ruas com jóias e iphones expostos sem medo. Para quê o argumento serve, então? Para plausibilizar o próprio liberalismo moral culpando o conservadorismo moral. É um jogo ideológico.

Se o reforço do liberalismo moral reduzisse os impulsos basais dos estupradores já deveríamos ter a essa altura um ambiente de profundo respeito sexual na sociedade brasileira; mas aparentemente esse respeito é inversamente proporcional ao domínio cultural do liberalismo moral. Isso acontece, no meu entendimento, porque o liberalismo moral é irracional.

Enfim, o que se precisa no mundo do hiperconsumo, da atomização da vivência humana e da venalização do sexo - o rabo preso que o liberalismo moral tem com o estupro –  é de uma educação para a virtude, coisa que o feminismo e o liberalismo moral temem tanto quanto a morte.

Para mais detalhes, veja também o artigo abaixo. Para quem quiser saber mais: os três argumentos tem um pouco de ética da virtude, de Kant, de Charles Taylor e de Scruton. E, claro, de um sujeito chamado Paulo de Tarso.

IDEOLOGIA LIBERAL E PROMISCUIDADE SEXUAL: CÚMPLICES?

 

logofacebook

O TEMPO E A ESPIRITUALIDADE: nova série na Igreja Esperança

O TEMPO E A ESPIRITUALIDADE: Jornada Devocional 2013 na Igreja Esperança

Durante os meses de Novembro e Dezembro vamos realizar uma jornada de reflexão e de exercícios espirituais na Igreja Esperança. O tema da nossa jornada será O TEMPO E A ESPIRITUALIDADE. Vamos explorar como o Cristão deve compreender e se relacionar com o tempo, e como as nossas práticas devocionais podem nos orientar no uso do tempo que o Senhor nos concedeu. Serão sete domingos, tematizando o momento presente, o dia, o domingo, o ano, a história, o futuro e a eternidade:

1. 17/11: A GRAÇA E O MOMENTO PRESENTE
2. 24/11: A DEVOÇÃO DIÁRIA
3. 01/12: GUARDANDO O DIA DO SENHOR
4. 08/12: A PÁSCOA E O ANO CRISTÃO
5. 15/12: CRISTO, A HISTÓRIA E A MINHA HISTÓRIA
6. 22/12: A ESPERANÇA E O TEMPO FUTURO
7. 29/12: ENTRE O TEMPO E A ETERNIDADE

A série será ministrada no salão da Igreja Esperança aos domingos, às 10h e às 18h.

Endereço: Avenida Pedro II 2744, sobreloja.

Não venha apenas para ouvir; aproveita para buscar ao Senhor e se preparar para o próximo ano. Permita que o Senhor trabalhe em você nesses dias. Se o Senhor permitir, será um tempo muito edificante!

Pr. Guilherme

Extroversão Espiritual: o caminho para a realidade na vida cristã

Segue o link para a mensagem pregada na Comunidade 242 no dia 07 de Julho!

extroversao_espiritual.mp3.