Não há muita diferença entre Paulo e Agostinho: o primeiro diz “o salário do pecado é a morte” (Rm 6.23), e o outro diz “o castigo do pecado é o pecado”. Morte e pecado sempre foram irmãos gêmeos. A dura sentença é de um africano convertido na Europa aos 33 anos, chamado Aurélio Agostinho, mais […]

Read More →

O Novo Dicionário Aurélio diz que vida é “o espaço de tempo que decorre desde o nascimento até a morte”. O recém-lançado Dicionário de Psicologia Dorsch afirma o mesmo: o curso da vida é “o caminho entre nascimento e morte”. A vida é só isso? Essas definições são seculares, mesquinhas e pessimistas. Sob o ponto […]

Read More →

Não é o sangue de Abel, o primeiro a ser derramado sobre a terra (Gn 4.10). Não é o sangue de um cordeiro sem defeito passado nas laterais e nas vigas superiores das portas das casas dos israelitas na noite da saída do Egito (Êx 12.7). Não é o sangue de bode que o sacerdote […]

Read More →

“Se Jesus não tivesse entregue a si mesmo, ninguém o teria entregue” (Santo Agostinho) Para abordar a riqueza toda de Jesus Cristo não há outro jeito senão inventar palavras, como imatável, que soa melhor do que inassassinável. Que Jesus rompeu os grilhões da morte “porque era impossível que a morte o retivesse” (At 2.24), todo […]

Read More →