O que aconteceria às nossas vidas, famílias, comunidades e nações se, num piscar de olhos, o reino de Deus se manifestasse em toda a sua plenitude?

O reino de Deus, que é revelado na pessoa de Jesus Cristo, deve estar manifesto em cada aspecto da vida de um “cidadão” do reino. Na vida devocional, na comunhão, no trabalho, no mercado público, na escola, na universidade, no lazer, na família. Como o apóstolo Paulo escreveu a Tito: “Todas as coisas são puras para os puros” (Tt 1.15); e, em outra ocasião, aos coríntios: “Portanto, quer comais, quer bebais, ou façais outra coisa qualquer, fazei tudo para a glória de Deus” (1Co 10.31). O reino de Deus santifica o comum.

A compreensão desses princípios aplicáveis individualmente é fundamental para o desenvolvimento comunitário. Quando entendemos que o reino de Deus é completo e abrangente, e não se restringe apenas à vida devocional e às disciplinas espirituais, somos livres para ministrar junto à comunidade em todas as áreas. E isso, não como uma mera expressão de “trabalho social”, mas para que o governo de Deus cresça e se estabeleça.

O que aconteceria às nossas vidas, famílias, comunidades e nações se, num piscar de olhos, o reino de Deus se manifestasse em toda a sua plenitude? Pessoas se converteriam a ele e passariam a conhecer o Deus verdadeiro. Relacionamentos seriam restaurados. A prostituição e a violência acabariam. Haveria provisão para todos. Enfermos seriam curados. A poluição teria fim. Justiça e paz reinariam sobre a terra. Percebemos claramente que a chegada do reino afetaria todas as áreas da nossa vida, da sociedade e da própria criação. O reino de Deus é abrangente. Ora, como Igreja de Jesus na terra, encarregados da implantação do reino, se realmente estivermos empenhados na vinda do reino, haveremos de ter, também, um ministério abrangente. O reino de Deus traz completa transformação. Em outras palavras, não há como nos mantermos comprometidos com o reino de Deus sem nos envolvermos em questões de justiça social, denúncia do opressor, violência, prostituição, miséria, saúde etc. Cabe a cada geração, em cada contexto, discernir sabiamente as áreas críticas e trabalhar para devolver a Deus o seu governo nessas áreas.

Trecho retirado de O reino entre nós, da Editora Ultimato.

 

» Desigualdade – o que a igreja tem a ver com isso? Conheça a edição 382 (março/abril) de Ultimato.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *