Por Zenilda Lua

Como um balé sagrado, dadivoso

oferta e cântico de alento perfumoso

mesmo que o tempo abra mágoas dolorosas

é cor de rosa, ou amarelo suntuoso

 

O vento avança relembrando INDEPENDÊNCIA

numa dolência que inebria e resplandece

murmúrio santo como prece indefinida

palpita a vida e o pranto desvanece

 

Viva o Brasil

Viva a justiça e a bondade

Abaixe o ódio, a violência e a maldade.

 

Que a natureza exaurida não desmaie

que as cinzas não invadam nossas flores

não queremos recolher mais tantos ais

no odre onde descansa nossas dores.

 

Desejamos continuar andando

“em verdadeira LIBERDADE

pois temos buscado teus preceitos”.

SENHOR, meu Deus, nos livre dos homens maus!

“Levantamos nossas mãos, e meditamos em teus decretos” (Salmos 119.45)

Créditos das fotos: John Medcraft

 

• Zenilda Lua, nascida em Patos (PB), reside atualmente em São José dos Campos (SP). Atua como Assistente Social, escreveu livros de poemas e é mãe de Brisa.

• John Philip Medcraft, nascido em Londres, naturalizado brasileiro, mora em Patos (PB) há 45 anos. É pastor presidente da ACEV (Ação Evangélica) com compromisso com missão integral nos sertões nordestinos. Apaixonado por Jesus, Betinha, Caatinga e QPR (idealmente nesta ordem).

 

Leia mais: 
» Experiências de jardim
» Beleza das cores e formas que Deus criou

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.