Arquivo | Série Revista Ultimato RSS for this section

Um amor livre de cercas

ESTUDO BÍBLICO | Série Revista Ultimato – edição 382

Em Lucas 6. 27, Jesus faz um convite para que seus ouvintes “amem seus inimigos”. De que maneiras eles são descritos por Jesus? Como um “inimigo distante”, fazendo e dizendo coisas que nos irritam, ou como pessoas que estão bem perto, no nosso dia-a-dia (v. 27-30)? Como você entende esse “amor” que deve ser expresso aos inimigos?

Continue lendo

Um Deus escandalosamente justo

ESTUDO BÍBLICO | Série Revista Ultimato – edição 382

Nesse estudo vamos buscar uma compreensão renovada sobre o chamado de Deus para “seguirmos todos os seus caminhos”, tendo como guias de condução a Sua identidade revelada e sua ação histórica. Vamos colocar os pés no caminho?

Continue lendo

Quem está orando por você?

ESTUDO BÍBLICO | Série Revista Ultimato – edição 381

No capítulo 17 do evangelho de João, naquela que ficou conhecida como a “oração sacerdotal” de Jesus, ele intercede por todos os seus discípulos, nos permitindo um vislumbre da riqueza de sua “lista de pedidos” em nosso favor. Vamos conhecer um pouco mais?

Continue lendo

Qual o meu lugar no mundo?

ESTUDO BÍBLICO | Série Revista Ultimato – edição 366

Todos nós, em maior ou menor grau, queremos descobrir o nosso lugar no mundo ou o nosso “chamado”. No entanto, quase sempre é preciso fazer algum ajuste na visão que temos de nós mesmos, para que ela se aproxime mais da visão de Deus sobre nós.

Fomos criados à imagem e semelhança de Deus e precisamos redescobrir essa identidade. Como lidar com isso?

Continue lendo

O mapa da oração

ESTUDO BÍBLICO | Série Revista Ultimato – edição 366

Em geral, oramos por alguns assuntos (sagrados) e não oramos por outros (seculares). Por exemplo, que lugar damos à política em nossas orações? E se esse e outros assuntos não fazem parte das nossas orações, que espécie de Deus poderia estar interessado somente em orações egoístas ou que buscam por experiências de algum tipo?

A oração do “Pai Nosso” pode se tornar um modelo para nossa prática de oração. E como fazer isso sem cairmos no erro de transformá-la numa repetição mecânica?

Continue lendo