Como orar

SÉRIE |
Conversando Sobre a Fé Cristã  |  Estudo 8

Texto básico
Filipenses 4.6-7

Introdução

Na lição anterior, vimos como é importante ler a Bíblia e estudá-la regularmente. Nesta lição, veremos que a oração também é fundamental para nossa comunhão com Deus, para o aumento da nossa fé, para a prática da vida cristã e das boas obras. A oração é um dos privilégios do cristão. Quando lemos a Bíblia, Deus fala conosco; quando oramos, nós falamos com Deus.

Para entender o que a Bíblia fala

1. “Certo dia, Jesus estava orando em determinado lugar. Quando terminou, um de seus discípulos lhe disse: ‘Senhor, ensine-nos a orar…’” (Lucas 11.1). Veja o que Jesus lhes ensinou, na ocasião, sobre as características mais importantes da verdadeira oração:

» A quem devemos orar? (Mateus 6.6,9)
Veja estes outros exemplos: Atos 24.12; Efésios 3.14.

» O que não devemos fazer, quando oramos? Mateus 6.7

Não é tão importante se usamos o termo oração ou reza quando nos referimos à nossa conversa com Deus. Todavia, o que muitas pessoas chamam de reza é a repetição de Salmos e orações escritas. Exemplos: “O Senhor é o meu pastor…” (Sl 23), o Pai Nosso, a Oração de São Francisco de Assis, a Ave Maria etc. A repetição dessas orações, principalmente a Ave Maria, é uma prática comum nos meios católicos mais tradicionais. Muitos dos que o fazem, são sinceros. Mesmo assim, precisam reexaminar esta sua prática à luz do ensino de Jesus e de inúmeros exemplos bíblicos.

Para ilustrar seus ensinos sobre oração, Jesus deu aos seus discípulos uma oração modelo, conhecida hoje como o Pai Nosso (Mateus 6.9-13). Evidentemente, não era sua intenção que os discípulos e os crentes posteriores a repetissem sempre, como uma reza. Esta oração é um exemplo. Com a mesma, Jesus nos ensinou:

a) toda oração deve ser dirigida ao Pai;
b) podemos e devemos orar louvando e santificando seu nome;
c) devemos falar com Deus sobre nosso desejo de que sua vontade seja feita na terra como é feita no céu;
d) podemos e devemos pedir coisas materiais tais como o simples pão ou alimento para cada dia; etc.

As palavras podem ser outras, alguns itens podem ser omitidos e outros acrescentados, conforme a necessidade. Se temos um filho doente, por exemplo, não é o caso de “rezar” dez Pai Nosso e tantas Ave Maria. Falemos com Deus sobre a nossa preocupação no momento, e peçamos: “Senhor, peço-te que cures meu filho, se for esta a tua vontade…”

2. Jesus ensinou outras coisas sobre a prática da oração. Veja: Em nome de quem devemos orar? João 14.13; 16.23-24.

Orar “em nome de Jesus” implica reconhecer nossa pecaminosidade e imperfeições, nossa completa indignidade e, em consequência, a necessidade de um Intermediário ou Mediador. Ora, segundo o que lemos na Bíblia, “Há um só Deus e um só Mediador entre Deus e a humanidade: o homem Cristo Jesus” (1 Timóteo 2.5).

3. Que é necessário para recebermos os pedidos que fazemos a Deus em oração? (Mateus 21.22; Tiago 1.6-7).

4. Além da fé, qual é o outro requisito fundamental para recebermos os pedidos que fazemos a Deus, de acordo com 1 João 5.14-15.

Veja o exemplo do próprio Jesus em Mateus 26.39,42.

5. Leia os textos, responda às perguntas e confira suas crenças e práticas religiosas:

» Quem nos provê acesso a Deus? João 14.6.
» Quem devemos invocar para salvação e ajuda? Atos 2.21; 4.12.
» Quem é nosso fiel Sumo Sacerdote? Hebreus 4.14-16.
» Quem morreu, ressuscitou e intercede por nós, no céu? Romanos 8.34.
» Quem é o único mediador entre Deus e os homens? 1 Timóteo 2.5.

6. Como podemos superar a ansiedade e ter a paz de Deus? Filipenses 4.6-7

7. Que preciosa promessa encontramos no Salmo 66.20?

8. Em casa, durante a semana, leia os textos abaixo indicados e identifique alguns tipos e motivos de oração:

» Salmos 34.1
» Salmos 61.1
» Salmos 32.5
» Atos 12.5
» 1 Timóteo 2.1-2

9. Também em casa, conheça estes belos exemplos de oração que encontramos na Bíblia. Veja se os princípios que estudamos estão presentes.

 

 

 

Autor: Éber Lenz César

PARA SABER MAIS

> A Vida em Cristo, John Stott
> Cristianismo Básico, John Stott
> Como Ser Cristão, John Stott
> Por Que Sou Cristão, John Stott

Print Friendly, PDF & Email

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário