Por Lucas Martins

A universidade é o ponto de partida das transformações sociais, educacionais, culturais e espirituais.

– Você quer entregar sua vida a Jesus?

– Quero sim!

Quando ouvi isso pela primeira vez, quase caí para trás. Eu nunca tinha chegado nessa parte. Não parecia possível que Deus estava agindo até mesmo na minha universidade!

Quando entrei na graduação em filosofia, um irmão da igreja me alertou de coração: “Cuidado com a universidade! As filosofias vão te desviar da fé”. O conselho foi embasado. Uma pesquisa americana já tinha apontado que 66% dos jovens cristãos abandonam a igreja na época da faculdade (Lifeway Research, 2007). Observador astuto, tenho certeza de que o irmão já tinha percebido esse fenômeno em terras universitárias brasileiras.

Um estudo recente daqui mostrou uma realidade complicada: 58% dos jovens universitários sofrem de ansiedade, 45% se sentem desanimados, 28% sentem uma profunda desesperança, 10% já tiveram ideação suicida (Andifes, 2018). Não há saúde que resista à pressão acadêmica, distância de casa, dificuldades financeiras, busca incessante por sucesso, alimentação ruim, descanso zero etc. Muitos abandonam as soluções religiosas dos seus pais e buscam refúgio nos pequenos prazeres, como drogas e sexo, mas o vazio continua, o desânimo continua.

O que fortaleceu minha fé (e minha motivação) durante o tempo de universidade foi a graça de Deus através do meu envolvimento com outros cristãos. Foi aí que conheci a Cru Campus, um movimento de evangelismo e discipulado dentro das universidades mundo afora. Como estudante, fui voluntário da Cru por seis anos na Universidade Federal da Paraíba e, depois de um projeto missionário que alcançou dezenas de universitários para Cristo, Deus me chamou para dar um passo maior em relação ao meu ministério: decidi entrar para o time de missionários da Cru, trabalhando em tempo integral a fim de levar o evangelho para cada estudante.

Pense comigo.

No Brasil, temos 6,5 milhões de universitários. Daqui uns anos eles serão as pessoas mais influentes dessa nação – os futuros anestesistas, advogados, cineastas, sociólogos, músicos. Lá estão os professores dos seus filhos (ou dos seus netos). A longo prazo, investir tempo discipulando um único universitário pode significar centenas ou milhares de pessoas alcançadas! Eles têm nas mãos o potencial de transformar famílias, empresas e cidades inteiras. A universidade é o ponto de partida das transformações sociais, educacionais, culturais e espirituais.

Talvez você conheça missionários que trabalham na zona rural, no sertão, com os ribeirinhos, com os quilombolas ou com indígenas. Eu sou missionário com universitários. E não estou sozinho. A Cru Campus tem mais de 50 missionários só no Brasil!

Nós compartilhamos o evangelho no campus e ajudamos estudantes a fazerem isso com outros estudantes.

Nós fazemos novos discípulos de Cristo, buscando conectá-los com igrejas locais e os ensinando a fazerem outros discípulos.

Nós acompanhamos estudantes a fim de desenvolver líderes e profissionais com a mente de Cristo.

Precisamos recolocar as nossas universidades em nossas orações, em nosso investimento, em nossa estratégia missionária. Se isso acontecer, talvez a nossa cidade fique repleta de pessoas que conheceram a Cristo na época da faculdade – e não mais de pessoas que o abandonaram na juventude.

 

Leia mais: 
» O desafio da evangelização entre universitários
» O cristão e a universidade: os solos encontrados no campus

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *