Lembro-me não da data, mas do acontecimento. Eu era um adolescente e estava aborrecido com tanta briga verbal que havia ao meu redor. Eu também participava delas, justificando-me, defendendo-me e desejando impor minha vontade e meu raciocínio. Cansado disso tudo, resolvi não brigar nem discutir com pessoa alguma nunca mais. A decisão deu certo, funcionou. Creio que foi a única mudança sem retorno na minha vida. Ela mudou o meu temperamento. Detesto brigar e acho que não brigo com ninguém.

A certa altura da minha mocidade, comecei a trabalhar com adolescentes, sem nomeação oficial e sem qualquer preparo prévio. Não me recordo se recebi algum estímulo de alguém. Durou pouco tempo, mas me lembro de duas coisas. Organizei o grupo de adolescente 4 f’s — franco, forte, firme e fiel (roubei a ideia de um tio que morava em Curitiba). Organizei também um “banco” para emprestar dinheiro aos pobres meninos…

A lembrança mais saudável é a da minha experiência com Deus, que aconteceu em 1949, exatamente há 60 anos. Eu fazia o Tiro de Guerra em Bom Jesus do Itabapoana, RJ. Tinha 19 anos, já havia professado a fé em Jesus Cristo e já era candidato oficial ao ministério pelo Presbitério de Campos. Por força da bem-aventurada educação recebida no lar e na Escola Dominical, eu estava suficientemente esclarecido e convicto de que não deveria ter relacionamento sexual com prostituta (não havia amor livre na ocasião), com namorada ou com qualquer outra mulher, a não ser com a futura esposa, sob a proteção do matrimônio. Mas, a vontade contrária era enorme e constante. Morria de medo de não respeitar essa norma por muito tempo.

Então, certo dia, de manhã cedo, coloquei numa sacola minha Bíblia, meu hinário e um livro devocional (acho que era o devocionário "Ouro, Incenso e Mirra", de Rosalee Appleby) e fui para um lugar muito bonito fora da cidade, onde havia uma pequena cachoeira. Ali fiquei sozinho o dia inteiro, lendo passagens da Bíblia e orando. Estava em busca de uma certeza de que eu conseguiria o meu intento. Só me senti aliviado e fortalecido no final daquele dia, quando lia o Salmo 23 e Deus me convenceu de que ele, por ser o meu pastor, me protegeria de qualquer desobediência, a cada dia, e não de uma vez por todas, como que por atacado. Embora não seja dado a emocionalismo, chorei de emoção naquela tarde. Foi uma experiência real e marcante, que me ensinou a depender de Deus, e não dos meus esforços pessoais, para vencer qualquer tentação ou dificuldade. Até hoje aquela experiência à margem do rio Itabapoana é extremamente válida.

  1. Se identifiquei perfeitamente com partes de seu post.
    Em meio a tantas confusões eu também resolvi nunca brigar e seja qual for o momento preferir ficar em silêncio, apenas ouvindo, agindo com respeito e demonstrando o verdadeiro caráter cristão.
    Além disso, apesar da poluição do mundo, que transformou o ficar e o sexo fora do casamento como algo liberal e desefreiado, também creio que o caráter cristão é ainda mais valorizado, diferenciando-se das práticas comuns e confiando em Deus, sendo dependente d’Ele em tudo.
    Bom Post!

  2. bela mensagem. é isso mesmo: viver na dependencia de Deus é parecido com o maná no deserto: um tanto pra cada dia, Deus é quem opera tanto o querer como o realizar… Deus é bom e cuida de nós,

  3. Este texto me levou às lágrimas…
    Sou um pastorzinho em uma cidadezinha próxima à Fortaleza-Ce. Comecei a escrever meus textos devocionais por causa dos seus textos que me inspiraram de tal forma que pensei “Acho que Deus quer que eu escreva assim, simples, profundo e comprometido com ELE”.
    Assim o fiz, e como sou grato por um dia ter conhecido a ULTIMATO e consequentemente este homem de Deus que é o senhor.
    Já agradeço muito a Deus por isso, um dia desejo apertar sua mão, que o SENHOR pela sua graça me dê este privilégio.

  4. Donizeti Aparecido dos Santos

    Realmente abençoador este texto. No atual contexto em que vivo, simplesmente de grande aprendizado, Que Deus possa abençoa-lo cada vez mais e consequentemente tambem o seremos com textos magnificos produzidos com certeza pelo Espirito Santo de Deus. Abraços!!!

  5. Tive o prazer de receber Elben quando morava em Jackson, MISS. Havia um livro que Elben queria muito! Mais do que um devocional, era um livro de referência. Assim lá (referência à beira do rio) assim cá (Dicionário de termos e pessoas). Lá a experiência com Deus, aqui, se preparando para um trabalho… ULTIMATO!

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *