(parte 1)

Por Bárbara Almeida

UltJovem_18_07_14_Quase_QueniaAcho que não sou do tipo de pessoa que se esforça para conquistar seus sonhos. Sonhadora sim, mas não realizadora. Sonho muito de noite, de madrugada. Mas quando acordo qualquer passo na direção do sonho parece ser difícil.

Também não sou daquelas pessoas cujo maior sonho é morar fora do país. Quando adolescente, eu não sonhava em fazer intercâmbio no exterior. Porém algo que me chamava a atenção era a África. Sonhei em ir um dia como voluntária pra lá. Isso foi no ensino médio, quando decidi prestar vestibular para Serviço Social. Acabei deixando o sonho de lado e durante a faculdade já não pensava nisso. Mas uma foto de um garotinho africano passou a enfeitar a parede de meu quarto, como um lembrete de um sonho adormecido.

Um ano depois de formada, minha irmã e minha amiga me incentivaram a passar um tempo fora do Brasil. Percebi que talvez fosse o momento certo (solteira, emprego estagnado, faculdade concluída) e comecei a fazer pesquisas na internet. Procurei por todo tipo de oportunidade: trabalho, pós-graduação, curso de inglês, curso de arte e voluntariado.

A coisa começou a afunilar para trabalho voluntário, o que me fez lembrar da vontade de conhecer a África. Mas as agências de intercâmbio oferecem oportunidades caras e limitadas. Então, através de minha mãe, descobri o site www.the7interchange.com onde organizações e voluntários do mundo todo criam perfis para se acharem. Resolvi me cadastrar. No início meu interesse era especificamente na África do Sul. Mas não sei por que coloquei interesse no Quênia também.

Foi uma organização do Quênia quem primeiro fez contato comigo. Como o site the7interchange não garante a idoneidade das organizações, tomei alguns cuidados. Troquei vários e-mails com o coordenador Julius, pesquisei sobre a organização e entrei em contato com as embaixadas queniana e brasileira. Somente depois de 6 meses decidi a data de embarque.

E morri de medo. Fiquei praticamente desesperada. Pensei até em desistir.

Mas eu fui… Graças a Deus que fui…

• Bárbara Craveiro de Almeida tem 24 anos e é formada em serviço social. Mora em Vinhedo, SP, e trabalha na área social, mas eventualmente se aventura na área artística.


Leia também
Já no Quênia (parte 2)
De volta do Quênia (parte 3)

Vídeo
Convido vocês a partilharem um pouco desta experiência comigo neste videoclipe: “Take your time – Sly Shy”

  1. Simplesmente fantástico. Fico pensando: Podemos fazer tanto ,e, por que não o fazemos? Te peço meu Deus, a ver com Seus olhos e me ajude a fazer algo que por mim mesma não consigo. Tenho tempo, formação, amo ao Senhor, mas simplesmente não realizo algo que tenho certeza poderia fz se me esforçasse.

  2. Emocionante… Admiro você menina linda,você é um testemunho real do amor ao próximo..abriu mão do seu conforto,para aqueles menos favorecidos.Sua alegria no vídeo é contagiante..Que experiência linda..Tomara Deus através desse vídeo e depoimento,muitos jovens sigam o seu exemplo.Parabéns…Bjs Sonia Felipe-

  3. Barbara, seu relato é enriquecedor e sua experiência genuína! Estava procurando uma organização para ter uma experiência similar a sua, e gostaria de ter contato com vc para saber mais informações (email ou face). Obrigado!!

Leave a Reply to Lucas Cancel Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>