Um poema de Robert Frost (1875-1963) vai ganhando novos momentos de notoriedade e sentido: “Mending Wall”. Segue aqui uma singela tentativa de tradução.     “Consertando Muro” (Robert Frost)   Tem alguma coisa que não gosta de muro, Que faz o solo congelado se dilatar sob ele, E derruba ao sol as pedras de cima, […]

Continue lendo →

José e Maria, grávida do menino Jesus, eles eram refugiados, exilados, peregrinos. Eles conheceram a dor do desamparo e de recomeçar a vida a partir de ruínas, mas carregando sempre dentro de si a esperança: um Deus escondido. “A La Huella” (Ariel Ramirez e Felix Luna) Ao caminho, ao caminho, José e Maria. Pelos pampas […]

Continue lendo →

..   Morte, não te orgulhes, embora alguns te chamem de Poderosa e terrível, pois não és nada disso; Pois aqueles que pensas derrubar Não morrem, pobre Morte, nem podes matar-me. . Do descanso e do sono, que são apenas tua representação, Mais prazer, do que de ti, muito mais deve fluir, E logo nossos […]

Continue lendo →

Paul Laurence Dunbar (1872-1906) foi o primeiro grande escritor negro a ser reconhecido nos Estados Unidos e na Inglaterra. Na aula de Literatura Norte-Americana de hoje na Unesc, lemos juntos e comentamos este poema: “We Wear the Mask” (Nós usamos a máscara). Este é um poema que fala de preconceito e exclusão. Fala da estratégia […]

Continue lendo →

O poeta Mário Quintana era apreciador de toda sorte de arte: cinema, música, teatro, pintura. Em seu breve poema intitulado “If…”, faz uma homenagem a um belíssimo quadro de Sandro Botticelli: “Anunciação de Cestello”. Pode-se dizer que é uma breve análise do quadro em forma de poesia.   If…   E até hoje não me esqueci […]

Continue lendo →

Esta carta foi escrita por um grupo de meninas sobreviventes do bombardeio de Hiroshima e endereçada ao senhor Claude Robert Eatherly, oficial das forças armadas norte-americanas e piloto de um dos aviões que deu suporte ao bombardeiro Enola Gay, que lançou a bomba atômica sobre a cidade de Hiroshima em 6 de agosto de 1945.   […]

Continue lendo →

EU SOU AQUELE (Mário Quintana) Eu sou aquele que, estando sentado a uma janela, a ouvir o Apóstolo das Gentes, adormeci e caí do alto dela. Nem sei mais se morri ou fui miraculado: Consultai os Textos, no lugar competente o que importa é que o Deus que eu tanto ansiava como uma luz que […]

Continue lendo →