Depois de três anos sob ocupação do Estado Islâmico, a cidade de Mosul e a região vizinha foram retomadas em julho pelo exército iraquiano. A família Aziz, que trabalha no Oriente Médio com a missão MAIS (Missão em Apoio à Igreja Sofredora) e já apoiou diversos refugiados iraquianos cristãos, planejou uma visita à região entre os dias 25 e 28 de agosto. Eles passaram por três vilarejos na Planície de Nínive, Bartella, Karalames e Qaraqosh. As cidades são historicamente de maioria cristã, e estes agora começam a voltar para lá. Com o intuito de visitá-los, seis pessoas viajaram para o contexto ainda de insegurança.

Em seu informativo, a família Aziz relatou que “a guerra contra o terror ainda não acabou, mas o governo iraquiano começou a permitir a reentrada dos cristãos em suas casas. Montamos uma equipe, contactamos famílias iraquianas que eram parentes de gente que amamos e servem conosco na Jordânia e viajamos para a zona de conflito mais uma vez”. Dentre os objetivos, está iniciar uma igreja na região.

Eles compartilharam: “No momento, 54 famílias retornaram para suas casas e tivemos o privilégio de visitar cerca de 40 delas. A maioria das casas está em péssimo estado e foram completamente saqueadas. Algumas famílias estão vivendo deforma improvisada, sem água ou energia. Muitas casas, comércios, escolas e até postos de saúde foram bombardeados pela coalizão durante a guerra contra o EI. A paisagem às vezes aparentava apocalíptica e em toda a viagem tivemos que tomar muito cuidado para pisar em algum lugar ainda não liberado. O risco de se deparar com minas e bombas é grande”.

“Quase todas as casas de Bartella foram marcadas com a letra “N” em árabe, que é a primeira letra da palavra “nasrani”, que significa “nazareno”. O termo era usado pejorativamente por muçulmanos na antiguidade para denominar os seguidores do Nazareno. Os militantes do Estado Islâmico usaram a letra para marcar as casas de cristãos e depois saquear, possuir ou destrui-las. (…) ‘Jesus está conosco’ foi a frase que muitos cristãos iraquianos picharam na parede de suas casas pilhadas e destruídas ao chegarem no vilarejo. E foi exatamente isto que sentimos ao andar em cada rua de Bartella, mas principalmente enquanto víamos o sonho de nosso ministério se tornar realidade. Distribuímos cestas básicas para todas as famílias que visitamos e depois de as encorajarmos, orávamos e fazíamos um convite para a realização do primeiro culto evangélico em toda a região. O que aconteceu foi incrível.”

O relato continua: “Gazuan, um iraquiano que serve conosco em tempo integral na Jordânia, cedeu sua casa no Iraque para que nós começássemos a igreja e um projeto para apoio da comunidade. Não havia energia nem água na casa, que fica localizada perto de destroços de uma explosão feita num ataque da coalizão. Esperávamos cerca de 50 pessoas, mas para nossa surpresa recebemos 110 adultos e 50 crianças. Nosso primeiro culto em Bartella já começou com 160 pessoas. Deus seja louvado!”

Ore pela família Aziz, pelo projeto na região de Mosul e por estes cristãos que retornam agora para suas casas em escombros. Para acompanhá-los, eles estão no Instagram e no Facebook.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>