// ESPECIAL VOCARE2018

Marília Manhães falando do desafio da evangelização dos surdos no Brasil, durante o Vocare2018

O Vocare 2018 está a todo vapor. Na tarde desta sexta-feira, 01/06, aconteceram mais de quarenta oficinas sobre temas diversos, uma delas foi ministrada pela missionária Marília Manhães, da Junta de Missões Nacional (JMN), cujo tema foi “Desafio da evangelização dos 9 milhões de surdos aqui no Brasil”.

Segundo a missionária, o processo de encontrar o surdo a ser evangelizado é uma dificuldade a se considerar. “Outros povos, como os índios, por exemplo, estão concentrados e é mais fácil saber onde encontrá-los. Já os surdos estão espalhados, então é preciso estar atento e procurar saber onde estão”. Mesmo depois de identificados o processo de conversão é demorado e requer preparo por parte dos ouvintes. Para que realmente haja compreensão do evangelho e conversão é necessário estudar história, língua, crença, valores, identidade e organização social.

Apesar da Língua Brasileira de Sinais (Libras) ser o segundo idioma oficial do Brasil, poucos têm interesse e conhecimento no assunto. É preciso considerar o fato preocupante de que a Bíblia em português não é de fácil compreensão para os surdos, o que torna o trabalho de tradução em Libras uma demanda ministerial.

Durante anos a língua de sinais foi proibida, na tentativa de obrigar, de alguma maneira, que o surdo falasse. Entre as décadas de 80 e 90 houve um movimento dentro das igrejas para atrair os surdos, mas os cristãos não estavam preparados ou dispostos ao discipulado a longo prazo, que demanda muito estudo. Anos mais tarde, os surdos a saíram da igreja por não entender claramente o evangelho. A partir do ano 2.000 surgiram algumas agências missionárias, como a JMN, que passaram a investir mais em evangelização e discipulado de surdos.

Marília alerta sobre erros cometidos que atrapalham o evangelismo e discipulado de surdos. “Devemos acabar como paternalismo, assistencialismo e estereótipos. O surdo tem orgulho de quem ser surdo, as pessoas precisam entender isso. A confusão de libras com mímica também é um erro”.

Muitas vezes, a comunicação na própria família do surdo é difícil, o que gera sentimento de culpa e vergonha, por isso Marília enfatiza: “Saber libras é lindo, mas precisa trazer transformação de vida para valer a pena. Os surdos não irão ouvir a mensagem do evangelho se não emprestarmos nossas mãos e sentidos para levá-los aos Senhor”.

Por Luane Souto

Edição: Phelipe Reis

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>