A missionária britânica Alison M. Worrall mora e trabalha há muitos anos no Nordeste do Brasil. Seu foco é a proteção de crianças e adolescentes em vulnerabilidade social.  Mas Alison também gosta de registrar a beleza em lugares pouco vistos. É o caso dos tesouros que estão debaixo d’água, na Baía de Maracaípe (PE).  Confira a seguir algumas fotos de Alison, que ilustram a seção “Arte e Cultura”, da revista Ultimato, e que vamos ilustrar neste mês nosso boletim Últimas. Clique no álbum para ver todas as fotos.

 

 

ENTREVISTA

Confira também a seguir a entrevista que fizemos com Alison Worrall:

***

Por que você resolveu fazer fotos sobre o que está debaixo do mar?
Não foi nada muito planejado, apenas um hobby meu. Amo o mar, desde que eu era pequena. Acabei juntando uma coleção de imagens tiradas em dias de folga quando as marés proporcionaram boas condições.  Depois reconheci que era algo importante que estava fazendo, trazendo um mundo totalmente desconhecido ao conhecimento de muitos.

Você é missionária britânica que mora há muitos anos no Brasil. O que você faz atualmente?
Sempre meu foco foi trabalhar em ministérios voltados para as crianças. Eu continuo como facilitadora da Rede Mãos Dadas na região Nordeste. Tenho um envolvimento na minha comunidade e em uma igreja local em plantação, também com foco na infância. Só recentemente comecei a trabalhar profissionalmente como fotógrafa subaquática.

Você acha que a fotografia pode ser usada como instrumento para o reino de Deus? Por quê?
Creio plenamente que todo tipo de arte é uma forma de comunicação potente que Deus pode utilizar para se revelar ao homem. Nesta área de fotografia, que traz retratos da natureza, além de apontar para um Criador maravilhoso, alerta também para a necessidade e a nossa responsibilidade de zelarmos e conservarmos os mares e tudo o que vive neles.

O que você já viu de mais surpreendente debaixo do mar?
Tive vários momentos de “tirar o fôlego” e me impressionar com tudo o que Deus criou. Muita variedade, jardins belíssimos de corais e seres coloridos. Há um mundo de micro seres dos quais adoro me aproximar e fazer descobertas. Recentemente fiz um mergulho em naufrágio e deu de cara com um Mero do tamanho de um metro! Vi também um Tubarão Mangona de dois metros que fez acelerar um pouco a minha respiração!

Que conselhos práticos você pode dar para quem também quer fazer este tipo de foto?
Antes de ser fotógrafo subaquático, precisa ser um ótimo mergulhador. Fazendo cursos de mergulho e se credenciando, você pode também fazer um curso de fotografia subaquática em algumas escolas de mergulho. Recomendo o sistema PADI. Tenho aprendido muito lendo livros, blogs e seguindo profissionais nas médias sociais e grupos de interesse.

Você mora em uma pequena comunidade praiana. Como é a sua relação com os moradores locais?
Nossa comunidade é uma mistura de pessoas de vários lugares. Os nativos hoje são a minoria lá. Temos duas áreas de alta vulnerabilidade na comunidade onde temos buscado caminhar com crianças e famílias em situação de risco e trabalhar para assegurar vários direitos básicos sendo desrespeitados. Houve momentos de ter grande fluxo de trabalhadores de outros estados da construção civil em Porto de Suape, mas com a paralização das obras do Petrobras, este público, em grande parte tem ido embora. Recentemente temos visto a chegada de grande número de argentinos buscando emprego através do turismo. Busco viver minha fé na prática de forma simples entre as pessoas, apoiar a escola local, ONG’s de conservação e desenvolver ações ao lado da Igreja pelo desenvolvimento integral da comunidade.

 

  1. Edivaldo Pereira de Assis

    Louvamos a Deus, pela Grandiosidade da Natureza e pela Beleza das suas Mãos, nos mostrando o seu Gracioso Amor.
    Aos Fotógrafos, do Mundo todo, que privilégio, receber gratuitamente das mãos do Criador, todas estas Maravilhas, a vc Alison, que trabalha salvando vidas, cumprindo o que Jesus ensinou, em Mateus, 28, 18 a seguir.
    Parabéns.
    Deus continue te Abençoando Maravilhosamente em todos seus Projetos.
    Abraços!
    Edivaldo. São Paulo.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *