Estudo ‘A Criança no Centro’ mostra que 29% das crianças entre 2 e 6 anos comem alimentos que encontram nas ruas.

A Visão Mundial divulgou esta semana uma pesquisa que mostra dados sobre crianças que vivem em situação de risco na região central de São Paulo. Confira abaixo!

Mil e oitocentas crianças e adolescentes estão espalhados pela cidade de São Paulo, 900 delas só no Centro da cidade. Os menores vivem em situação de alto risco. Pesquisa inédita feita pela Visão Mundial mostra a realidade das crianças de rua que vivem no Centro da capital paulista.
Publicado originalmente no Fantástico

Anunciamos com muita alegria a história vencedora do Primeiro Prêmio Cida Mattar! Agradecemos a participação de todos com tantas histórias lindas e abençoadoras. Se você participou, tenha a certeza que sua história será usada no futuro próximo para abençoar muitas pessoas. Aguarde o nosso contato. Um abraço especial também para a equipe examinadora que nos doou horas de trabalho com muita seriedade para chegarmos a este resultado. E por fim, parabéns Valéria e toda a sua equipe da APROSES – Centro Socioeducativo Lar do Méier (Exército de Salvação)!

Um copo de autonomia, por favor!!!

Por Valéria Regina de Oliveira Ybars

 

“- Pode chamar!!! Minha mãe não vai vir mesmo!!!”

Esta era a frase que geralmente eu escutava de Pedro, enquanto ele dava de ombros e fazia uma cara de raiva misturada com aparente tristeza, cada vez que, por alguma infração das regras de convivência, ele tinha que vir para a secretaria do projeto para uma conversa séria.

“- Pode chamar!!! Minha mãe não vai vir mesmo!!!”

Conforme se repetia essa atitude, fui percebendo que aquele garoto, assim como muitos outros da mesma idade, e na condição de irmão do meio de uma família de 8 pessoas, se sentia sem importância nenhuma, sem motivação, sem sonhos, sem desafios para atingir. Isso porque não tinha ninguém torcendo por ele, ou melhor, a pessoa que ele queria ter ao seu lado há muito tempo tinha deixado de demonstrar que o amava e que se importava. Abraço, colo, beijos…  ele já tinha perdido a noção de quanto tempo não recebia um carinho de sua mãe; ora porque ela estava ocupada cuidando dos irmãos menores; ora porque estava preocupada em “livrar a pele” de outro irmão que estava envolvido com drogas; em outros momentos porque tinha que cuidar dos netos de suas filhas maiores.

Assim Pedro ia sobrevivendo como podia. Era obrigado a não faltar a aula por causa do bolsa família e se, por um acaso, faltasse e sua mãe tomasse conhecimento o “pau” comia para valer sem antes mesmo ele explicar qualquer coisa. Os irmãos do meio também o espancavam e com a mesma violência da mãe, se não pior. Eles o agrediam com cabo de vassoura, utensílios de cozinha, qualquer coisa que estivesse ao alcance das mãos. Não precisava de um motivo para as brigas.

Nas festas de família tudo começava muito bem, mas depois de alguns engradados de cerveja, tudo sempre acabava em confusão com quebra quebra e bateção de boca. Palavrões e ofensas era o que não faltava.

Como equipe social, não podíamos contar com a mãe e víamos aquele garoto adquirindo valores negativos para sobreviver.

Em uma manhã, enquanto conversávamos, sinalizamos que iríamos chamar a sua mãe e, mais uma vez, essa sentença não teve valor algum.

O garoto dava de ombros e dizia: -tô nem aí! Como se ninguém se importasse com ele e como se não tivesse nada mais a perder na vida ou ganhar com apenas 12 anos.

Foi então que mudei o rumo de nossa conversa. Olhei nos olhos dele e disse:

–  Pedro, você é responsável por escolher quem você vai ser quando crescer!!

– É você que toma as decisões da sua vida! Só que você não vai fazer isso quando crescer, as escolhas se faz hoje.

Vamos pensar juntos:

– O que as pessoas pensam de você?

Surpreso respondeu:  – não sei Tia!

– Será que elas pensam que você é um menino do bem, confiável e que tem tudo para vencer?

– Ou será que elas já sabem que você seguirá o mesmo caminho de suas irmãs e irmãos que fazer más escolhas, depois se estressam e ficam com raiva porque nada dá certo na vida deles?

– Você não precisa ser uma “maria vai com as outras”, você não é obrigado a seguir os exemplos errados. Você tem tempo de escrever a sua própria história com final feliz, mas isso só você pode fazer por você. Não é sua mãe, porque ela não pode vir aqui. Não são seus amigos porque na hora que você se der mal, eles não vão querer te defender. É você e só você que pode tomar decisões que vão te fazer bem ou não!

Só o jeito que ele me olhou naquele dia, percebi que algumas daquelas palavras faladas amigavelmente e com carinho tinham feito algum sentido para ele.

Daquele momento em diante, esse garoto tão jovem, membro de uma grande família, mas que na verdade se sentia sozinho, passou a escolher o melhor. Nunca mais levou uma advertência, faz questão de fugir de confusões e, um ano depois, pronunciou as palavras que foram músicas para meus ouvidos:

– Aí Tia, consegue um jovem aprendiz pra mim?

Por alguns instantes um filme passou em minha mente. Lembrei de um menino agressivo, que não gostava de abraço e nem beijo, que não sabia receber elogio, que queria resolver tudo na “pancadaria”, que era de mal com a vida… Agora o via transformado em um adolescente educado, controlado, cheio de sonhos, que abraça, que beija, que brinca, que sorri. E quando quer alguma coisa de alguma tia, faz manhã e elogios. Aprendeu a ouvir e a falar a linguagem do amor. Acredito que percebeu que a vida também pode ser bonita.

Entender que ele podia ter autonomia significou SACIAR a SUA SEDE DE simplesmente EXISTIR, SER ALGUÉM…

 

Abaixo estão os 10 primeiros classificados no Prêmio Cida Mattar

Nome do Candidato Organização pertecente Título da História Corretor 1 Corretor 2 Corretor 3 Total de pontos (pontuação máxima 105 pontos)
Valéria Regina de Oliveira Ybars Exército de Salvação – APROSES Um copo de autonomia, por favor!!! 35 32 35 102
Luana Souza Santos Assoc. Vale da Bênção (AEBVB) Acreditar Em Si Mesmo 30 33 35 98
Rogério Santos Souza CADI Sonhos meus… 35 32 29 96
Rosenilda Rocha O. Leite Assoc. Vale da Bênção (AEBVB) Conselhos de um Pai 27 31 32 90
Raiany Cristina Bem Estar do Menor (BEM) Somos chamados para amar 32 30 26 88
Raynielle Veronica Exército de Salvação – APROSES Somos instrumentos sociais para transformar vidas, inclusive a nossa 29 33 23 85
Geane G. Fernandes Mira APEC A importância da fé para os propósitos de Deus 25 28 31 84
Cheila Lira Lima de Molina Convenção Batista do Rio de Janeiro Olhos que falam 33 28 21 82
Simone Costa Assoc. Vale da Bênção (AEBVB) Cidade de reciclagem 31 27 24 82
Jaqueline da Silva Kunrath Rebusca A morte do pintinho 29 28 24 81

Se você participou do Prêmio Cida Mattar e não encontrou seu nome na lista de classificados, solicite a lista completa de classicados pelo e-mail: cartas@maosdadas.org ou pelo whatsapp (31) 98032-8595

O programa CLAVES da Associação Civil Juventud para Cristo no Uruguai em parceria com o Claves Brasil, tem o prazer de apresentar o curso de Formação de Capacitadores/as na metodologia “Brincando nos Fortalecemos: para enfrentar situações difíceis” de prevenção das violências sexuais contra crianças e adolescentes e promoção de fatores de fortalecimento.

O curso será oferecido na modalidade semi-presencial, e busca potencializar e enriquecer o trabalho de igrejas, organizações sociais e de pessoas comprometidas com a promoção do direito das crianças e adolescentes a uma vida sem violência, e em especial sem violência sexual.

Os/as alunos/as que completarem satisfatoriamente a formação, poderão capacitar educadores/as e outros profissionais que trabalham com crianças e adolescentes para implementar uma estratégia específica de prevenção às violências sexuais através de oficinas lúdicas e participativas com seu público alvo, denominada “Brincando nos fortalecemos para enfrentar situações difíceis”, além de elaborar outras estratégias de prevenção através da promoção de fatores de fortalecimento.

 

Perfil dos alunos e alunas:

  • Afinidade com o marco referencial do Claves.
  • Formação universitária ou técnica, preferencialmente nas áreas de educação, saúde, assistência e desenvolvimento social.
  • Preferencialmente ter participado do Curso Básico “Brincando nos fortalecemos para enfrentar situações difíceis” e ter aplicado oficinas com crianças e adolescentes.
  • Apoio institucional para ministrar a capacitação para educadores posteriormente.
  • Experiência em educação com adultos, adolescentes e crianças.
  • Acesso à Internet.
  • Disponibilidade para participar do curso presencial durante 5 dias consecutivos em Recife/PE.
  • Disponibilidade de 10 horas semanais de dedicação durante a formação a distância.
  • Compromisso pessoal e/ou institucional de cobrir os custos do curso. Existe um fundo de bolsas parciais que serão concedidas segundo estudo de casos particulares.

 

Processo Seletivo:
Prazo: 31 de Dezembro de 2017
Inscrições e solicitações bolsas: Formulário online  (AQUI!)
Entrevista virtual (a ser agendada)

 

Para mais informações sobre investimento e cronograma do curso, veja os anexos abaixo:
Parte 1 – Apresentação do Curso: Clique aqui
Parte 2 – Projeto pedagógico do curso: Clique aqui

 

Claves Brasil
Site: www.clavesbrasil.org
Email: contato@clavesbrasil.org

Miqueias Jovem, movimento integrado por jovens cristãos/ãs da América Latina e Caribe, junto com Miqueias América Latina, Paz y Esperanza, Comunidad y Cambio, o Movimento com a Infância e a Juventude, Visão Mundial, Bíblica Virtual, a Fraternidade Teológica Latino-americana, Mocidade para Cristo Uruguai, Tearfund, Los Dioses están locos, GEMRIP, ALC Notícias, Plataforma Intersecções e a Red Universitaria, lançam a campanha “Jovens de fé pela não violência” que se desenvolverá de 20 de novembro a 10 de dezembro de 2017, no marco do Dia Mundial da Infância (20/11), do Dia Internacional para Erradicar a Violência contra as Mulheres (25/11) e o Dia dos Direitos Humanos (10/12).

 

O objetivo é denunciar os diferentes tipos de violência, em especial a violência de gênero, cometidas contra as crianças e jovens nos círculos de fé e na sociedade, e ao mesmo tempo anunciar as alternativas e caminhos de esperança propostos pelo evangelho libertador de Jesus Cristo.

Esta campanha usará as hashtags #JovensDenunciandoeAnunciando e #FéPelaNãoViolência juntando-se aos já existentes como #NemUmaMenos #VivasNosQueremos e outras. Os vídeos e gráficos que mostrarão as “más notícias” e as “boas notícias” em relação à violência e as alternativas para enfrentá-la derivam-se das experiências (passadas e atuais) pessoais e/ou observadas pelos/as integrantes de Miqueias Jovem, outras/os jovens da região e representantes das organizações que respaldam a iniciativa. Também se realizará um fórum virtual (webinar) de livre acesso durante a primeira semana de dezembro no qual se abordarão diferentes temáticas sobre abuso espiritual, violências contra crianças e adolescentes e boas práticas.

Os conteúdos serão divulgados pelas plataformas sociais das redes aliadas e estarão disponíveis no YouTube (vídeos) e no seguinte link do Google Drive: https://drive.google.com/open?id=1DqAXKg2AXkib7-uFIbD3hh-6Ks7U3wFn  Agradecemos aos que se unirem à campanha e compartilharem os conteúdos, e em especial, denunciarem os diferentes tipos de violência, e anunciarem as boas práticas, através de suas redes sociais. Se você deseja enviar um vídeo, envie a miqueasjoven@gmail.com

Junte-se às vozes de jovens de fé pela não violência!
———-
Miqueias Jovem é um movimento formado por jovens cristãos/ãs da região latino-americana e caribenha, que busca promover a participação e protagonismo das juventudes cristãs que encarnam as boas notícias diante das realidades e desafios atuais. É uma iniciativa que surge em Siguatepeque, Honduras, em setembro de 2016.

Por Alisson Medeiros

A Semana Nacional de Oração pelos Quilombolas (20 à 26 de novembro) é uma iniciativa da Aliança Evangélica Pró-Quilombolas do Brasil e tem por objetivo mobilizar através da oração crentes e igrejas locais em favor dos quilombolas.

Os quilombolas estão entre os grupos menos alcançados do Brasil. Estima-se que 2 mil comunidades não contam com nenhuma igreja ou crente entre elas para lhes anunciar as Boas Novas do Evangelho.

Diante disso encorajamos você e sua igreja para clamarem a Deus nesses dias: “Concede Senhor morada no céu e na terra aos quilombolas do Brasil”.

O depoimento de Anchieta, um líder quilombola do sertão pernambucano, testemunha o valor da oração:

“Eu sou fruto de oração, que as pessoas oraram por mim. Eu não conhecia o Evangelho. Através das orações a Palavra do Senhor chegou ao nosso quilombo. E eu sou convertido, lavado e remido no sangue do Cordeiro”

Então, queridos, vamos juntos clamar a Deus pelos quilombolas do Brasil.

Baixe o Guia de Oração 2017 e veja mais detalhes sobre os registros quilombolas no Brasil (AQUI!)

A Assessoria de Segurança Institucional do Ministério Público do Estado do Paraná desenvolveu e disponibilizou uma série de cartilhas que ajudam na prevenção da pedofilia.

Este assunto assusta à todos nós, principalmente para quem tem filhos. Pensar que alguém pode de alguma forma abusar de qualquer criança ou adolescente que conhecemos, nos causa angústia e medo. Sabemos que o abuso pode acontecer de várias formas, fisicamente ou psicologicamente, pelo celular, computador, pornografia e qualquer outro meio digital.

Normalmente o abusador em questão, é uma pessoa do convívio da família e da criança. Este possui acesso livre as nossas casas e a nossa confiança. De acordo com a polícia, o pedófilo sempre age com cautela e analisa toda a rotina da criança e também o seu perfil de comportamento, tentando prevenir que seja descoberto por alguém próximo.

Apesar de ser um assunto tão terrível, sempre nos deparamos volta e meia com mais histórias de crianças e adolescentes que foram abusadas. Por isso é tão importante que fiquemos atentos a quaisquer tipo de mudança no comportamento, mostrando interesse em ouvir sobre seu dia, de forma que ela se sinta protegida e acolhida. E com a tecnologia escorrendo pelos nossos dedos, devemos redobrar a atenção com as crianças que fazem o uso da internet.

Por isso, as cartilhas desenvolvidas propõe uma abordagem de prevenção com as crianças, com os pais e também com a polícia local.

Os exemplares podem ser baixos abaixo:

Para baixar o PDF “Segurança contra a pedofilia – Orientações às crianças”, (clique aqui!)

Para baixar o PDF “Segurança contra a pedofilia – Orientações aos pais”, (clique aqui!)

Para baixar o PDF “Segurança contra a pedofilia – Orientações à polícia”, (clique aqui!)

A Rede Mãos Dadas prorrogou até o dia 05 de novembro as inscrições para o Prêmio Cida Mattar: Para Educadores Sociais e Mentores Cristãos de Crianças e Adolescente. Veja abaixo como participar, não fique de fora!

Baixe o material de apresentação (clique aqui!)
Próximos Passos: leia o Regulamento e faça sua inscrição!

Clique aqui e faça sua inscrição

Lançamos o Prêmio com o objetivo de reconhecer o trabalho e esforço das pessoas que já ministram o amor de Jesus às crianças e adolescentes em todos os cantos do país. Para isto, convocamos você a participar enviando para nós uma História para Quem Gosta de Crianças. O Prêmio Cida Mattar é a nossa forma de dizer: “Continue firme, estamos com você nesta luta”!

Por que Cida Mattar? Cida foi uma colega na luta por vida plena para todas as crianças. Ela é uma das fundadoras da Rede Mãos Dadas. Seus dias conosco foram dedicados à causa das crianças e adolescentes de forma integral trabalhando incansavelmente em muitas frentes. Tinha uma grande preocupação com a formação dos educadores sociais e mentores das crianças e não media esforços no sentido de capacitar o cristão para “toda boa obra”. Ela nos deixou de forma repentina no dia 23 de janeiro de 2014. Sua vida e ministério nos inspiram à caminhar de mãos dadas com Deus, de um lado, e segurando a mão da criança do outro.

Quem pode participar do Prêmio Cida Mattar para Educadores Sociais e Mentores Cristãos de Crianças e Adolescentes? Esta primeira edição do Prêmio está restrita a educadores sociais e mentores cristãos que têm vínculo com a Rede Mãos Dadas. A organização ou igreja na qual o educador ou mentor atua precisa ser parceira da Rede Mãos Dadas ou ligada a uma organização guarda-chuva que mantem parceria com a Rede Mãos Dadas. Veja regulamento para obter uma lista destas organizações.

 

Por que escolhemos a história como forma de participação? Toda pessoa tem muitas histórias que merecem ser contadas e pelo menos uma digna de ser publicada para um alcance maior. Histórias são o meio principal de aprendizado para todos nós e em especial para as crianças. As histórias permitem ao ouvinte “andar nos sapatos” do outro, ver situações por uma outra perspectiva, sentir a responsabilidade de escolher caminhos, explorar valores e dilemas éticos, etc. Recentemente, alguns teóricos resolveram estudar o ato milenar de se contar histórias. Veja o que um deles diz: “Contar histórias é algo tão básico para os seres humanos como o ato de comer. De fato, pode ser até mais básico, porque, enquanto a comida nos mantém vivos, as histórias nos dão razão para continuarmos a existir”. (On Stories, Richard Kearney)

 

PREMIAÇÃO

Art. 12º – Serão três prêmios assim distribuídos:
– Para o educador social ou mentor cristão de crianças e adolescentes: 01 smartphone Sansung Galaxy J7, cor preta.

– Para a organização na qual o mentor ou educador realiza seu trabalho: Datashow, RAGU Z400, projetor de multimídia LED.

– Para um grupo de crianças ou adolescentes ligados ao mentor ou educador: 01pulseira de borracha personalizada para cada aluno com os dizeres: “Sou Protagonista”. (Pacote com 20 pulseiras).

 

Baixe o material de apresentação (clique aqui!)
Próximos Passos: leia o Regulamento e faça sua inscrição!

Elas o seguem, porque conhecem a sua voz. (…)

OBJETIVO PRINCIPAL DESTA DINÂMICA

  1. Levar as crianças a revelar para o restante da igreja, o que elas acham mais importante na vida.
  2. Levar os jovens e adultos da igreja a valorizar a opinião das crianças.

TEMPO NECESSÁRIO

  1. Tempo para a dinâmica propriamente dita (60 min).
  2. Tempo para tabular os resultados e inserir estes resultados no Power Point (30 min).
  3. Tempo para apresentar os resultados para os adultos em uma reunião congregacional como o culto ou fechamento de escola dominical (10 min).

RECURSOS NECESSÁRIOS

  • Impressão dos recursos didáticos contidos neste guia.
    – Figuras de carneiros, ovelhas e cordeiros (sugestões na Página 11).
    – Cartas para a dinâmica, de acordo com a idade das crianças (JOGO I: 6 a 8 anos – páginas 10 e 11 ou JOGO II: a partir de 9 anos – páginas 14 e 15). Observação: para que o jogo seja mais ágil, recomendamos que seja organizado um jogo de cartas para cada 4 ou 5 crianças.
  • Serão montadas previamente dois vidros, um contendo areia e outro capim (veja imagens na página 12). Eles serão usadas para as crianças depositarem as respostas da dinâmica.
  • Quadradinhos de papel em duas cores: verde e branco – neles as crianças escreverão as respostas da dinâmica (prepare 5 quadradinhos de cada cor para cada criança).
  • Vários lápis ou canetas
  •  Vídeo: Este poderá ser usado na própria dinâmica com as crianças e depois na apresentação dos resultados para toda a igreja. Esta última etapa é essencial nesta dinâmica para que as crianças se sintam valorizadas pelos adultos.

Continue lendo →

Elsie B. C. Gilbert

Vinte e sete por cento das pessoas que frequentam as igrejas evangélicas no Brasil tem menos de 14 anos. Ou seja, um pouco mais que um em quatro evangélicos são crianças e adolescentes! Esta criança ou adolescente que está entre nós é percebida por nós? A ela é dada a oportunidade de participar na igreja de forma relevante, como Deus quer? Tratamos as crianças em nossas igrejas como Jesus as tratou? E uma última pergunta ainda mais perturbadora: a criança encontra entre nós um espaço de cura para as feridas do coração e da alma?

Em novembro do ano passado, representantes de nove organizações, todas ligadas à Rede Mãos Dadas, se encontraram em Curitiba para desenhar a 4ª CAMPANHA IGREJA AMIGA DA CRIANÇA. O objetivo da campanha é ajudar as igrejas locais a perceberem a criança como ser pertencente, atuante e importante no reino de Deus. Não pelo que ela representa para o futuro, embora isto também seja relevante, mas pelos seus dons espirituais e contribuição presentes! Deus não esperou Samuel se tornar um adulto para envolvê-lo numa tarefa difícil. Nem tampouco Miriã se tornou proativa e líder ao completar 18 anos! Continue lendo →

“Não as empeçais de vir a mim”.

Por Marcos Costa

História de esperança, desta vez, veio da zona leste de São Paulo. Era um culto de domingo, aniversário de 36 anos da igreja do bairro. Louvor “bombando”, pregador de fora e tudo muito bonito.

O preletor da noite prega, faz um desafio para igreja, até que no final ele pergunta:
– Tem alguém aqui que quer entregar sua vida para Jesus?
Um silêncio paira pela igreja e seus corredores. Só fica o eco da voz do pastor e o fundo musical tocado por mãos no piano.

De repente, o silêncio é quebrado e duas mãozinhas erguem-se dos bancos. Eram dois meninos, um negro e outro branco, aparentemente com idade entre quatro e seis anos.

Os dois queriam entregar sua vida para Jesus!

Acredito que de imediato o Espírito Santo deve ter soprado no ouvido do pastor:

– “Não as empeçais de vir a mim”.

O pastor, com muito respeito e a maior normalidade, convidou as duas pessoas crianças que viessem até a frente. Não ficou insistindo para que algum adulto levantasse para validar seu apelo. Talvez porque ele tenha entendido que estas duas pessoas crianças decidiram entregar sua infância para Jesus, isto é, era tudo que elas tinham: sua infância que passa tão rápido e não volta nunca mais. Continue lendo →