Crianças na Escola Pastor Frank Dyer

Crianças na Escola Pastor Frank Dyer

Localizada na Rua Dinamérico Palmeira, Bairro Jatobá, a Escola Municipal Pastor Frank Dyer, administrada por membros da Igreja Ação Evangélica (ACEV), em parceria com a Secretaria de Educação do Município de Patos, conseguiu se destacar em toda a Paraíba, pois alcançou o 1º lugar em Patos e o 2º no Estado no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) com testes aplicados pelo Ministério da Educação.

A pequena escola tem 26 anos de funcionamento e pouco mais de 150 estudantes matriculados do 1º ao 5º ano do ensino fundamental 1. A escola foi fundada com o intuito de ser um local de apoio no reforço escolar de crianças carentes. O seu patrono e hoje homenageado, Pastor Frank Dyer, viu o progresso através de uma nova visão em educação que se transformou na escola.

Em 1993, a escola começou uma parceria com a Prefeitura Municipal de Patos, através do prefeito Ivânio Ramalho. Essa parceria dura até os dias atuais. Mas a grande questão é: Qual o segredo de uma escola tão pequena alcançar os maiores índices de qualidade educacional?

A reportagem foi em busca do segredo conversando com a diretora Gerlânia Carneiro. Quando se achava que a “mágica” para se alcançar um índice tão almejado entre as escolas era algo quase impossível, veio à surpresa: diálogo, carinho, gestos de compreensão, equipe irmanada no propósito de educar, coleguismo, paciência e amor pelas crianças-estudantes. Claro que esses fatores fazem parte de um todo que é o “Ação Educar” que foi desenvolvido com a intenção de se ter um cuidado melhor com os estudantes considerados com rendimento baixo, dentre outras particularidades detectadas na convivência do dia a dia.

“O segredo maior é fazer o que é de obrigação de uma escola. É trabalhar de maneira integrada, respeitando, entendendo que a criança não é o cidadão do futuro, ela é o cidadão hoje. Tudo que fazemos dentro da escola fazemos com esse intuito de incumbir nessa criança o desejo de que ela entenda que ela hoje é responsável pelos atos que ela tem. Não para responder judicialmente, mas para conscientizar-se do que o que ela está fazendo é certo ou errado. E que de uma maneira com nossa ajuda, nossa intervenção e a nossa orientação, ela possa fazer de maneira melhor”, relata Gerlânia.

Gerlânia Carneiro ainda relata: “Uma das determinações que a ACEV teve junto a gestão municipal era que na direção da escola tivessem pessoas ligadas à ACEV. Uma parceria não pode haver se as duas partes não estiverem trabalhando juntas. A visão da ACEV era continuar no bairro, fazer uma escola onde a comunidade estivesse satisfeita com a escola, onde os professores quisessem fazer um trabalho diferenciado”, continua Gerlânia.

Todos os anos, mais e mais famílias procuram vagas na Escola Frank Dyer. O problema é espaço para que a escola possa crescer, pois todos os terrenos em volta do prédio pertencem ao empresário Dr. Valcelon Carvalho que, de acordo com informações, não vende e nem negocia espaços para que a comunidade possa criar mais salas de aulas e locais para atender a demanda.

 

Texto: Jozivan Antero (Patosonline.com)

 

 

  1. Angelo André Couto de Oliveira

    A ACEV tem se destacado no que tange ação social. Tenho convivido como pastor dessa igreja por treze (13) anos, e por isso sou testemunhar ocular do profícuo trabalho da nossa denominação.
    Estamos fazendo por onde mitigar, no que for possível a carência dos que mais precisam. A ACEV senotabiliza forma altaneira como uma igreja que de fato tem um propósito em servir. Estamos todos de parabéns por essa conquista.

  2. Silvânia Gonçalves

    Parabenizo a ACEV pelo investimento e pelo sucesso.
    Ação Evangélica pregando e vivendo o evangelho de Jesus Cristo dentro e fora das igrejas.
    Honra e glória seja dada a Deus.

  3. Gostaria de ter em mãos (o que tenho não confirma a informação do artigo) o dado oficial sobre o lugar da escola.

  4. Fiquei surpreso com o questionamento de Eduardo sobre a veracidade desta reportagem. Tenho em mãos o ofício da Câmara Municipal de Patos (PB) com o Voto de Aplausos dela no dia 09/09/2014.

  5. Diante do questionamento de Eduardo eu tenho cobrado da Câmara do Vereadores de Patos provas da veracidade daquilo que eles divulgaram e nos informaram. Nós não fomos atrás de nada disso, mas fomos surpreendidos pelo voto de aplausos. Só que até agora recebemos nada dos vereadores e nem da secretaria de educação com quem falei também. Entretanto já vimos no Jornal da Paraíba que a história é equivocada porque escolas nos municípios de Boa Vista (6,6), Várzea (6,5) e Pombal (6,0) tiraram os primeiros 3 lugares acima da nossa 5,9. Mas não sabemos se há outras escolas acima ou igual à nossa escola e estamos cobrando isso das autoridades. Informarei logo que tenho documento do MEC em mãos.

  6. A Câmara Municipal não é a fonte.
    Se repassaram, deveriam ter apensado a fonte de onde tiraram os dados.

    Suspeito (desconfio) que vocês não vão receber a informação da Prefeitura. A fonte é outra. Eis aqui uma para começar: http://educacao.uol.com.br/noticias/2012/08/15/veja-quais-sao-as-melhores-escolas-publicas-da-paraiba-segundo-o-ideb-2011.htm

    Depois tente o IDEB, como informei anteriormente.

    Atenção: não estou querendo criar confusão. Alguns vão ler isso na minha indagação. É que ULTIMATO tem por hábito publicar dados sem checar as fontes. Repassam do jeito que recebem.

    Se for a melhor escola, então, parabéns, claro!

  7. O jornalista Jozivan, que é militante do Partido Comunista Revolucionário, PCR e filiado atuante no Partido Socialista Brasileiro, PSB, publicou também a informação http://www.patosonline.com/post.php?codigo=42758

    Segundo o artigo, a escola teria conseguido o primeiro lugar em Patos e o segundo em toda a Paraíba.

    Duas observações:
    1. Por que a própria escola não veio a público alardear com segurança, presteza e justiça tal prêmio honroso que lança esta instituição na lista daquelas que se esforçam para produzir o melhor?

    2. Qual a razão da menção ao último parágrafo, “Todos os anos, mais e mais famílias procuram vagas na Escola Frank Dyer. O problema é espaço para que a escola possa crescer, pois todos os terrenos em volta do prédio pertencem ao empresário [e médico oftalmologista] Dr. Valcelon [S.] Carvalho que, de acordo com informações, não vende e nem negocia espaços para que a comunidade possa criar mais salas de aulas e locais para atender a demanda.”

    3. Localizada na Rua Dinamérico Palmeira, Bairro Jatobá, a Escola — particular, com apoio da prefeitura local? — Municipal Pastor Frank Dyer, é administrada pela ACEV , em parceria com a Secretaria de Educação do Município de Patos, PB de 1993.

    Pois é, meu caro Medcraft, o Dr. Valcelon pode muito bem, via NOTIFICAÇÃO EXTRAJUDICIAL, exigir explicações não do jornalista, mas da escola, que fez publicou uma informação em jornal online de abrangência nacional — compra e venda de imóveis — que nada tem a ver com a Escola Frank Dyer ocupando ou não o primeiro lugar na área educacional.

    Os senhores fariam muito bem em não duplicar essa informação aqui em ULTIMATO. Ela nada tem a ver com o objetivo do prêmio, e faz menção a um aspecto lamentável (compre e venda de imóveis).

  8. Bom Eduardo,

    Você sabe quem eu sou, mas quem é você? Antes de mais, nada seria interessante saber isso.

    Eu só vou comentar que os dados que você cita no comentário #8 são do ano de 2011 que tem nada haver.

    Se você permanecer no anonimato não vou responder mais nada.

    Pr. John Medcraft
    Presidente da ACEV

  9. Meu caro Medcraft,
    Também não o conheço, muito embora é possível acessar informações sobre a sua pessoa e seu trabalho na ACEV. Estão de parabéns!

    Meu nome é Eduardo Velasco, moro em Natal e sou advogado. Casado, pai de quatro filhos, tenho cinco netos. Mineiro, estou no Nordeste coisa de 14 anos e vez por outra vou à Paraíba. Mês passado estive em João Pessoa em visita a alguns amigos de minha esposa. É uma bela cidade, bem organizada e dinâmica. Aliás, quando tenho problemas com meu Mac é aí que recorro. Pessoal gentil e acolhedor.

    Sou leitor de ULTIMATO quando a publicação tinha seus 8 anos de idade, e com certa regularidade leio e comento o que se publica na revista online. Tem lá um cantinho para ‘comentários’. Uso-o.

    Ora elogio, ora critico, e vez por outro farejo inconsistências editoriais e faço minha contribuição. Evangélicos em geral não são muito afeitos a críticas. Não é o seu caso, evidentemente.

    Quanto ao texto onde comentei, achei curioso o título porquanto a informação não ‘batia’ com os dados que eu tinha. Pode até ter ‘batido’ com os ‘fatos’, isto é, a escola ser muito boa e espero que assim seja.

    Comentei também a questão postada sobre terrenos, porquanto sou advogado e achei a informação despropositada. E até lembrei que poderia ocorrer a possibilidade de uma interpelação. Imagino que você seja pastor, não advogado.

    Daí a minha lembrança de que se o proprietário lesse, pode até ser um cidadão de coração bom que não desse a menor bola. Esse foi o intuito da sugestão.

    Fiquemos assim: satisfeito com a informação de meu nome, penso que atendi seu pedido.

    Não há necessidade de comentar em resposta a este postado. Paremos por aqui.

    Meu cordial abraço e sucesso a você, extensivo à ACEV.

    Eduardo

    PS. O IDEB não publica dados todos os anos. O de 2011 era o último que tinha à mão, mas recomendei-o a você como pesquisa inicial. Seguia outros.

  10. Obrigado Eduardo Velasco pela sua resposta.

    Continuo tentando desvendar a resposta sobre esta questão e não consegui ainda. Os resultados do IDEB 2013 não foram postos na internet ainda.

    Eu já falei diversas vezes com o Vereador Maurício Alves que é colega seu de advocacia e quem foi o autor do voto de aplausos que começou tudo isso. Ele me promete uma resposta com provas documentais e isso aguardo. Já falei com a Secretária de Educação que promete a mesma coisa. Faço questão de descobrir a verdade e postá-la aqui.

    Abraço – Pr. John Medcraft

  11. “Os resultados do IDEB 2013 não foram postos na internet ainda.”

    Eu sabia. O último foi 2011. Como eles aparecem de dois em dois anos, e o de 2013 não apareceu ainda, acho que vai ficar para 2014.

    O problema, segundo fiquei sabendo, é que o IDEB foi uma tragédia. Com raríssimas exceções, o resultado ficou abaixo do mínimo.

    Cordialmente,
    Eduardo

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.