O Dia Internacional da Síndrome de Down (DISD) é observado em 21 de março de cada ano.

O Dia Internacional foi criado pela Síndrome de Down Internacional (Down Syndrome International) e seu reconhecimento oficial pela ONU, Organização das Nações Unidas, foi proposto pelo Brasil.

Neste dia, pessoas com síndrome de Down e aqueles que vivem e trabalham com elas em todo o mundo organizam e participam de atividades e eventos para aumentar a conscientização pública e criar uma voz global única para defender os direitos, inclusão e bem-estar das pessoas com  síndrome de Down. Saiba mais!

A Down Syndrome International anunciou o tema para esse ano:

NÓS DECIDIMOS – Garantindo que todas as pessoas com síndrome de Down possam participar plenamente da tomada de decisões sobre assuntos relacionados ou que afetem suas vidas. Veja mais!

 

Fizemos uma entrevista com a Maria Regina, mãe do Estêvão. Confira abaixo:

 

Estêvão, 17 anos

Estêvão, 17 anos

1) Como ter um filho com síndrome de Down mudou a sua vida?

Meu nome é Maria Regina Araújo Gomes, sou professora, e ausentei das atividades acadêmicas por três anos para cuidar do meu filho Estêvão Gomes Alvarenga. Optei por lecionar aulas em universidades particulares, por meio período, para poder me dedicar ao ensino e cuidados gerais do meu filho. 

Resumindo, eu abdiquei de minha vida profissional para que pudesse cuidar dele. Porém, não foi um desperdício, pois aprendi como lidar com crianças especiais, além de exercitar a paciência, porque para lidar com eles é necessário grande esforço, responsabilidade e amor. 

Também me trouxe amizades com mães que passavam pela mesma situação, visto que se não fosse por meu filho jamais as teria conhecido. 

 

2) Qual a contribuição das pessoas com síndrome de Down para a sociedade?

Eles conseguem aprender quase tudo, mas requerem um tempo maior para assimilar. Assim que aprendem eles podem ser inseridos no mercado de trabalho.

No geral eles são metódicos, têm amor pelas artes e são extremamente cativantes. Onde passam, espalham amor.  

 

3) O que você diria para uma mãe que acabou de descobrir que terá um filho com síndrome de Down?

 Eu diria para ela que será o melhor presente do mundo, pois eles são seres iluminados e nos ensinam o real sentido da vida. 

Observo que as mães ficam muito ansiosas para saber se o (a) filho(a) vai andar, falar, aprender a ler, escrever e outras coisas. Porém, em minha percepção cada um se desenvolverá de acordo com sua habilidade e um tempo próprio. Para compensar o grau de dificuldade da criança, é necessário muita dedicação, esforço e o tempo dedicado a ela.

Meu filho, por exemplo, passou por atividades físicas, artísticas e educacionais, para que ele pudesse ter suas habilidades desenvolvidas. Criei meu próprio método de alfabetização, a fim de explorar suas habilidades na escrita e leitura e evitar as comuns dificuldades enfrentadas ao se usar o método tradicional na alfabetização especial.

O mais importante é o estímulo e confiar que eles são capazes. 

Hoje meu filho está com 17 anos e é uma pessoa super desenvolvida e sociável. Sua fala é muito boa e têm um vocabulário muito rico. Tudo isso é fruto de muito estímulo, dedicação e amor. No momento, ele faz natação, teclado, pintura e inglês. 

______________________________________________________________________________________________________________

Maria Regina é mãe do Estêvão (17) e André (14), casada com Elson e professora do Centro Universitário de Viçosa (Univiçosa).

 

Para mais informações a respeito do método de alfabetização desenvolvido por Maria Regina, entre em contato conosco. Clique aqui!

 

 

 

  1. Sou testemunha de qual integrado o Estevão é na sociedade. Ele é um rapaz inteligente, sensível, comunicativo. A família veio passar um ano em Minnesota, onde os conheci, e rapidamente o Estevão nos conquistou e deixou muita saudade, inclusive na escola que frequentou. Parabéns, Maria Regina e Elcio, toda a dedicação trouxe e traz grande sucesso. Exemplo a ser seguido!!!!!!

    • Oi Annelise! Que alegria ver seu comentário e que grande contribuição nos deu! Agradecemos de coração. O Estêvão é tudo isso mesmo. Maria Regina e sua família são um grande exemplo para todos nós. Nosso blog ficou mais rico com essa entrevista. Volte sempre para explorar nosso conteúdo! Forte abraço!

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.