Justiça e consumo: as posses não representam poder

Série “Viva com Justiça” | Estudo 6

“O testemunho da simplicidade está profundamente enraizado na tradição bíblica e mais perfeitamente exemplificado na vida de Jesus Cristo.”

– Richard J. Foster

“Quando nos damos conta de que as pessoas que fabricam as coisas que consumimos têm esperanças, sonhos e personalidades, não conseguimos parar de nos preocuparmos se elas ganham um salário digno, que lhes permita alcançar esses sonhos.”

– Kelsey Timmerman

Texto base: Jeremias 22:13-17

 

Perguntas para discussão

  1. Quais situações ou atos específicos de injustiça são encontrados nesta passagem?
  2. Façam uma comparação entre os dois tipos mencionados nesta passagem do livro de Jeremias. Qual era o problema da riqueza do filho?
  3. Você sabe quem/o que sustenta o seu estilo de vida? Compartilhe um exemplo com o grupo sobre como você procura buscar justiça por meio do seu consumo.
  4. O que Deus está lhe dizendo, e como você vai responder?

Trabalho em grupo

Uma maneira de garantir que o nosso consumo não contribua para o sofrimento dos outros é a seguinte: diminuir a quantidade de bens e produtos que compramos, reutilizar os bens e produtos que pudermos por meio de reparos e do reaproveitamento e reciclar os bens e produtos que não pudermos reutilizar. Ao fazer isso, diminuímos o desperdício e a demanda por bens e produtos baratos e injustamente produzidos, e também resistimos a cultura predominante que coloca muito valor nas coisas materiais como fonte de satisfação. Alguns de nós vivem dessa maneira por escolha, e outros fazem isso por necessidade econômica. Agora é a sua chance de compartilhar ideias criativas com o seu grupo! De que forma vocês e as suas famílias reutilizaram ou reciclaram bens e produtos e, dessa forma, diminuíram o consumo?

Trabalho individual

Pesquise um produto que você compre com frequência. Descubra como o fabricante trata os seus funcionários. Tente pesquisar a cadeia de suprimentos: como são tratados aqueles que fizeram ou cultivaram o produto?

  • Isso influencia o seu desejo de continuar comprando bens e produtos desta empresa? Você poderia comprar de empresas mais comprometidas com a justiça? Venha preparado(a) para compartilhar as suas constatações com o grupo.
  • Acrescente um item ligado a “consumo” ao seu plano de ação. Certifique-se de que seja algo específico. Como você pode viver de uma forma mais simples? Como você pode comprar bens e produtos de uma forma mais ética? Talvez você possa comprometer-se a comprar de uma empresa local que você sabe que trata bem seus funcionários. Talvez você possa comprometer-se a comprar apenas café comercializado de forma justa ou roupas usadas. Escolha algo que você possa colocar em prática e com o qual possa comprometer-se em longo prazo!
  • Continue trabalhando em sua expressão criativa e identifique uma pessoa com quem você possa compartilhar seus pensamentos, ideias e até mesmo o seu projeto, para receber comentários e sugestões e ajudá-lo(a) a criar de uma forma coerente.

Oração

Senhor, perdoa-me pelas vezes em que consumo bens e produtos de forma egoísta ou imprudente, sem considerar o meu impacto sobre os outros. Ajuda-me a estar ciente de como consumo diariamente e de como posso promover o florescimento de outras pessoas por meio das minhas escolhas. Ajuda-me a viver de uma forma justa em relação ao consumo; não como um fariseu que procura manter as leis da “justiça”, mas sim como um ato de adoração a ti. 


PARA SABER MAIS

 

Definições

Comércio justo: Um sistema de compra e venda de bens e produtos que garante mais justiça e equidade no comércio. Os agricultores e trabalhadores obtém preços melhores e ganham salários melhores, gozam de condições de trabalho decentes e de termos de comércio mais justos. 

Cooperativa: Uma propriedade rural, um negócio ou qualquer outra organização que pertença e seja gerida conjuntamente pelos seus membros, os quais compartilham os lucros ou benefícios. As cooperativas baseiam-se nos valores de autoajuda, autor responsabilidade, democracia, igualdade, equidade e solidariedade. Simplicidade: Cultivar um estilo de vida modesto em relação ao consumo. Quando escolhemos viver de uma forma simples, consumimos menos, o que, por sua vez, ajuda a diminuir a demanda por bens e produtos produzidos de forma barata e, muitas vezes, injustamente. 


O Valor do Algodão

Por Rachel Dixon

Makandianfing Keita¹ é um agricultor de algodão do Mali. Antes de fazer parte de uma cooperativa, a família dele lutava para sobreviver porque os preços do algodão haviam baixado tanto que acabaram ficando inferiores ao custo de produção. Por causa disso, a comunidade enfrentou dificuldades:

  • As crianças tinham de caminhar 10 km para ir à escola, fazendo com que isso fosse impraticável para muitas delas.
  • As mulheres grávidas não tinham acesso a quaisquer serviços de saúde. Muitas delas morriam durante o parto e os índices de mortalidade infantil eram altos.
  • O meio ambiente era frequentemente degradado pelo uso de pesticidas perigosos, por queimadas e pela erosão do solo.

Em 2005, os agricultores do vilarejo passaram a fazer parte de uma cooperativa de algodão. Isso significa que o algodão produzido por eles passou a ser comprado a preços de comércio justo, os quais eram significativamente mais altos do que os preços artificialmente baixos do mercado e que, juntos, os agricultores decidiriam como investir seus rendimentos. Depois de filiarem-se a cooperativa, eles conseguiram progredir muito. Nos primeiros três anos, eles:

  • Construíram uma escola na comunidade. No início, a escola tinha duas salas de aula. Quando tiveram mais dinheiro e quiseram aumentar a escola, eles desafiaram o governo a fazer um investimento no mesmo montante. Hoje há um total de cinco salas de aula e todas as crianças do vilarejo podem ir à escola;
  • Construíram uma maternidade;
  • Instalaram uma bomba para extrair água potável;
  • Construíram uma nova estrada, possibilitando que os agricultores viajassem mais de 5 km para fora do vilarejo sem dificuldades.

O compromisso e a demanda dos consumidores para que o algodão fosse comprado a um preço justo, associados ao compromisso de Makandianfing e da comunidade dele para com a justiça e o florescimento do vilarejo, possibilitaram esses avanços.

O custo do algodão estava literalmente matando a comunidade de Makandianfing, mas, depois das mudanças feitas por ele, pela comunidade e pelos consumidores, o valor do algodão ajudou a comunidade a florescer.

Todas as vezes que consumimos algum bem ou produto, podemos perpetuar o sofrimento ou promover o florescimento dos outros.


Nota
1. Esta história é baseada em uma entrevista feita por Rachel Dixon e foi usada com permissão. Direitos autorais: Guardian News & Media Ltd, 2016.


>> Acesse mais recursos aqui e aqui.

>> Para acessar todos os estudos da série, clique aqui.

>>> Estudo bíblico retirado da Sessão Seis do livro Viva com Justiça, de Tearfund e Desafio Miqueias. Reproduzido com permissão.

Print Friendly, PDF & Email

Tags: , , ,

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário