Para que Jesus Cristo veio ao mundo?

SÉRIE |
Conversando Sobre a Fé Cristã  |  Estudo 2

Texto básico
João 3.16,17, 36

Introdução

No estudo anterior, vimos que Jesus é o Filho de Deus, o Messias, o Cristo, o Salvador. Vimos também que mesmo dizia: “Eu sou o Pão da Vida”, “Eu sou a Luz do Mundo”, “Eu sou o caminho, a verdade e a vida” e muito mais. Neste estudo, vamos refletir sobre o motivo e o objetivo da vinda de Jesus ao mundo.

Para entender o que a Bíblia fala

1. Uma das passagens mais conhecidas e confortadoras da Bíblia é João 3.16. De acordo com essa passagem, por que motivo e com que objetivo Deus, o Pai, deu (ou enviou) seu Filho unigênito ao mundo?

a) O motivo
b) O objetivo

2. No evangelho escrito por Lucas, lemos a história de Zaqueu, um cobrador de impostos corrupto que, sendo de pequena estatura, subiu numa árvore para ver Jesus passar. Jesus notou seu interesse e decidiu hospedar-se com ele. Por causa disto, os líderes religiosos da época, ali presentes, murmuraram contra Jesus dizendo que ele se hospedava com pecadores. Como Jesus justificou a atenção especial dada a Zaqueu? Lucas 19.10.

3. Você conhece as parábolas da Ovelha Perdida, da Moeda Perdida e do Filho Pródigo? Estão em Lucas 15. Jesus contou essas historietas para mostrar aos seus críticos o quanto estava interessado em buscar e salvar o perdido. Observe o seguinte:

» A ovelha, enquanto perdida, esteve fora do aprisco, sem abrigo, longe dos cuidados do seu pastor. Ver Salmo 23.

» A moeda enquanto perdida e a despeito de seu valor, não pôde ser usada, não pôde ser útil à sua proprietária.

» O filho, enquanto rebelado contra o pai e distanciado deste, desperdiçou o que tinha, passou por necessidades, caiu em desgraça.

Contudo, o pastor foi em busca da ovelha perdida, a mulher procurou a moeda perdida, o pai esperou pelo filho pródigo, perdido, e, quando o viu, ainda longe, saiu ao seu encontro, de braços abertos!

As parábolas da Ovelha Perdida e da Moeda Perdida enfatizam o empenho de Deus e de Cristo em sua busca do homem perdido. A parábola do Filho Pródigo enfatiza tanto o amor perdoador do Pai quanto o arrependimento do pecador e sua decisão de voltar e pedir perdão a Deus. O filho “quando finalmente caiu em si, disse: Vou retornar à casa do meu Pai e dizer: ‘Pai, pequei…”’ (vs.17-18).

As buscas bem-sucedidas da ovelha e da moeda, assim como a volta do filho pródigo foram motivo de grande alegria e muita festa (vs 5-6, 9, 22-24 e 32). Você percebe, então, a mensagem principal e final dessas parábolas? Qual é? (vs. 7 e 10).

4. Isaías 53, no Velho Testamento, é uma das profecias mais completas e claras acerca de Jesus e sua missão no mundo. Sugiro que você leia este capítulo todo em casa. Aqui, vamos destacar os vs. 4 a 6. Note o seguinte:

» “Todos nós nos desviamos como ovelhas…” (v. 6a). O texto nos identifica a todos com a ovelha perdida da parábola de Jesus. A rebeldia e o pecado nos desgarraram. “Foram suas maldades que os separaram de Deus…” (Is 59.2).

» “E, no entanto, o Senhor fez cair sobre ele os pecados de todos nós” (v. 6b). Para nos salvar e nos levar de volta a Deus, Jesus assumiu a culpa dos nossos pecados e pagou por eles. “Ele foi ferido por causa de nossa rebeldia… e pecados. Sofreu o castigo para que fôssemos restaurados…” (v. 5).

» Os sacrifícios de ovelhas e bodes em Israel, no tempo do Velho Testamento, eram representativos do sacrifício de Cristo. Os sacerdotes impunham as mãos sobre os animais e assim, simbolicamente, passavam para eles os pecados do povo. A morte dos animais era expiatória; eles morriam pelos pecados do povo (Levítico 5.17-19). Daí a expressão “carneiro expiatório” ou “bode expiatório” (que aparece em Números 5.8, em algumas versões).

5. Certamente, João Batista, precursor de Jesus, tinha esses textos e conceitos em mente quando testemunhou acerca de Jesus. “Vejam! É o cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo!” (João 1.29). Tira assumindo a culpa, pagando por, fazendo expiação, perdoando… Vamos ver mais à frente como nos apropriamos pessoalmente dessa expiação. Mas vá pensando nos seus próprios pecados à luz dessa grande e preciosa verdade bíblica!

6. Os sacrifícios animais do Velho Testamento, por si só, não expiavam a culpa do pecado. Não eram mágicos. Os pecadores eram perdoados por causa de sua fé no que aqueles sacrifícios representavam, ou seja, o sacrifício futuro, único e perfeito do Messias, do Cristo, do Cordeiro de Deus. Por isso, o Novo Testamento enfatiza a superioridade do sacrifício de Cristo em relação àqueles do Velho Testamento. Veja, por exemplo, Hebreus 9.11-14. Desta passagem, destaco as frases seguintes:

“Se o sangue de bodes e bezerros e as cinzas de uma novilha purificavam o corpo de quem estava cerimonialmente impuro, imaginem como o sangue de Cristo purificará nossa consciência… para que adoremos o Deus vivo!” (v. 13-14)

7. Agora, leia 1 Pedro 2.21-25. Note principalmente estas declarações:

“… Cristo sofreu por vocês… Ele mesmo carregou nossos pecados em seu corpo na cruz, a fim de que morrêssemos para o pecado e vivêssemos para a justiça; por suas feridas somos curados. Vocês eram como ovelhas desgarradas, mas agora voltaram para o Pastor, o guardião de sua alma”

8. Você entende e crê que Jesus Cristo veio ao mundo para buscar e salvar os perdidos? Quando a Bíblia diz: “Todos nós nos desviamos como ovelhas… E, no entanto, o Senhor fez cair sobre ele os pecados de todos nós” (Isaías 53.6), você se inclui, seja para reconhecer seus próprios pecados, seja para crer que Jesus já pagou por eles? Fique pensando nisso…

 

Autor: Éber Lenz César

PARA SABER MAIS

> A Vida em Cristo, John Stott
> Cristianismo Básico, John Stott
> Como Ser Cristão, John Stott
> Por Que Sou Cristão, John Stott

Print Friendly, PDF & Email

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário