Pregação proferida no culto de encerramento da ABU Carioca, em 19 de dezembro de 2020i

Marcus Vinicius Matos*

É uma grande alegria para mim estar de volta aqui com vocês, com o meu povo, a minha galera que é a ABU Carioca. Para quem não me conhece, eu me chamo Marcus Vinicius, na ABU sou chamado de “MV”, e fui estudante no Rio de Janeiro, primeiro na UNIRIO, onde conheci a ABU Leste e tive a oportunidade de participar de um grupo na universidade; e depois na UFRJ, na Faculdade Nacional de Direito, numa época em que tive a oportunidade de servir como obreiro, na equipe de comunicação do nosso Congresso Missionário, o Missão 2006. Hoje, já bastante tempo depois disso, tenho servido ao movimento na Diretoria Nacional, desde 2018 e, se Deus quiser, até 2022. Então, reforço que é uma alegria enorme estar com vocês nesse culto de encerramento do ano, ainda que a gente carregue hoje o sofrimento de muitos, e a saudade de todos, que a distância nos impõe.

Esse é um culto de encerramento, um culto onde a gente quer celebrar, agradecer ao Senhor. O tema da nossa celebração é “Ebenézer, até aqui nos ajudou o Senhor!”, uma referência a palavra de Deus em 1 Samuel 7:12, quando o profeta celebra uma estrondosa vitória contra os filisteus, que na época, eram os mais temidos inimigos do povo de Israel. Mas aí você pode estar se perguntando, porque a gente usaria um tema como esse, depois de um ano tão complicado. 2020 foi um ano de catástrofe. De sofrimento, de lutas, e de muitas derrotas – para quase todos nós, que vemos nossa cidade, o país, e o mundo, em guerra contra um vírus que, até o momento, parece que tem nos vencido, enquanto humanidade, e certamente tem levado muitas vidas.

Então, como é característico do nosso movimento, e da tradição dos nossos Estudos Bíblicos Indutivos (EBIs), eu gostaria de começar compartilhando algumas perguntas com vocês, pra gente tentar responder, até o final:

1) Que tipo de encontro nós já tivemos com Jesus, em nossas vidas?

2) Qual é a nossa missão, enquanto movimento, nesse momento de dor e de perdas, e diante de uma sociedade pluralista? E

3) o que nós temos a celebrar, hoje, ao final desse ano?

E se eu fosse apenas trazer uma palavra de encorajamento, sem olhar para o que ocorreu no nosso contexto, eu estaria indo contra a tradição do nosso movimento, e contra a nossa teologia que nos exorta a andar com a bíblia na mão, e o celular na outra – na verdade, era o jornal né?ii Mas provavelmente, ninguém entre vocês lê jornal impresso mais…o que importa, é dizer que na ABU Carioca, e na ABUB em geral, a gente quer viver a nossa fé de maneira encarnada. Viva. Relevante. Contextualizada.

A palavra que eu quero trazer aqui hoje, então, não é uma palavra de conforto. É uma palavra de desconforto. É uma palavra de chamado. De missão. Eu penso que nós vivemos um momento em que não vamos encontrar conforto em nós mesmos, e nem na situação ao nosso redor. É apenas olhando para Deus, que vamos encontrar propósito nas nossas vidas. Olhando para Ele, talvez, Ele nos revele algo sobre nós mesmos, e sobre situação em que estamos. Tem um pastor que diz que ele sempre se surpreende quando alguém vem a igreja e conta aquela história de conversão que a gente está acostumado a ouvir: eu andava errado, minha vida era toda errada, daí encontrei Jesus, e agora minha vida é certinha, me visto com a camisa pra dentro da calça, canto na Igreja. Ele diz que a conversão dos santos de Deus, muitas vezes, é o contrário. É mais ou menos assim: eu andava certinho, tinha minha vida ganha, usava a camisa pra dentro da calça, cantava na igreja, e achava que não precisava de mais nada, então Jesus veio e bagunçou completamente minha vida: agora eu ajudo os pobres, passo tempo visitando presos, favelados e prostitutas…Jesus me salvou, e minha vida virou um caos!.iii Jesus não chamou a gente para o conforto, pessoal. E o texto que nós vamos examinar hoje, conta a história de uma dessas pessoas que andavam certinhas, até se encontrar com Jesus.

Abra sua bíblia, por favor, em um dos textos mais conhecidos das escrituras: João, capítulo 3, e vamos ler do verso 1 ao verso 21 (a versão aqui, é a NVI):

1 Havia um fariseu chamado Nicodemos, uma autoridade entre os judeus.
2 Ele veio a Jesus, à noite, e disse: “Mestre, sabemos que ensinas da parte de Deus, pois ninguém pode realizar os sinais miraculosos que estás fazendo, se Deus não estiver com ele”.
3 Em resposta, Jesus declarou: “Digo-lhe a verdade: Ninguém pode ver o Reino de Deus, se não nascer de novo”.
4 Perguntou Nicodemos: “Como alguém pode nascer, sendo velho? É claro que não pode entrar pela segunda vez no ventre de sua mãe e renascer! ”
5 Respondeu Jesus: “Digo-lhe a verdade: Ninguém pode entrar no Reino de Deus, se não nascer da água e do Espírito.
6 O que nasce da carne é carne, mas o que nasce do Espírito é espírito.
7 Não se surpreenda pelo fato de eu ter dito: É necessário que vocês nasçam de novo.
8 O vento sopra onde quer. Você o escuta, mas não pode dizer de onde vem nem para onde vai. Assim acontece com todos os nascidos do Espírito”.
9 Perguntou Nicodemos: “Como pode ser isso? ”
10 Disse Jesus: “Você é mestre em Israel e não entende essas coisas?
11 Asseguro-lhe que nós falamos do que conhecemos e testemunhamos do que vimos, mas mesmo assim vocês não aceitam o nosso testemunho.
12 Eu lhes falei de coisas terrenas e vocês não creram; como crerão se lhes falar de coisas celestiais?
13 Ninguém jamais subiu ao céu, a não ser aquele que veio do céu: o Filho do homem.
14 Da mesma forma como Moisés levantou a serpente no deserto, assim também é necessário que o Filho do homem seja levantado,
15 para que todo o que nele crer tenha a vida eterna.
16 “Porque Deus tanto amou o mundo que deu o seu Filho Unigênito, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna.
17 Pois Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para condenar o mundo, mas para que este fosse salvo por meio dele.
18 Quem nele crê não é condenado, mas quem não crê já está condenado, por não crer no nome do Filho Unigênito de Deus.
19 Este é o julgamento: a luz veio ao mundo, mas os homens amaram as trevas, e não a luz, porque as suas obras eram más.
20 Quem pratica o mal odeia a luz e não se aproxima da luz, temendo que as suas obras sejam manifestas.
21 Mas quem pratica a verdade vem para a luz, para que se veja claramente que as suas obras são realizadas por intermédio de Deus”.

Palavra do Senhor.

Que tipo de encontro nós já tivemos com Jesus, em nossas vidas?

Esse é um texto que narra um encontro com Jesus. Tem duas ou três vozes nele, duas ou três pessoas que falam no texto, dependendo de como a gente interpreta os versículos de 16 a 21, o final. Mas vamos começar do início, e a primeira pergunta que eu quero colocar pra gente é: que tipo de encontro nós já tivemos com Jesus, em nossas vidas? E que tipo de encontro tivemos com Ele, esse ano? E para responder, eu quero que a gente observe essa narrativa, pensando quem nós somos nela. Com quem a gente se identifica nesse texto? A gente pode ser Nicodemos, uma pessoa influente, um intelectual, ou um líder político; a gente pode se identificar com Jesus, na experiência de levar a Palavra a alguém – alguém que a gente pensa que seja como Nicodemos; e a gente pode se identificar com narrador do final do texto, que faz aquele conhecido discurso, muito usado para evangelização, e que tem o versículo 16 como sendo seu ápice.

Mas vamos nos concentrar primeiro no encontro de Jesus e Nicodemos. A primeira coisa que nos chama atenção nesse encontro, é que Jesus é procurado por um príncipe, um líder, a noite. Isso, por si só, é interessante. Talvez, Nicodemos não quisesse ou não pudesse aparecer ao lado de Jesus. Talvez a pressão dos fariseus, que antagonizavam Jesus por ali, fosse gigante sobre ele. De maneira que ele vai a Jesus a noite. A gente pode pensar isso como um demérito, tipo: “ele teve vergonha de aparecer ao lado de Jesus”, mas também podemos olhar por um outro lado. Talvez, diferente dos Fariseus, ele fosse realmente um cara sincero. E se ele não tinha peito ou não tinha forças pra enfrentar as pressões do seu grupo político ali, os nacionalistas da época dele, ainda assim, ele procurou Jesus. Foi até ele a noite.

Henry Ossawa Tanner – Nicodemus coming to Christ. Oil on canvas laid down on board. Between 1924 and 1926

E a conversa dele começa de forma reveladora sobre ele mesmo. É sempre assim, né? A maneira como a gente se aproxima de Jesus, revela quem nós somos. Revela, às vezes, coisas que não gostamos. Estar diante de Jesus, e falar com Ele, muitas vezes expõe aquilo que a gente esconde sobre nós mesmos, lá no fundo do “self”. Todas as nossas imagens projetadas, todas aqueles cálculos sociais, toda nossa postura e autoimagem vem à baixo. E isso ocorre com Nicodemos. Ele vem e de início já confessa Jesus: “Mestre, sabemos que ensinas da parte de Deus, pois ninguém pode realizar os sinais miraculosos que estás fazendo, se Deus não estiver com ele.” Só que a confissão dele, de Nicodemos, talvez, seja assim, digamos, ainda carregada de um certo orgulho. E, Jesus faz com ele aquilo que ele faz, em outros textos bíblicos, com quem se aproxima Dele dessa forma: lembremos aqui do jovem rico, alguém que ouviu algo parecido de Jesus em Lucas 18:18, e do contraste desses dois encontros, de Nicodemos e do jovem rico, com um outro: quando Jesus recebe a mulher pecadora, que se reconhece e é reconhecida como tal, aos seus pés, em Lucas 7:37.

No entanto, a gente sabe que aquele encontro transformou a vida de Nicodemos para sempre. E sabemos disso porque ele aparece de novo no Evangelho de João, no capítulo 7, versículo 50, quando ele defende Jesus diante dos fariseus; e depois, também, quando ele leva perfumes para colocar sobre o corpo de Jesus, que vai ser sepultado. E na história e na tradição da época, há relatos que contam que a família de Nicodemos era uma das mais ricas do Império Romano, e que depois da sua conversão eles teriam sido perseguidos, e perdido tudo – ao ponto da sua filha ser vista catando espigas de milho do chão, e lavando o esterco de cavalo das espigas, para poder comer.iv A gente não tem como saber o que dessas últimas histórias é verdade, mas podemos dizer, com certeza, que seguir a Jesus teve um preço alto para Nicodemos. E diferente do jovem rico, que se afasta, triste de Jesus, porque não quer dividir o que tem com os pobres, Nicodemos procura Jesus, segue o Cristo até Sua morte, segundo nos conta o Evangelho de João. E provavelmente depois dela também.

E aqui, eu gostaria que a primeira aplicação desse texto fosse a gente pensar como foi nosso encontro com Jesus, e como tem sido se encontrar com Ele nesse momento de pandemia, e de solidão. A gente tem se encontrado com Jesus, no nosso dia-a-dia, ou pelo menos na calada da noite, escondidos do resto das pessoas relevantes e poderosas, como fez Nicodemos? Esse encontro tem nos transformado? Se tem, de que forma? Encontrar com Jesus pode ser extremamente desconfortável. Por que é um encontro capaz de destruir muitas imagens equivocadas. A primeira delas, é uma imagem que a gente projeta sobre Deus, e sobre quem Ele é. A bíblia fala que nós fomos feitos à imagem e semelhança de Deus, mas a gente gosta de retribuir o favor, né? Então, a gente faz um Deus, que é a nossa imagem e semelhança. E daí decorrem muitos problemas. Porque, um Deus a minha imagem e semelhança, se for todo poderoso, é algo terrível, perigoso. Uma mini-versão de mim, com todo poder do mundo, seria capaz de fazer o quê?

A segunda, é a nossa própria auto-imagem. A gente vive em uma sociedade onde imperam o individualismo e o capitalismo cognitivo, que monetiza nossos afetos, nosso comportamento, nossos pensamentos, e nossa própria auto-imagem. Aquela imagem que você posta de si mesmo, determina o tipo de propaganda que vão te enviar, os anúncios que você vai ver, e as coisas que você provavelmente vai comprar. Mas isso é construído há mais tempo do que parece. Não é um fenômeno só das redes sociais. Se você cresceu nas décadas de 1990 e 2000, você deve ter visto uma penca de desenhos infantis onde toda a narrativa se dá em torno de uma descoberta pessoal, de quem a personagem principal é, de fato – os desenhos animados da Disney sendo os mais famosos e melhores desse tipo. Quase todas as princesas, e os heróis infantis, são assim. A mensagem deles é clara, e é bela: você precisa descobrir quem você é, e você não pode simplesmente aceitar a imagem que os outros tem, ou fazem de você.v E isso é belo. Mas não é tudo.

E essa perspectiva de construção da nossa autoimagem contrasta gravemente com nossa fé. O capitalismo atual vende a ideia de que você sabe quem você é, e tudo que importa é o que você, um ser autodeterminado, quer ser – pouco importa a imagem que o Outro, ou que um outro qualquer, tenha de você. Só que, de acordo com a Palavra de Deus, a gente precisa conhecer a Deus, para conhecer a nós mesmos. Somos criatura Dele, desse outro Ser. Então, nossa verdadeira imagem, é determinada por um outro, e não por nós mesmos. E eu penso que é isso que ocorre nos verdadeiros encontros com Jesus, como aconteceu com Nicodemos. Ele chegou lá como um príncipe, como um mestre. E em cinco segundos, ou melhor, em cinco versículos, fica claro que ele não sabia nada – nem sobre si, nem sobre o Reino de Deus.

Chinese depiction of Jesus and the rich man (Mark 10) – 1879, Beijing, China

Você já teve um encontro desses com Jesus Cristo? Se você não teve, talvez esse ano que a gente vive, e esse momento de solidão forçada, de isolamento, seja uma oportunidade que Deus coloca diante da gente – para que a gente se encontre com Ele, que é a verdade, e que revela a verdade sobre nós. Há algum tempo atrás (um pouquinho, tipo uns 1600 anos atrás!), teve um grupo de jovens que não acreditava mais que fosse possível ser crente e viver na sociedade daquela época. Eles achavam que a Igreja estava perdida; eram muitos escândalos, corrupção, complacência com as autoridades e depravação moral. Daí esse pessoal saiu pro deserto, no que é hoje a Síria, e ficou lá, isolado. Foram morar em cavernas que, depois, viraram celas voluntárias, onde eles se tornaram os primeiros monges da história. E eles nos ensinam algo a mais pra gente aplicar sobre isso, do autoconhecimento. Era na solidão, diziam, que a gente se despe de todos os ruídos – os exteriores, e os interiores também. E é ali, na cela, sozinhos, que Deus se revela pra gente – e revela pra nós, quem nós somos. É ali que a gente houve a voz Dele, e pode se relacionar com Ele. Esse silêncio, essa solidão, esse buscar a Deus na cela, ou de noite – como fez Nicodemos – não é algo só externo. Uma das mais sábias mulheres dentro desse grupo de jovens, a Amma Syncletica, dizia que é perfeitamente possível estar só, no meio de uma multidão; ou estar no meio da multidão, estando sozinho numa cela – e isso 1600 anos antes de existir a internet.vi Precisamos desses encontros verdadeiros com Cristo, nesse momento de solidão nossa, de silêncio, e de isolamento do mundo.

Qual é a nossa missão, enquanto movimento, nesse momento de dor e de perdas, diante de uma sociedade pluralista?

A segunda coisa que esse texto nos ensina, hoje, tem que ver com a pergunta que fiz antes: qual é a nossa missão, como movimento evangélico estudantil, diante das dores e perdas das pessoas ao nosso redor? Se nós temos convicção das coisas que Jesus nos ensina, como devemos lidar com elas hoje? Qual é a mensagem, qual é a verdade, que temos a proclamar a esse mundo, onde as pessoas perecem, e as vidas se perdem? Nicodemos não sabia qual era a mensagem de Cristo, não sabia quem era Jesus, e nem quem ele mesmo era, quando se aproxima de Deus. Será que nós sabemos? Tomé também não sabia, e mais a frente, no Evangelho de João, no capítulo 14, versículos 5 e 6, ele pergunta pra Jesus: “Senhor, nós não sabemos para onde vais; e como podemos saber o caminho?” E Jesus responde: “Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim.”

Da mesma forma, o versículo mais famoso desse trecho que nós lemos, no capítulo 3 do Evangelho de João, trás a mesma mensagem. Ele praticamente resume todo o Novo Testamento, quando diz: “Porque Deus tanto amou o mundo que deu o seu Filho Unigênito, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna.” E o texto vai mais longe, e se desenvolve explicando essa proposição do amor de Deus: “Pois Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para condenar o mundo, mas para que este fosse salvo por meio dele. Quem nele crê não é condenado, mas quem não crê já está condenado, por não crer no nome do Filho Unigênito de Deus. Este é o julgamento: a luz veio ao mundo, mas os homens amaram as trevas, e não a luz, porque as suas obras eram más. Quem pratica o mal odeia a luz e não se aproxima da luz, temendo que as suas obras sejam manifestas.”

E aí nós temos que nos fazer outras duas perguntas. Como a gente faz para compartilhar essa verdade, nesse momento drástico, onde vidas estão se encerrando, onde as pessoas estão perdendo seus entes queridos, bem ao nosso redor? E eu creio que essa pergunta específica faz parte de uma pergunta mais genérica, que é: como a gente faz para compartilhar verdades que cremos absolutas, em sociedades plurais, ou democráticas? Eu já andei com pessoas que pregavam mais o fogo do inferno do que o amor redentor de Jesus Cristo. Elas acreditavam que não fazia sentido anunciar o amor, sem anunciar o castigo primeiro. A ênfase na evangelização era na danação: antes da salvação, o inferno. E também já vi e já andei com outras que anunciavam uma redenção distante, um evangelho que era algo que só serviria para a hora da morte mesmo – que, talvez, agora, até fizesse algum sentido, no meio de tanta desgraça. Mas creio que essas duas abordagens estão equivocadas, e não são as abordagens de evangelização contextual, que a gente usa no nosso movimento.

Como nos lembra o Rowam Williams, viver em uma sociedade plural é algo que tem uma pluralidade de sentidos. É viver em uma sociedade com uma pluralidade de confissões religiosas diferentes, mas também com uma pluralidade de estilos de vida, filosofias e opções. E talvez seja essa última palavra, opções, que seja a mais importante para entendermos o nosso contexto atual. Nós vivemos em um mundo, e uma sociedade, onde o ideal de vida para boa parte das pessoas é ter opções confortáveis. E questões sobre justiça e finalidade da nossa vida não tem lugar em um mundo onde as opções diante de nós são apenas aquelas que nos dão conforto. E o Evangelho, e a evangelização não são opções confortáveis. Não são meras opções, mas desafios.vii E o desafio que se coloca para gente é: como anunciar o amor de Deus, e esse Evangelho da palavra, para pessoas que estão morrendo, ou que perderam seus entes queridos? Vamos anunciar a salvação e a redenção perante o amor, ou a danação e condenação daqueles que partiram – e que, até onde sabemos, não tiveram um encontro com o Senhor Jesus Cristo? Como é possível fazer isso, em amor, numa hora dessas? Essa não é uma tarefa fácil. Mas acho que ela exige de nós, nesse momento, uma compreensão mais profunda do que é o Evangelho que nós anunciamos.

Em primeiro lugar, a gente precisa lembrar o que o Novo Testamento nos diz. E o que ele diz não é que “uma pessoa precisa aceitar determinadas proposições intelectuais como verdadeiras, para ser salva”. O que ele nos diz é: “sem um relacionamento com Jesus Cristo, que é a Palavra de Deus encarnada, você não se tornará aquilo que você foi deveria ser. Você não vai viver a plenitude do seu destino como ser humano”. E é essa segunda compreensão que a gente precisa resgatar para a evangelização. O evangelho não é sobre uma única verdade na forma de palavras, mas sobre um relacionamento único com Jesus. “Ninguém vem ao Pai, senão por mim”, Ele nos diz. Em outras palavras, se nós queremos ser reconciliados com o Deus que Jesus chama de “Pai”, então temos que nos associar com Ele, e andar com Ele é o caminho através do qual isso se torna realidade. O Evangelho é sobre andar no caminho Dele, e não apenas ter as ideias corretas sobre Ele; não basta apenas repetir o que Jesus disse, é preciso segui-lo.viii

E essa compreensão sobre os Evangelhos, e sobre o Evangelho de João em particular, não é para esvaziar o texto do sentido que tradicional no qual ele é interpretado, mas pra chamar atenção sobre como esses textos desafiam as nossas vidas, hoje. Qual é o caminho para o Pai? O Pai não pode ser apresentado ou visto por nós como um objeto no céu – algo que a gente pudesse apontar com as nossas próprias mãos. O Pai só pode ser encontrado, descoberto diante de nós, enquanto caminhamos com Jesus em direção a cruz e a ressurreição. Assim como Nicodemos, nós não temos de fato o conhecimento que nos leva à vida, como seres humanos. Nós estamos presos, travados em padrões de comportamento destrutivos. Ou seja, nós precisamos ser resgatados, precisamos ser salvos. Precisamos ser libertos de nós mesmos, para sermos aquilo que fomos criados para ser: filhas e filhos do Deus vivo, nosso Pai.

Mas, embora o Novo Testamento nos aponte para uma relação, um relacionamento como Deus, através de Cristo, para um relacionamento pessoal, existe nele um argumento a respeito de nós, seres humanos, que é uma verdade universal. A gente tem nesse texto de João algo como se fosse uma orientação, uma força magnética que nos impulsiona em direção a fonte de todas as coisas, e uma capacidade de se relacionar com essa fonte de todas as coisas: não como alguém que simplesmente obedece ou pensa somente, mas como alguém que se relaciona intimamente e intensamente – como em um relacionamento entre a criança e seu pai. É para esse relacionamento que os seres humanos foram feitos. E ele começa ali, naquele novo nascimento sobre o qual Jesus ensina a Nicodemos. É nesse novo nascimento que nós vamos nos reencontrar com as fontes mais profundas da nossa humanidade – a humanidade redimida. Nós fomos feitos para esse relacionamento com Deus, porque nesse relacionamento, nós nos tornamos livres. Através do sopro do espírito, nós nos tornamos livres de nós mesmos, livres para amar o Deus que nos criou e nos salvou, livres para proclamar e demonstrar o amor intenso de Deus em nossas vidas, a cada dia. Foi para isso que nós fomos feitos. E essa é, e tem sido, e tem que ser a mensagem que nós proclamamos no nosso movimento, para os estudantes e seus familiares, essa é a nossa missão.

No entanto, o desafio da pergunta que nós fizemos hoje, em cima do texto, é o de pensar como proclamar essa verdade para pessoas de outras religiões, ou de nenhuma, nesse momento duro, de perda de vidas. E eu quero arriscar dizer pra vocês aqui, hoje, que neste momento nós temos que ter a humildade de aprender com essas pessoas também. A experiência de morte que está ao nosso redor, e por qual tantas famílias têm passado, é algo com o que nós podemos aprender, e com o que Deus pode nos ensinar. Esse é um momento onde talvez seja possível olhar no rosto destes estudantes, e de seus familiares, e perceber o que ocorre no rosto, na face deles, quando ela se volta para Deus. Há algo que os seres humanos encontram nessa hora, a hora da morte e da dor, que pode ser dado a mim conhecer neles, e nós não podemos nos fechar para essa possibilidade.ix E aqui, eu quero fazer uma pergunta mais difícil: seria o nosso papel, a partir da nossa fé na verdade que é Jesus Cristo, anunciar a essas pessoas que morrem, que estão diante da morte, ou que acabaram de passar pela perda, que não há esperança para quem não tem a mesma fé que nós?

Talvez uma das falhas que nós temos hoje, na nossa fé, e na maneira como a gente evangeliza, seja justamente que a gente não aceita deixar Deus resolver aquilo sobre o que não temos controle. E isso vale tanto para o medo da morte, quanto para a ansiedade da vida. As vezes, a gente acha que Deus não leu os livros certos, sabe como é? Deus não leu os livros da ABU Editora que eu li, então a gente precisa proteger Deus, e a nossa declaração de fé, afirmando ela a todo tempo. É como se a gente não tivesse certeza de que Deus vai aplicar a política certa, e precisa da nossa ajuda pra fazer esses julgamentos.

Nessas horas, e eu posso falar apenas por mim mesmo aqui, eu penso que é libertador deixar que Deus seja o único juiz. É Ele quem deve julgar se é possível, ou como seria possível, que alguém de fora da nossa família visível de fé, possa se relacionar com Jesus, e se voltar para o Pai. Há pessoas que a gente encontra pelo mundo, e vocês certamente já tiveram essa experiência, que carregam marcas de coisas que são centrais para o Evangelho, e que elas mesmas não tem palavras pra expressar. As vezes certas pessoas demonstram nas suas vidas um amor tão intenso, que a gente fica também sem palavras, diante de ações que são próximas daquilo que a gente vê na vida de Jesus nos Evangelhos. E essas pessoas não tem a mesma fé que nós – algumas podem se declarar Agnósticas, Espíritas, ou de outra religião. E nesse momento de perdas de vidas, é muito provável que você conheça, e veja essas pessoas partindo ou ajudando quem está partindo, ao seu redor. Elas não tem palavras pra expressar isso, nos mesmos termos que nós. O que dizer diante disso? Eu digo que é melhor deixar Deus decidir o que está rolando nesses casos.

Eu penso que há outra passagem nos Evangelhos que pode nos ajudar a pensar sobre isso. É a história da cura dos dez leprosos no Evangelho de Lucas, e do leproso Samaritano, que é o único deles que volta para agradecer a Jesus. Nessa história, o Williams nos lembra que não dá pra gente imaginar que os outros nove leprosos que não voltaram para agradecer, tiveram lepra novamente. Eles tiveram um encontro com Jesus. E um encontro que mudou suas vidas para sempre. Mas talvez, esses nove tenham também ficado sem palavras.x Talvez essa seja uma situação semelhante a essa que estamos vivendo, se essa é a nossa experiência de evangelização no momento. Talvez esse seja um momento em que a gente precise parar para pensar mais profundamente na nossa missão, e também, um dos momentos em que a gente precisa também se calar, e ouvir. Nós temos que recusar o papel de julgar, e dar um passo atrás, ao invés de decidir tudo de maneira prematura.

James Tissot – Guérison de dix lépreux, Between 1886 and 1894. Gouache over graphite on gray wove paper. Online Collection of Brooklyn Museum; Photo: Brooklyn Museum, 2008

Nossa fé em Jesus Cristo como o único caminho, e a verdade última – mesmo diante dos ataques da modernidade e da pós-modernidade a ela –, nossa fé permanece como um caminho cristão de falar da esperança para todos os seres humanos. E é por isso que nós temos que falar dela. Nessas horas de dificuldade, de morte e dor, Deus nos livre de fazer da evangelização um proselitismo manipulador, insensível, desrespeitoso, ou mesmo um bullying contra pessoas de outras religiões – e de tratar essas pessoas como se elas não soubessem nada da vida ou da morte, e como se sua imaginação e sua experiência religiosa também não tivessem nenhum valor a ensinar para nós, ou relevância alguma para Deus. Deus nos livre disso. Mas que Ele nos livre também de ter medo de expressar nossas convicções sobre Jesus Cristo, porque nós cremos que Ele importa. Nós cremos que Nele, cada ser humano pode encontrar a Paz. O destino de cada ser humano deve ser se encontrar com Jesus, e ter sua dignidade restaurada Nele. Nossa fé se baseia no fato de que não há barreiras, nem fronteiras, entre a humanidade e Jesus Cristo. É possível estar com Ele hoje. O que Ele é, o que Ele faz, e o que Ele sofre é relevante e libertador para cada ser humano ontem, hoje e sempre.

O desafio do momento é, nas palavras dos teólogos, reconectar partes da nossa Cristologia (aquilo que nós acreditamos sobre Jesus e a Trindade) com a nossa Antropologia (no sentido daquilo que cabe aos seres humanos). Se a gente compreender isso corretamente, essa compreensão vai permitir que a gente se encontre com o religioso e o não-religioso nos outros, com uma generosidade grande, um desejo de compartilhar, mas também uma humildade para ouvir, acolher e aprender, e com a paciência para que aguardar que Deus faça sua vontade, aquilo que é melhor para todos nós.xi

Diante de tantas mortes, temos que compartilhar a vida. Expressá-la da maneira mais intensa possível. Isso se dá em oposição a dureza de assumirmos o papel do julgador. Esse não é o nosso papel. Jesus esteve graciosamente com Nicodemos, com o jovem rico, com o corrupto Lázaro, e com a mulher pecadora que chorou aos seus pés. E ele anunciou apenas o amor, e a salvação que se segue. Anunciou o novo nascimento, a vida plena, e o Reino de Deus, que Nicodemos desconhecia. A proclamação do amor e da missão de Cristo entre nós, busca levar as pessoas a um relacionamento com Ele. É esse amor que devemos levar, e passar a diante nesse momento difícil.

O que nós temos a celebrar, hoje, ao final desse ano?

Por fim, a última pergunta que eu quero colocar pra nossa reflexão, hoje, é: o que nós temos para celebrar, depois de um ano tão difícil? Nós certamente vivemos tempos de muita incerteza. E nós gostamos de nos apegar a Deus como uma certeza, como algo que nos garante fundamentos e estabilidade nessa vida aqui. E não é isso que nós vemos nesse texto. E eu queria encerrar chamando atenção para o versículo 8: “O vento sopra onde quer. Você o escuta, mas não pode dizer de onde vem nem para onde vai. Assim acontece com todos os nascidos do Espírito”. Este é um versículo que falou muito comigo este ano, e através do qual recebi uma palavra conforto em um momento de desespero – e ela me foi dada por Deus, através do Pr. Marco Davi de Oliveira. Porque eu me vi jogado ao vento, em um momento de muita insegurança e incerteza.

No início desse ano, eu tinha um emprego no Estado. E por volta de Junho, quase no pico da pandemia, eu perdi esse emprego. E foi muito difícil encontrar outro. Eu fiquei três meses desempregado. E talvez essa tenha sido também a sua experiência esse ano: uma experiencia de dificuldade, de penúria, de provação. Mas eu queria dizer que embora na minha família nós tenhamos passado pelo desemprego, pelo corte drástico no orçamento, nós não sofremos o desamparo. Deus proveu. Todos os meses. A cada um desses três meses, a gente achava que ia ter que cortar algo mais drástico: a escola da minha filha, o seguro de saúde, ou o próprio aluguel, e voltar para casa dos nossos pais. Mas, a cada vez que os recursos iam acabar, Deus provia de maneira surpreendente: um pagamento inesperado de um serviço dado por perdido; uma restituição do imposto de renda; uma doação. Até que apareceu outro emprego. E, diante disso, eu só tenho a ser grato. Tenho que ser muito grato a Deus, pelo que Ele fez por mim, e por minha família, nesse ano.

Eu não sei se essa é a sua experiência, se você se identifica com ela. Mas eu sei que o vento sopra livre, e nós, que somos nascidos do Espírito Santo, somos levados por ele. Essa verdade, que Jesus diz a Nicodemos, deve nos ajudar a descansar no Senhor. Descansar da ansiedade que nos cerca. O vento que nos move, aparentemente sem direção, fora do nosso controle, é o mesmo vento que bate sobre os lírios dos campos, e no qual voam as aves dos céus, de que Jesus fala no Sermão do Monte. Deus cuida deles e delas, e cuida de nós. O difícil é confiar nessa verdade. Por mais que a gente diga que crê, e proclame essa fé aos outros, como é difícil viver confiando plenamente nisso! A gente precisa aprender que nós, que nascemos de novo, somos como o vento. Estamos nas mãos do Pai, de onde nunca saímos. Mesmo quando não percebemos, naquilo que nós tomamos como certo, e que, na verdade, só temos por misericórdia e bondade Dele. E esse é um motivo para expressar nossa gratidão.

Em um ano onde tanta gente perdeu tanta coisa, nós, que estamos aqui hoje, precisamos expressar nossa gratidão ao Senhor. Pela vida. Pelo cuidado e provisão. Pelo amor por nós, pelo resgate e pela salvação. Nós certamente tivemos perdas – uns mais, outros menos. Mas eu gostaria de terminar essa fala, lembrando que somos também privilegiados de estar aqui, juntos, hoje. Se estamos aqui, no culto de encerramento da ABU Carioca, isso é porque nós temos vida, temos acesso a internet, temos algum estudo, temos sustento, temos amigos e amigas, irmãos e irmãs, com quem a gente compartilha nossa fé, compartilha amor, e temos um movimento enorme, a ABU, que nos acolhe, e que a gente constrói, a cada dia, com nossas vidas e testemunho. Tá certo que não somos príncipes, como era Nicodemos, príncipe dos judeus, mas temos ainda muitas bençãos e privilégios dados por Deus, pelos quais temos que agradecer.

Nicodemos era um príncipe que acreditava ter encontrado um mestre em Jesus – acabou perdendo perdendo a realeza e o dinheiro, mas encontrou Deus. E eu gosto muito de uma história que o C. S. Lewis nos conta, de um outro príncipe, que está no livro Príncipe Caspianxii – e que aparece no filme também, o segundo das Crônicas de Nárnia. E quero terminar aqui com ela. Quase ao final da sua história, o Príncipe Caspian se encontra diante de Aslan, o grande Leão, que é uma metáfora de Deus, de Jesus. E ele se vê diante de uma escolha: cruzar uma fronteira e adentrar o céu; ou retornar para o seu Reino – do qual ele foi exilado quando criança, depois de sofrer um golpe de Estado e perder a coroa para seu tio. E refletindo sobre suas possibilidades, ele diz algo mais ou menos assim: eu passei a vida inteira correndo atrás do que me foi tirado, e esqueci de ser grato por aquilo que me foi dado. Sem dúvida, minha irmã, meu irmão, esse foi um ano de muitas perdas, para quase todos nós. Mas nós precisamos ser gratos por aquilo que nos foi dado, por aquilo que podemos celebrar hoje, juntos. E tenho certeza que podemos dizer pela ABU Carioca que, até aqui, nos ajudou o Senhor.

_________________________________________________________________________________________

*Marcus Vinicius Matos é pesquisador de Pós-doutorado na Faculdade Nacional de Direito da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), com bolsa do CNPq, membro honorário do Instituto dos Advogados Brasileiros – IAB, e integra a equipe executiva da Paz e Esperança, uma organização cristã de defesa dos Direitos Humanos. É doutor em Direito pelo Birkbeck College (Universidade de Londres, Inglaterra), mestre e bacharel em Direito pela UFRJ. Frequenta a Igreja Luterana de Petrópolis, é membro da  Diretoria Nacional da Aliança Bílbica Universitária do Brasil (ABUB), e integra a Comissão Gestora da Rede Cristã de Advocacia Popular, a RECAP. É casado com Priscila Vieira e pai de Aurora. Torcedor do Flamengo. Siga no Instagram e Twitter: @mvdematos.  Siga também a página do Blog Dignidade, no Facebook. As opiniões expressas nesse texto são de responsabilidade exclusiva do autor.

_________________________________________________________________________________________

Leia também:

A Lectio Divina me fez encontrar a história da Igreja

+ A idolatria do(de) mercado: o homem todo para o dinheiro (todo)

+ Orgulho, pecado e amor ao próximo

 

Referências:

iCulto de Final de Ano – ABU Carioca. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=7Bb_qHG22s8

iiA expressão “andar com uma bíblia na mão, e com o jornal na outra” é geralmente atribuída ao teólogo Dietrich Bonhoeffer. Para a relação entre essa perspectiva e seu impacto na teologia da Aliança Bíblia Universitária do Brasil (ABUB), assista a celebração de 45 anos da ABU Editora, quando Sileda Steuernagel faz uso desta expressão: O Futuro da Literatura no Movimento Estudantil, Roda de Conversa, 2020. Disponível no Canal da ABUB no Youtube, em: https://www.youtube.com/watch?v=1Ahe-RAg_qM&feature=youtu.be

iiiCLAIBORNE, S.; CAMPOLO, T. Red Letter Revolution: What if Jesus really meant what he said. New York: Thomas Nelson, 2012.

ivCHAMPLIN, Russel Norman. O Novo Testamento Interpretado. Volume II. Guaratinguetá: A Voz Bíblia, 1976.

vWILLIAMS, Rowan. Lost Icons: Reflections on Cultural Bereavement. London: T & T Clark, 2000

viWARD, Benedicta. The Sayings of the Desert Fathers: the alphabetical collection. Michingan: Cirtercian Publications, 1984.

viiWILLIAMS, Rowan. The Finality of Christ in a Pluralistic Society. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=0VyMtQsOlKI

viiiWILLIAMS, opus cit.

ixWILLIAMS, Rowan. The Finality of Christ in a Pluralist World. The Matheson Trust for the Study of Comparative Religion, 2010. Audio. Disponível em: https://www.themathesontrust.org/library/finality-of-christ

xWILLIAMS, 2010, opus cit.

xiWILLIAMS, 2010, opus cit.

xiiLEWIS, Clive Staple. As Crônicas de Nárnia – Príncipe Cáspian. São Paulo: ABU Editora, 1984.

 

 

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.