Na varanda com o autor | Cláudio Marra

 

Ele é de poucas e boas palavras. Aprendeu cedo a arte de cortá-las, preenchendo os balões de texto das histórias em quadrinhos, até comandar redações de revistas infantis da Editora Abril nos anos 70 e 80.

Dos heróis da Disney, Hanna-Barbera, entre outros, à plantação de igrejas na África do Sul, passando pelas primeiras equipes de Vencedores Por Cristo, o Rev. Cláudio Marra fez as pazes com a sua vocação para o ministério pastoral quando finalmente assumiu, em tempo integral, a editora Cultura Cristã.

Pastor presbiteriano, escritor e editor, Cláudio Marra é também nosso colunista e amigo de longa data. Na Varanda com o Autor recebe Cláudio Antônio Batista Marra.

 

Alguma pessoa ou livro, em especial, influenciou sua aproximação da leitura e da escrita?

Minha mãe lia a Bíblia para nós, contava histórias da Bíblia e da família dela nos longos sermões em que se tornavam os cultos domésticos.

Meu pai assinava para nós Seleções do Reader’s Digest, eu começava lendo Enriqueça seu Vocabulário e ia até Seção de Livros. Lia todos os anúncios. Depois repetia tudo. Como eu sou dos mais novos tinha livros dos mais velhos para ler.

Na Escola Profissional (ginásio profissionalizante) de Sorocaba, Oswaldo Ellis Casali, professor de português, me pediu que escrevesse um conto, o que eu fiz.

 

Quando a inspiração para escrever não vem…

Aprendi com o Luís Fernando Veríssimo. Musa inspiradora é o prazo de entrega.

 

O que os adultos devem ler para as crianças?

A Bíblia, para começar, e já ir mostrando Jesus nas histórias. Ele está lá.

Livros desafiadores para ir conversando. Mostrar como a fé cristã é dinâmica e como o cristianismo não é só uma coisa religiosa.

 

Que conselho você gostaria de ter recebido na sua juventude?

Menino, num torce para o Corinthians, não!

 

Como você lida com o envelhecer?

Quando eu completei 70 anos me dei conta de que se diz que morreu cedo quem parte aos 61, 65, 69… mas nunca ouvi dizer que morreu cedo quem se foi com 70 anos ou mais.

Jesus só retornará depois dos sinais que ele deu, mas pode ser que eu não esteja aqui para ver os sinais. Tenho muito trabalho para fazer e ao mesmo tempo estar pronto para a aguardada chamada e o desejado encontro com o meu Senhor.

 

O que mais o anima e o que mais o incomoda no meio evangélico?

O que mais incomoda é exatamente o fato de ele ser apenas meio evangélico. Na outra metade tem secularismo, paganismo, obscurantismo, e vai por aí.

 

Como você relaciona ser Editor da Cultura Cristã com o seu chamado para o ministério?

O que me despertou para o ministério foi a escassez de pessoas dedicadas a difundir o evangelho. Exerci o pastorado de igrejas locais ao longo dos anos e trabalhei em plantação de igrejas no Brasil e no exterior, mas divulgar a Palavra de Deus publicando livros parece que me coloca amplamente no cumprimento do meu chamado para o ministério, episódio que está completando 50 anos agora.

 

• Cláudio Antônio Batista Marra é pastor presbiteriano, bacharel em Teologia e em Comunicação Social, Mestre em Letras pela Universidade Mackenzie, obteve seu grau de doutor (D.Min.) pelo Reformed Theological Seminary, Jackson, Mississippi. Foi ordenado há 46 anos pela Nederduitse Gereformeerde Kerk (África do Sul), é autor de diversos artigos e do livro A Igreja Discipuladora. É professor de Homilética e Pregação no JMC e Editor da Cultura Cristã. É casado com Sandra.

 

Leia mais
» Família: valores, influências e o evangelho
» A influência da ficção: de Monteiro Lobato a C. S. Lewis
» Mais “Na varanda com o autor”

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *