Por: Amanda Almeida

Não faltam livros no catálogo de Ultimato quando o assunto é missão. Evangelização ou Colonização, de Analzira Nascimento, foi um dos mais procurados na noite de esxta-feira em nosso stand no Voc Village, espaço do Vocare voltado para a conexão dos jovens participantes com conteúdos e oportunidades missionárias. Se você está pelo evento, ainda dá tempo de passar pelos stands, conhecer nossos livros, e saber mais sobre várias oportunidades missionárias.

Não deixe esse momento passar em branco! Confira aqui alguns depoimentos de participantes e do pessoal dos stands:

“Estar aqui é incrível. Eu nunca tinha participado do Vocare, e é um evento muito grande, de referência. Aqui dá para ver as muitas formas de fazer missões. Às vezes a gente conhece uma ou outra, e aqui nos stands vemos o tanto de opções que a gente tem para evangelizar e falar de Jesus, que abrangem todos os perfis. Isso é o mais legal”.
Carol Rojas, 24 anos. Participante, no stand da CLD (Curso de Liderança e Discipulado).

“Meu sentimento, estando aqui ao lado de tantas outras agências missionárias, é de que o movimento universitário tem crescido e tomado uma força muito grande. Estar aqui é muito importante para nós, como um movimento dentro das faculdades, que são ambientes muito hostis e dificultosos ideologicamente. Ver o que Deus está fazendo e os frutos que estão sendo gerados no Brasil e no mundo me traz uma felicidade muito grande”.
Anne Trevisan, 23 anos. Está no stand da Cru (Cruzada Estudantil).

Voc Village reúne stands de diversas organizações missioárias

“Estar aqui no stand do CEM (Centro Evangélico de Missões) nesse momento significa despertar vocações que estão ali escondidas, da pessoa que ainda não reconhece seu lugar na obra. É bem interessante, porque a gente tem a oportunidade de conhecer a pessoa, vê-la pessoalmente, e conectá-la à missão, mostrando como ela pode se preparar melhor para servir a Deus. O que a gente dá ênfase aqui é que a pessoa precisa entender qual é o lugar dela na missão. E a oportunidade que a gente tem de trocar ideias e mostrar o treinamento é justamente para que ela possa perceber que tem esse chamado e pode se preparar para isso, que é o que o CEM oferece”.
Keli Cristina, 34 anos. Está no stand do CEM (Centro Evangélico de Missões).

 

“Sou de uma geração que foi missionária. Muitos jovens da minha época que foram impactados pela palavra de Deus fizeram missões. Nós críamos no nosso chamado, de alcançar as nações. Com o passar dos anos, vimos isso diminuir. Mas quando vejo um movimento como esse, o meu coração se aquece, para que essa seja uma geração missionária, como a minha foi. Penso que é a hora de passar a tocha. Que eles se sintam tão desafiados como nós fomos. Essa é minha expectativa”.
Heliana Silva, 52 anos. Com 30 de ministério, está no stand da Missão ALEM (Associação Linguística Evangélica Missionária).

*****

Amanda Almeida é jornalista e integra a equipe Ultimato na Cobertura do Vocare 2017.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *