Quarto livro da série “Ciência e Fé Cristã”, título de Alister McGrath analisa o que mudou na teologia após o surgimento da teoria da evolução

 

Prat_01_09_16_Capa_Deus_DarwinQuando Charles Darwin ganhou notoriedade, a teologia cristã foi colocada na berlinda por um número crescente de intelectuais e cientistas. O debate ainda não terminou e uma pergunta que precisa ser respondida é: o Darwinismo matou a teologia?

A Editora Ultimato, em parceria com a ABC2, lança o quarto livro da série Ciência e Fé Cristã com o título Deus e Darwin – Teologia Natural e Pensamento Evolutivo, do renomado teólogo e cientista Alister McGrath. O livro aponta as implicações do pensamento evolutivo para a teologia natural desde a publicação de A Origem das Espécies, de Darwin, até os debates atuais sobre criacionismo e design inteligente.

A teoria da seleção natural, de Charles Darwin, abalou as verdades fundamentais do cristianismo ou pode elucidar pontos de vista sobre as origens e o significado da vida? Alister McGrath mostra como a fé cristã se adaptou ao darwinismo e pergunta se há um lugar para o design tanto no mundo da ciência como no mundo da teologia.

O conteúdo de Deus e Darwin – Teologia Natural e Pensamento Evolutivo está estruturado em quatro partes: 1) esclarecimentos sobre os conceitos discutidos; 2) uma exposição história sobre o tema; 3) a discussão contemporânea; 4) e as perspectivas para a teologia.

Uma abordagem atual sobre a teologia natural e o pensamento evolutivo, discutida por um dos teólogos mais conhecidos e respeitados em todo o mundo.

Ficha técnica
Título
: Deus e Darwin – Teologia Natural e Pensamento Evolutivo

Autores: Alister McGrath

Páginas: 376
Formato: 16×23
Preço: R$ 79,10


Sobre o autor
– Alister McGrath é um dos mais influentes pensadores cristãos da atualidade. Bioquímico, com pós-doutorado em biofísica molecular e doutorado em teologia, é professor de ciência e religião na Universidade de Oxford. É autor de vários livros, entre eles “O Delírio de Dawkins”, Como Lidar com a Dúvida, Teologia Pura e Simples e A Ciência de Deus. É presidente do Centro Oxford para Apologética Cristã.

O livro em frases
O próprio evangelho não pode ser completamente compreendido até que a natureza e o homem sejam completamente compreendidos. (Fenton John Anthony Hort)

*

O cristianismo vê a natureza como um horizonte que impõe limites à perspectiva humana autônoma, mas que, quando corretamente interpretada, possui uma capacidade inerente e criada de apontar para o divino.

*

A fé cristã é capaz de oferecer uma abordagem da natureza que se baseia na realidade empírica, embora dotada da capacidade de discernir além dos horizontes do que e passível de ser observado.

*

Uma teologia natural cristã é fundamentalmente receptiva a uma interação mais profunda com a realidade.

*

Uma teologia natural cristã permite que os cristãos acampem na fronteira entre o manifesto e o inefável.

*

A questão referente ao potencial imaginativo da natureza de apontar para algo além de si mesma permanece viva, continuando a cativar as mentes e a imaginação humana, apelando para nossa busca pela verdade, pela beleza e pelo bem.

 

Leia também
Livros da série Ciência e Fé Cristã
No princípio… o quê? Darwin, o evolucionismo e os cristãos (Alderi Souza de Matos)
O Teste da Fé

  1. robson santos sarmento

    O Darwinismo matou a teologia? Sem delongas, de maneira alguma, em função de não se ocupar com a questão da criação, da origem, mas sim de todo o processo de evolução, pelo qual determinadas espécies permaneceram e outras não. O maior equivoco e, diga – se e passagem, grosseiro, perpassa por ir a direção de uma suposta dispusta entre fé e ciência, criação e evolução, darwinimo e teologia, mas desvencilhado de qualquer lastro e consenso. Eis um dos maiores entraves, porque o evangelho de Cristo não se afasta de nenhuma manifestação peculiarmente humana, ao qual aponta para a vida e isso abraça os avanços protagonizados pelo ser humano, por meio da ciência.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *