"A kombi que virou jardim (2011). Desenho em nanquim e coloração digital / Angela Bacon

“A kombi que virou jardim” (2011). Desenho em nanquim e coloração digital / Angela Bacon

 

Angela Bacon é uma jovem artista visual que prefere não definir seu estilo próprio. No entanto, isso não a impede de manter a sensibilidade para a vida e de relacionar suas expressões artísticas com suas expressões de fé. Ela é formada em Publicidade e Propaganda e Mestrado em Design Gráfico. É membro da 3ª Igreja Presbiteriana de Belo Horizonte (MG). Seu desenho “A Kombi que virou jardim” (2011) ilustrou o topo da seção “Arte e Cultura”, da revista Ultimato 358, de janeiro de 2016.

Confira uma breve entrevista que fizemos com Angela.

Para ver mais desenhos da artista, acesse seu portfólio online.

***

abacon2015s_300Até que ponto a arte é um expressão de quem somos? Ou ela seria simplesmente uma habilidade técnica? Ou apenas uma profissão? Ou seriam as três coisas?

Acho que podem ser as três coisas sim. Mas nem sempre. Ela pode se tornar algo comercial, sem coração. Pode também ser uma habilidade técnica que não expressa nada, quase como uma impressora. Acho que o ideal seria um equilíbrio.

É possível relacionar sua fé cristã com sua arte?

No design e nas ilustrações expressamos sempre um pouco de nós, e a fé faz parte disso. A expressão do cristão acaba sempre tendo um quê de oração, de salmo.

Como surgiu o desenho “A kombi que virou jardim”? E como surgem os outros desenhos?

A kombi tem história, convivi um pouquinho com o músico Roberto Diamanso, em São Paulo, e ele tinha uma kombi muito velha, que não fechava direito. Acho que nem tinha chave, mas tinha muitas histórias engraçadas. E eu fiz a ilustração como sugestão, que já era hora dela aposentar. Aproveitei e em janeiro de 2011 escrevi um poeminha junto (muita cara de pau escrever poema para poeta). Segue aqui:

A kombi que virou jardim

Cada criança crescida, cada lembrança nublada
Virou semente e germinou sobre a lataria.
Piadas, risos, dores e lágrimas revestem como vegetação rasteira seu interior.
Canções e batuques ritmados sobem qual trepadeiras
E irrompem das janelas com sonoras flores.
De uma horta de temperos emanam aromas diversos
Souvenires de cada cultura trafegada, cada viajante transportado.
Planos e projetos futuros se descolam em ramos inúmeros que alcançam a porta
E se estendem em direção ao céu, destemidos.
Aves multicor vêm abrigar-se à sua sombra.
Se algum dia sonhou trilhar a rodovia que leva ao paraíso,
Nunca pensou que seria, em si própria, miniatura dele.

Você pode dar alguma dica para quem gosta de desenhar, mas não se considera um profissional?

Uma ideia boa é acompanhar o trabalho de ilustradores, desenhistas e designers que você admira. O Pinterest e o Instagram são atualmente boas ferramentas pra te manter atualizado e te dar ideias de projetos futuros.

 

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>