Em Gênesis encontramos uma das mais puras declarações de amor humano: “Então Jacó trabalhou sete anos por Raquel, mas lhe pareceram poucos dias, pelo tanto que a amava” (Gn 29.20). O trabalho escravo pode se tornar um trabalho por amor. O amor transforma todo tipo de trabalho em ministério.

Trabalhar pelo amor de uma mulher ou de um homem, por um pai ou pelos filhos, pela terra, pela nação ou por Deus — qualquer um desses amores pode transformar trabalho em ministério. E no último dia Jesus dirá: De fato, “você trocou minhas fraldas, me visitou na prisão, fez um jantar para mim, me recebeu à mesa, colocou um agasalho em minhas costas”. Como diz a parábola, “O que vocês fizeram a algum dos meus menores irmãos, a mim o fizeram” (Mt 25.40). Jesus (sim, Deus) recebe o nosso trabalho, e não apenas atividades religiosas como pregação, cuidado pastoral, implantação de igrejas etc.

Para celebrar o dia do trabalho, comemorado em todo o mundo amanhã, 1 de maio, o blog coloca à disposição dos leitores o capítulo 7 do livro A Espiritualidade na Prática, de Paul Stevens.

  1. “Para celebrar o dia do trabalho, comemorado em todo o mundo amanhã, 1 de maio…”

    Nos EUA (e no Canadá) não. Lá, por razões outras, é comemorado na primeira segunda-feira de Setembro.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>