Especial Lausanne III – Na Sessão de Diálogo “Como os muçulmanos, hindus, e budistas poderão encontrar pela primeira vez um seguidor de Cristo”, um dos apresentadores, que era da Malásia, contou sobre os Mokens, povo cigano que vive no mar entre a Tailândia e Myanmar. Um pouco antes do tsunami de 26 de dezembro de 2004, como marinheiros experientes, perceberam que o mar estava diferente. Foram para a terra e subiram num lugar alto. Minutos depois veio o tsunami. Ninguém morreu, porém todos os seus pertences foram varridos pelas ondas. Logo depois, chegaram alguns socorristas cristãos que os atenderam.

Os cristãos ajudaram durante seis meses em tudo que o povo precisava para retomar a sua vida. Ao cabo dos seis meses, o povo perguntou por que os socorristas estavam ajudando. Os Mokens até aquela ocasião nunca tinham encontrado alguém que conhecia a Jesus, nunca ouviram falar de Cristo.

Os socorristas pediram para fazer uma festa conforme a cultura do povo. No meio da celebração, contaram sobre Jesus. Naquela noite, 80% do povo aceitou a Jesus. Hoje, cinco anos depois, foram plantadas várias igrejas e já há obreiros locais. Periodicamente, grupos de voluntários de vários países realizam projetos de curto prazo para treinamento e capacitação. Pediram médicos brasileiros para treinar agentes de saúde que abrirão clínicas em três ilhas. Exatamente durante os dias do congresso de Lausanne, Cape Town 2010, uma médica brasileira estava dando atendimento de saúde em um acampamento infantil organizado por um grupo de malasianos e a seguir iniciou o treinamento de duas moças Moken para serem agentes de saúde.

Crédito foto: (c) The Lausanne Movement

Margaretha Adiwardana, missióloga, fundadora da Associação Missão Esperança é uma dos cerca de 90 brasileiros que participaram de Lausanne III.

  1. O Reino de Deus continua sua expansão! Relatos como esse enchem meu coração de alegria, esperança e coragem. A Igreja do Senhor Jesus continua avançando poderosamente, apesar dos “inimigos internos”.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>