A realidade das comunidades ribeirinhas amazônicas é bem precária no que se refere a serviços públicos de saúde. Uma comunidade próxima a Pauiní (sul do Amazonas), às margens do Rio Purus, recebeu uma única visita médica no período de quatro anos. Essa triste realidade foi constatada pelo jovem casal de missionários, Eduardo e Donária Magrin, que vivem na região há cerca de um ano.

Eduardo e Donária Magrin

Visitando as comunidades e conversando com os ribeirinhos, o casal sentiu a necessidade de fazer algo para ajudar os moradores. Assim surgiu o projeto Rio de Esperança que, além de focar na plantação de igrejas autóctones, pretende montar uma farmácia itinerante em um barco, para atender os ribeirinhos com medicamentos, serviços básicos e educação preventiva, ampliando as ações que o casal já vem desenvolvendo desde que e mudaram para a região.

Durante o Vocare 2017, que ocorreu de 21 a 23 de abril em Maringá (PR), o Rio de Esperança foi escolhido entre vários para projetos para receber um prêmio de 25 mil reais. O valor será destinado para equipar o barco com a estrutura e medicamentos necessários para beneficiar mais pessoas.

Em entrevista concedida ao Paralelo10, o casal conta em mais detalhes como deixaram seus estados, Tocantins e Paraíba, para viver no interior do Amazonas e como conseguiram gravar o vídeo e se inscrever no VocTalk faltando menos de uma hora para o encerramento das inscrições. É como eles dizem: “Só pode ter sido coisa de Deus”. Confira:

Como vocês foram parar no sul do Amazonas e há quanto tempo estão na região?

Antes de nos conhecermos, tínhamos o desejo de trabalhar com os que pouco ou nada ouviram do Evangelho. Fomos para o seminário Betel Brasileiro em João Pessoa (PB), Eduardo enviado pela Igreja Batista Getsêmani, de Palmas (TO), e Donária pela Igreja Congregacional de Pombal, sertão da Paraíba.  Lá nos conhecemos e durante a formação tivemos mais informações sobre o desafio missionário entre os ribeirinhos. Após o seminário, entramos em contato com a equipe Amanajé e com o pastor. Alcedir, da igreja Presbiteriana de Manaus, que nos receberam por um período de quatro meses na região, para conhecermos pessoalmente os desafios. Nesse período tivemos acesso à pesquisa do Projeto Fronteiras, que apontava o Rio Purus, no sul do Amazonas, como o menos evangelizado do estado. Depois de um período de reflexão, oração e apoio da nossa igreja local e denominação, decidimos ir para o Purus. Porém, queríamos nos ligar a algum grupo que estivesse trabalhando na região. Ouvimos que a MEAP estava querendo trabalhar no estado do Amazonas, assim procuramos o Márcio e a Damaris Garcia, da MEAP, e descobrimos que seus projetos também eram direcionados ao Purus. Entendemos como propósito de Deus firmar essa parceria envolvendo nossa igreja local, em Pombal, e a Aliança Congregacional. Fizemos nossa primeira visita ao Purus em novembro de 2015 e nos mudamos definitivamente para o estado do Amazonas em abril de 2016, junto com o missionário Oscar e sua família. Assim nascia a MEAP Amazonas.

O que mais os impactou no início?

Além do isolamento em que vivem os moradores das comunidades, fomos impactados pela precariedade de serviços públicos básicos.  Por exemplo, os moradores de diversas comunidades visitadas tiveram apenas uma visita médica no período de quatro anos e as escolas do interior de Pauini (AM) só ensinam até a quarta série e, consequentemente, a maioria dos jovens não dá continuidade aos estudos.

Como surgiu a ideia do projeto Rio de Esperança?

O projeto Rio de Esperança pretende plantar igrejas com forte liderança autóctone e promover desenvolvimento comunitário A iniciativa é fruto da parceria entre a MEAP Amazonas, Igreja Congregacional em Pombal e Aliança Congregacional. Ao perceber o impacto causado pela falta dos serviços públicos básicos aos ribeirinhos, nos sentimos desafiados a criar projetos que suprissem algumas de suas necessidades. Após visitas e pesquisas socioeconômicas constatamos que não havia medicamentos para tratamentos básicos. Em uma comunidade visitada, por exemplo, encontramos um garoto deitado em uma rede com dores e febre por ter sido esporado por uma arraia e não tinha nenhum medicamento. Somado a isso, notamos o flagelo da questão sanitária e os padrões de higiene pessoal que geram diversos tipos de doenças, sobretudo as parasitárias. Então desenvolvemos a ideia de uma farmácia itinerante para atender a população ribeirinha com medicamentos básicos e um sistema de educação preventiva.

Contem como vocês ficaram sabendo do VocLab e como foi para inscreverem o projeto.

Rio de Esperança é premiado no VocTalk do Vocare 2017

“Descobrimos” o Vocare a partir da Ultimato, e quando abrimos a página encontramos um link informando sobre o VocLab. Porém, o período de inscrição era até as zero hora e quando soubemos do VocLab já passava das 23 horas. Decidimos fazer o vídeo e em poucos minutos o enviamos, justificando que o fuso horário de Pauini é uma hora a menos que Brasília. Então, agradecemos também a diferença de horário que nos permitiu participar do processo (risos). Enviaram o e-mail comunicando os quatro finalistas para apresentar o projeto no palco do Vocare por volta das 22 horas do dia 17 de abril. Iríamos viajar para as comunidades no outro dia bem cedo e não iríamos ler a mensagem, porém resolvemos abrir o e-mail antes de viajarmos e constatamos que éramos finalistas e que precisávamos ir do Amazonas ao Paraná em três dias, se quiséssemos concorrer ao prêmio. Pela graça de Deus e mobilização de amigos, chegamos a Maringá e ganhamos o financiamento para o projeto de prevenção e farmácia itinerante. E sempre afirmamos: “só pode ser coisa de Deus”!

Quem quiser ajudar o projeto de alguma forma, como deve proceder?

O desafio em Pauini é enorme, são mais de 100 comunidades sem presença evangélica. Precisamos de parceiros para financiamento de projetos sanitários, novas embarcações, aquisição de medicamentos e combustível para viagens. Quem deseja participar desse projeto como missionário em tempo integral ou doando suas férias ou um período que desejar, entre em contato conosco pelo e-mail projetoriodeesperanca@gmail.com; página no Facebook ProjetoRiodeEsperança; WhatsApp (83) 99611-2552; ou telefone (97) 99188-6785.

Confira a galeria de imagens das ações missionários do Rio de Esperança:

 

  1. Não se pode ser contra uma obra dessa. Espero que ela não ‘seque’ no decorrer dos anos, ainda que tenha nascido com o mesmo virus que afeta a maioria das missões: a ausência de uma JUNTA ou como os americanos diziam, BOARD OF MISSIONS.

    ‘Board’ é um órgão que (a) escolhe uma liderança (o casal tem essa liderança); (b) elabora uma estratégia (o casal elaborou a sua) e finalmente, (c) fornece os meios tanto para a liderança quanto para a estratégia alcançar seus resultados.

    O casal aí é o ‘board’ a ‘junta’ para si.
    Terão que amargar, certamente com enorme fervor jovem ainda, da carência do apoio que uma ‘junta’ oferece.

    Desejo-lhes sucesso.

  2. Jairo Falcão

    Extraordinaria experiência, um exemplo para os jovens de hoje, que cheios de vigor e talentos muitos ficam a margem da espetacular obra que o próprio Deus vem realizando. Jairo Falcão / João Pessoa

  3. George Ribeiro Correa

    Meus Amigos Eduardo e Donária, que Deus continue usando a vida de vocês para abençoar as pessoas daqui do Purus. Importante projeto para o atender as pessoas nas comunidades. Abraço…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>