6
Das embarcações mencionadas na Bíblia nenhuma é tão fascinante quanto a arca de Noé. Ela ilustra muito bem a salvação que temos em Jesus Cristo: só sobreviveu ao dilúvio quem nela entrou. E a arca tinha também a mesma missão de todas as embarcações: conduzir em segurança seres humanos, que não são totalmente adaptados à água, como gostariam de ser. O barco existe para contornar uma fraqueza e evitar um perigo certo: morte por afogamento.É curioso notar o número de instruções específicas dadas por Deus a Noé. Ele ditou a altura, a largura e a profundidade da arca. Determinou também o tamanho da porta, e a sua posição, número de andares da arca, e até o tipo de madeira (cipreste) e material para calafetá-la por dentro e por fora (betume).

Já pensou se Noé fosse do tipo que não gosta de seguir normas? Lá pelo trigésimo dia do dilúvio ele perceberia que o casco estava começando a vazar! Provavelmente por economia, usara o betume¹ somente pelo lado de fora. Por dentro usara uma resina natural mais fácil de manusear e com um cheiro menos desagradável. Chamaria a família para uma reunião urgente. Decidiriam aliviar a carga jogando fora os animais mais pesados… Você pode imaginar o resto.

Se Deus, na sua soberania, se importou com normas de segurança para salvar a criação, você não acha que nós também precisamos fazer tudo ao nosso alcance para conduzir a criança, obra-prima de Deus, por sobre as águas turbulentas de um mundo mal com todo o cuidado e segurança? 
As normas para manter o ambiente de nossos projetos sociais, escolas e igrejas livres de perigos para as crianças não nos foram ditadas por Deus. Mas temos o discernimento (oferta do Espírito Santo); a experiência (oferta de muitos colegas espalhados pelo mundo); e as normas do país (estabelecidas pela lei e pelos organismos de controle presentes em nossa sociedade).
A lista abaixo apresenta os buracos mais comuns encontrados nos cascos de nossas arcas (organizações sociais cristãs) e que favorecem a violação dos direitos das crianças dentro dos projetos.

1. Contratação irregular de funcionários. Sem fazer uma boa triagem, correndo o risco de empregar pessoas não-idôneas e até mal intencionadas.

2. Não cumprimento das leis trabalhistas. Às vezes a pessoa recebe uma quantia muito pequena e trabalha muitas horas sem o vínculo trabalhista adequado.

3. Desrespeito às normas da Secretaria de Educação quanto ao número de crianças por turma, aspectos físicos das dependências etc.

4. Desrespeito às normas de segurança do Conselho de Segurança Alimentar.

5. Desconhecimento e desrespeito ao Estatuto da Criança e Adolescente bem como a desarticulação do projeto com os órgãos de proteção da criança (Conselho Tutelar e Conselho Municipal dos Direitos da Criança e Adolescente)

6. Desconhecimento e desrespeito à Convenção sobre os Direitos da Criança da Organização das Nações Unidas que nos fornece uma lista de direitos fundamentais da criança como o direito de ser tratada com igualdade e de ser ouvida sobre questões que afetam a sua vida.

7. Desobediência aos preceitos de Deus com relação à criança, tratando-as como seres secundários e não os primeiros no reino dos céus.

Há brechas em nossas arcas. Está na hora de fechá-las! As crianças merecem uma viagem mais tranquila. Não sejamos ingênuos, do lado de fora, a tempestade continua fazendo muitos estragos!


Nota
1. Massa parecida com o asfalto, usada para tapar frestas

_______________________________________________________________________________________________________________________
Artigo publicado originalmente na Revista Mãos Dadas – Edição 16 em março de 2007.

 

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>