Na semana passada, tive o privilégio de me apresentar no projeto cultural Autorretrato da Música Cristã Brasileira, na Universidade Mackenzie. Uma experiência muito especial para mim. Entre uma gravação e outra, num breve intervalo, manhã de sexta-feira, fui ao Cemitério dos Protestantes. Fui logo visitar o local onde estão sepultados Ashbel Green Simonton (1833-1867), de quem reli o Diário este ano, e José Manoel da Conceição (1822-1873), cuja vida me fascina.

Há tempos venho querendo musicar algum poema de Conceição. Finalmente, tive a oportunidade e compartilho. Este poema, escrito em 1867, transpira simplicidade, devoção e esperança, virtudes que caracterizaram uma vida inteira. Nascido na capital, mas viajando por todo o inteiror do Estado de São Paulo, Conceição foi um peregrino. Por isso, tentei evocar na melodia duas referências fundamentais: os hinos protestantes que ele tanto amava e a música caipira, que certamente ele tanto ouviu.

.

Escreve tu com própria mão,

Escreve, onipotente Rei,

Teu nome n’este coração.

E n’esta mente a Tua Lei.

.

Vi outros reinos, ó meu Deus!

Devotos sempre os rende a Ti;

Os ilumina desde os céus,

E acenda Tua graça em mim.

.

Teu nome e Tua Lei, Senhor,

Me fazem reto caminhar,

Vontade, inteligência, amor,

Guiando até os dominar.

.

Se o meu Deus, em galardão,

E em meu apoio Se tornar,

A eternidade imensa, então,

Será o tempo de eu O amar.

.

Lápide de Conceição

.

.

.

.

.

.

.

a santa palavra 4

  1. Gladir,
    Escutei essa canção há pouco.
    Mesmo passando por uma fase de muita tensão, viajei pra outros lugares ao ouvi-la.

    Obrigado por compartilhar.
    Vamos seguindo continuamente no Caminho.

  2. Gladir, que lindo! Te ouvir é um grande bem pra vida da gente. Eu e Wesley somos teus admiradores há mto tempo!

    Grande abraço!

    No Caminho que nos encaminha sempre.

    Marlene Vasques

  3. Daniel Bernardes Pereira

    Lindas palavras, linda canção.. Realmente as histórias de vida desses dois homens nos servem de inspiração.
    E que Deus continue te abençoando nessa linda caminhada e te fazendo um vaso de bênção em muitas vidas..

    Um abraço do camboriuense aqui que te admira..

  4. Gislene Camargo Dassoler

    Querido Gladir, tu és uma voz que ecoa!
    Teu olhar, teus conhecimentos… demonstram que o “poder”do saber vai além do dominar. Teu conhecimento é PARTILHA!
    Agradeço por compartilhares uma obra ao mesmo tempo singela e profunda!

  5. Prezado Gladir, linda canção. A vida do Conceição sempre me impressionou muito. Não conhecia esse seu lado poético. Realmente, nesse caso, não são só palavras. A vida dele foi uma poesia. Abraços.

  6. Caro Gladir,
    Espetacular! Deus seja louvado em nos permitir desfrutar da união entre o testemunho fiel do valoroso Rev. José Manoel da Conceição e seu talento em produzir coisas que fazem diferença. Belíssima peça. Bênção de Deus!

  7. Osvaldo Vieira dos Santos

    Gladir,
    Muito bom, cada dia nos tornamos mais admiradores do teu trabalho, da tua disposição e da fé em Cristo, pregada em lindas canções.

    Abraços
    Osvaldo/Zenilda

  8. Visitei uma das igrejas plantadas por Conceição em Brotas. Esta sua música é uma bela homenagem aos filhos missionários de Conceição, trabalhadores na seara.

  9. Graça e Paz,pastor!!!
    Olhos marejados ao final da música!!!
    Estava lendo a alguns dias Entre os Gigantes de Deus,sobre os puritanos…e essa canção me fez viajar pra essa época onde os crentes eram verdadeiramente crente!!!Deus o abençoe ainda mais!!!E que Ele nos permita que o senhor nos brinde com mais canções que honrem o Nome Dele!!

    Abraços!!!

    Joel!!!!!

  10. Prezado Gladir, parabenizo o irmão pela iniciativa de pesquisa e partilha de poema de JMC e agradeço por fazê-lo de forma tão linda e agradável. Fraternalmente, Douglas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>