Para permanecer em Cristo

Para permanecer em Cristo

SÉRIE REVISTA ULTIMATO
Artigo: “União com Cristo”, de Ricardo Barbosa, edição 366

Texto básico: João 15. 1-17

Textos de apoio:
– Deuteronômio 30. 6-20
– Neemias 8. 1-13
– Salmo 119. 105-112
– Romanos 12. 2
– Tiago 1. 22-25
–  1 João 2. 3-7

Introdução

“O grande objetivo da vida cristã é tornar-se um portador do Espírito, viver no Espírito de Deus, respirar o Espírito de Deus” (Kallistos Ware, bispo da Igreja Ortodoxa Oriental). Em outras palavras, esse sublime objetivo pode ser definido como a nossa união com Cristo. Conformar a nossa maneira de pensar (Rm 12. 1-2) e a nossa maneira de viver (1 Jo 2. 6) a Jesus Cristo.

É preciso reconhecermos que o alcance pleno deste objetivo não está sob nosso controle, como se fosse o mero resultado da aplicação de “técnicas espirituais”. Não. Aqui caminhamos no terreno do mistério de Deus, e é necessário uma postura de humilde reverência. Ao mesmo tempo, é possível afirmarmos que por mais misterioso que seja este processo de “conformação” à pessoa de Cristo, ele jamais será desevolvido sem o contato com a Palavra de Deus e a atuação do Espírito Santo.

Por isso, nossa devoção pessoal deve privilegiar o espaço para leitura e meditação da Palavra, junto com a escuta do Espírito que transforma a palavra escrita em Palavra Viva em nosso coração, suscitando em nós obediência a esta mesma Palavra.

Jesus utilizou uma metáfora agrícola para ensinar seus discípulos sobre a profundidade deste processo de união com Ele, no Evangelho de João. Que o Espírito de Deus nos ajude enquanto buscamos compreender e interiorizar Sua palavra em nossa vida.

Para refletir e entender o que a Bíblia fala

1. No início de seu discurso em João 15, Jesus se “apresenta” como a “videira verdadeira” (v. 1). Os seus seguidores (ou discípulos) são os “ramos” (v. 5). O que ele pretendia ensinar com esta ilustração? Será que existe o risco de nos “ligarmos” a alguma “videira falsa”, de onde procuramos retirar “seiva” para nossos “frutos”? Você conhece alguma destas “videiras falsas”?

2. Além das figuras da videira e dos ramos, Jesus de  refere a Deus Pai como o agricultor que cuida da videira. Ele poda (limpa) os ramos frutíferos para torná-los mais frutíferos ainda (vv. 1-2). De que maneira(s) esta “limpeza” pode ocorrer em nossa vida? Você se lembra de alguma experiência recente nesse sentido?

3. Observe quantas vezes aparece o verbo “permanecer” entre os versos 4 e 10. Em termos práticos, como é possível “permanecer em Cristo”? Qual a relação entre esta “permanência” e a “união” com Cristo?

4. Unir-se a Cristo e permanecer Nele nos traz alguns benefícios espirituais. Alguns deles são citados nos vv. 7-11. Quais seriam eles? Que risco(s) corremos ao fazer uma leitura seletiva destes versos, enfatizando apenas os benefícios e nos esquecendo do pré-requisito na primeira parte do v. 7?

5. Nos versos 12 e 17 Jesus põe em relevo os nossos relacionamentos uns com os outros. Qual é o padrão referencial para sabermos se realmente estamos amando uns aos outros (v. 12)? Neste contexto, a nossa união com Cristo e uns com os outros ganha um novo significado para você?

Para Refletir

“O Filho eterno vive e age pela palavra do Pai. Os discípulos guardam e vivem pela palavra do Filho e, através da palavra, o Pai e o Filho fazem sua habitação em nós e, desta forma, participamos da comunhão divina. Permanecemos em Cristo somente quando permanecemos na palavra. Quando nossa mente, desejos e vontade forem moldados pela palavra de Cristo, viveremos como Cristo e a vontade de Deus será a nossa vontade, os desejos de Deus os nossos desejos e, assim, teremos o que Paulo chama de ‘a mente de Cristo’”.(Ricardo Barbosa)

“Ouça o Livro. O que quero dizer com isso é: leia a Bíblia; leia livros sobre a Bíblia, sobre a vida espiritual e sobre a vida de “grandes” santos… Muitas pessoas são levadas a Deus por meio da literatura espiritual que lêem por opção, ou oportunidade. Santo Agostinho, Santo Inácio, Thomas Merton e muitos outros converteram-se por meio do Livro. O desafio, no entanto, não é ler um livro “espiritual” como uma fonte de informações interessantes. Mas, ao contrário, é ouvi-lo como uma voz que fala diretamente com você. Todavia, não é fácil deixar que um texto “fale” com você. Sua sede de conhecimentos e informações muitas vezes faz com que você deseje ter a palavra, em vez de permitir que a Palavra tenha você. Mesmo assim, você aprenderá muita coisa ouvindo com atenção a Palavra que procura entrar em seu coração.(Henri Nouwen)

Para Terminar

No texto que estudamos, Jesus fala de três tipos de ramos: os que não dão fruto, os que dão fruto (e precisam de poda), e os que dão mais fruto ainda (pois foram podados). Em todo caso, um ramo só poderá dar fruto se estiver “unido” à videira (que neste caso é o próprio Cristo). Fazendo uma avaliação honesta, em qual categoria de ramo você posicionaria a si mesmo? E, caso você se identifique com o primeiro tipo, que passos você deseja tomar para atender o chamado feito por Cristo neste estudo?

Eu e Deus

Deus, tenho o hábito de pensar em mim como a videira com os outros se ramificando a partir de mim. Que erro! Jesus é a videira e eu sou um ramo nele. Faze o que precisa ser feito, Pai, para tornar essa ligação entre videira e ramo vigorosa e saudável, em nome de Jesus. Amém. (Eugene Peterson, Um Ano com Jesus, Ultimato)

Autor do estudo: Reinaldo Percinotto Júnior
Este estudo bíblico foi desenvolvido a partir do artigo “União com Cristo”, de Ricardo Barbosa, publicado na edição 366 da revista Ultimato.

Print Friendly

Um comentário para “Para permanecer em Cristo”

  1. João boturi 20 de julho de 2017 at 17:52 #

    Gloria a Deus por este ministerio. Tenho usado com frequencia os estudos biblicos que são uma benção

Deixe um comentário