É de graça, mas não é barato

É de graça, mas não é barato

SÉRIE REVISTA ULTIMATO
Artigo: #É a graça, estúpido, de Valdir Steuernagel

Texto básico: Lucas 19. 1-10

Textos de apoio
– Salmo 84. 9-12
– Isaías 55. 6-9
– Lamentações 3. 19-23
– Mateus 10. 5-8
– Lucas 5. 27-32
– 1 Coríntios 15. 9-10

Introdução

Precisamos reconhecer a nossa dificuldade em lidar com a graça de Deus. Ora ela nos parece incompreensível, pois estamos imersos em um ambiente fortemente influenciado pela lei do mérito. E não gostamos de ver alguém que “não merece” ser contemplado com algum benefício, ou benção, que deveria ser dirigida a quem “fez por merecer”, preferencialmente a um dos nossos. E ora ela nos parece algo tão automático, tão corriqueiro, tão facilmente “alcançável”, que acabamos por subvalorizá-la – nas palavras de Dietrich Bonhoeffer, nós a barateamos.

É difícil conciliar em nossa mente algo que, como o próprio nome diz, é “grátis” e ao mesmo tempo “custoso”. Mas, se não queremos nem “elitizar” e nem “baratear” a surpreendente e maravilhosa graça de Deus, não podemos abrir mão nem da magnanimidade de Deus e nem da nossa responsabilidade pessoal.

Precisamos pedir a ajuda de Deus para discernir se estamos nos afastando do equilíbrio necessário. A atuação graciosa de Deus às vezes me parece “inadequada”, privilegiando “pecadores” e “impuros”? Alguma vez isso me causou um sentimento de “injustiça”? Ou, por outro lado, será que tenho percebido a graça de Deus como um recurso instantâneo e desprovido de qualquer expectativa em relação ao meu compromisso pessoal?

Para entender o que a Bíblia fala

  1. O que você consegue descobrir sobre Zaqueu nos vv. 1-4? É possível que ele já tenha ouvido alguma coisa sobre Jesus?
  2. Quando Jesus parou e se dirigiu a Zaqueu (vv. 5-6), como você acha que a multidão deve ter se comportado? Que sentimentos devem ter surgido? E quanto a Zaqueu, o que você acha que ele sentiu ao ouvir aquelas palavras?
  3. Os publicanos (cobradores de impostos) eram hostilizados porque eles extorquiam dinheiro de seus conterrâneos judeus para entregar aos dominadores romanos. Por que Jesus estava arriscando sua reputação ao entrar, e muito provavelmente comer, na casa de Zaqueu (v. 7)?
  4. No v. 8, Zaqueu faz um anúncio público diante dos presentes. O que esse anúncio revela sobre a fé e o arrependimento de Zaqueu (veja Levítico 6. 1-5). Será que Zaqueu poderia estar blefando?
  5. O que Zaqueu deve ter pensado, e sentido, ao ouvir Jesus dizer “hoje houve salvação nesta casa” (v. 9)? Como deve ter sido a vida de Zaqueu a partir daquele momento?
  6. O v. 10 carrega uma surpresa: Jesus também estava procurando Zaqueu! Em Lucas 5. 27-32 nós ficamos sabendo que Jesus já tinha feito amigos publicanos no passado. Voltando ao v. 5, que indícios nós encontramos aqui de que Jesus também já tinha ouvido falar de Zaqueu, e também procurava por ele?

Hora de Avançar

A graça de Deus é tão central e tão preciosa que nos custa uma vida para aceitá-la, pois estamos sempre querendo negociar com Deus. Vivemos tentando descaracterizá-la para poder manipulá-la. [Dietrich] Bonhoeffer diz que a graça de Deus é preciosa e nós somos sempre tentados a transformá-la em graça barata.(…) Ela é graça barata quando é exposta no mercado como um mero produto, quando é anunciada como perdão sem arrependimento, comunhão sem confissão, quando se anuncia graça sem discipulado, sem cruz e sem Jesus Cristo.
(Valdir Steuernagel)

Para pensar

Embora o texto de Lucas 19 não faça uma menção explicita a isto, os estudiosos concordam com o fato de que os cobradores de impostos (publicanos) normalmente praticavam extorsões, coletando dinheiro a mais e ficando com uma parte generosa para eles mesmos. Aparentemente Zaqueu descobriu da maneira mais difícil que o dinheiro não podia compensar a falta de aceitação por parte do seu povo.

O texto deixa claro que Zaqueu estava bem ansioso para ter contato com Jesus. É bem possível que ele já tivesse ouvido falar de Jesus, através do contato com outros publicanos; provavelmente muitos deles já haviam se arrependido e recebido o batismo de João (Lucas 3. 12-13). Lembremos também que um cobrador de impostos, Mateus (Levi), já era um dos principais discípulos de Jesus.

O que disseram

Acreditar em um “Deus impessoal” – tudo bem. Em um Deus subjetivo, fonte de toda a beleza, verdade e bondade, que vive na mente das pessoas – melhor ainda. Em alguma energia gerada pela interação entre as pessoas, em algum poder avassalador que podemos deixar fluir – o ideal. Mas sentir o próprio Deus, vivo, puxando do outro lado da corda, aproximando-se em uma velocidade infinita, o caçador, rei, marido – é outra coisa.(…) Chega uma hora em que as pessoas que ficam brincando com a religião (“a famosa busca do homem por Deus”), de repente, voltam atrás: “Já pensou se nós o encontrássemos mesmo? Não é essa nossa intenção! E, o pior de tudo, já pensou se ele nos achasse?”
(C. S. Lewis, Um Ano com C. S. Lewis, p. 11, Ultimato, 2005)

Para responder

  1. Jesus nunca desiste de nos procurar. De que maneiras você acha que Deus nos “acena” e nos “chama” nos dias de hoje? Pessoalmente, como você tem respondido aos “chamados” de Deus?
  2. Na sua busca por Jesus, Zaqueu enfrentou alguns obstáculos, que não foram suficientes para fazê-lo desistir. Que obstáculos as pessoas podem enfrentar em nossos dias, na sua busca por Deus? Como podem enfrentar, e vencer, tais obstáculos?

Eu e Deus

Querido Cristo, não quero que minha vida seja moldada por minhas exigências, mas pelo movimento certo, porém misterioso, de tua graça. Amém.
(Eugene Peterson, Um Ano com Jesus, Ultimato)

Autor do estudo: Reinaldo Percinotto Júnior
Este estudo bíblico foi desenvolvido a partir do artigo “# É a graça, estúpido”, de Valdir Steuernagel, publicado na edição 362 da revista Ultimato.

Print Friendly

Um comentário para “É de graça, mas não é barato”

  1. Lenilson Fernandes de Oliveira. 7 de outubro de 2016 at 12:34 #

    Bom estudo!!! tenho que compará lo,ao livro de Jonas,quando (este) não aceitou o Ide,achando que os Ninivitas não eram dignos.

Deixe um comentário